"Interrogado pelos fariseus sobre quando viria o reino de Deus, Jesus lhes respondeu: Não vem o reino de Deus com visível aparência. Nem dirão: Ei-lo aqui! Ou: Lá está! porque o reino de Deus está dentro em vós." (Lucas 17: 20-21).

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Alemães abandonam igrejas para não pagar o “dízimo”


A receita federal da Alemanha cobra um imposto a mais dos cidadãos que frequentam uma igreja e para fugir dessa cobrança os alemães estão deixando de ir congregar.

O imposto é chamado de kirchensteuer, descontado diretamente dos salários e ganhos de capital. A queda do número de fiéis começou a ser sentida no segundo semestre do ano passado, após um anúncio da receita que afirmou reforçar o controle para evitar que os cidadãos soneguem este tributo.
Entre as igrejas católicas foi sentido a diminuição de no mínimo 180.000 fiéis, segundo informações fornecidas pelas 27 dioceses espalhadas no país em 2014. No mesmo período a Igreja Evangélica Alemã (EKD), Luterana, perdeu 200 mil fiéis, um aumento de 45% em relação a 2012 quando foi feito o último levantamento.

O imposto da igreja faz parte da Constituição da Alemanha Ocidental desde 1949 e afeta todos os cidadãos batizados a partir do momento que ele começa a pagar o imposto de renda.
O valor é de 8% ou 9% em cima do imposto de renda e um percentual semelhante é aplicado quando o cidadão paga impostos por ganhos de capital. Muitos tentavam evitar dizer sua religião aos bancos – judeus também pagam este imposto – mas agora as regras são mais rigorosas e o cidadão é obrigado a dizer.

Mas engana-se quem pensa que só o governo se vale desse dinheiro, as igrejas recebem parte desse valor uma quantia de R$ 578 milhões que pode chegar a R$ 4,7 bilhões segundo estimativas do Ministério das Finanças do Estado da Renânia do Norte-Vestfália.
Mas não basta deixar de frequentar os cultos, quem quer se livrar do imposto precisa pedir o desligamento da igreja após preencher um formulário junto às autoridades e pagar uma taxa ao Estado que pode custar até 32 euros.
Quem se desliga da igreja pode ter pedidos como o de celebração de casamentos e velórios negados e se forem convidados para serem padrinhos de crianças serão impedidos.

As punições para os desigrejados também atinge o campo profissional pois as igrejas, escolas e hospitais possuem o direito de demitir os empregados que não queiram pagar o imposto. Com informações Folha de SP

http://noticias.gospelprime.com.br/alemaes-abandonam-igrejas-dizimo/

segunda-feira, 20 de abril de 2015

Boato diz que Dilma Rousseff aprovou implantação de chip nos brasileiros

A implantação de chips substituindo a identificação dos cidadãos é ligada por alguns religiosos à marca da besta descrita no livro do Apocalipse. Um boato dizendo que a presidente Dilma Rousseff aprovou uma lei obrigando a implantação desses chips tem repercutido nas redes sociais e no WhatsApp.

Muitos sites e blogs resolveram divulgar a informação como sendo verdadeira, afirmando categoricamente que o chip será obrigatório no Brasil.
O vídeo usado para espalhar esta informação é o trecho de uma declaração da presidente a respeito do cadastro único, a implantação de um único documento que unificaria os documentos de identidade como Registro Geral (RG), CPF, Carteira de Trabalho, Título de Eleitor, Carteira Nacional de Habilitação e outros.

Em nenhum momento a presidente fala sobre a implantação de um chip na pele dos cidadãos brasileiros, mas os criadores de teorias da conspiração aproveitaram o tema para fazer polêmica.
O projeto de Dilma Rousseff se chama “Registro de Identidade Civil (RIC)” que será como um cartão magnético com um chip interno (semelhante aos cartões de crédito e débito) onde serão gravadas diversas informações do cidadão como nome completo, sexo, data de nascimento, impressão digital, foto, filiação e outras informações. A ideia do governo é implantar o RIC até 2019.

Com informações E-Farsas
Confira a fala de Dilma Rousseff sobre o RIC:
http://noticias.gospelprime.com.br/dilma-rousseff-chip-marca-da-besta/

segunda-feira, 13 de abril de 2015

Silas Malafaia voltará à Globo. Mas, e a novela Babilônia?



Dias atrás, quando o pastor Silas Malafaia pediu para os evangélicos pararem de bater na novela Babilônia da Globo, aquela que exibiu um beijo lésbico geriátrico, muita gente ficou a indagar o que teria o levado a fazer isto, visto que ele foi um dos primeiros a bater forte na novela, dizendo que a Globo patrocina a “podridão moral”.

Visto que nada ocorre por acaso e normalmente há uma motivação implícita, na ocasião cheguei a comentar em meu blog, o Holofote.Net: “estaria havendo uma espécie de acordo entre o pastor Malafaia e a Globo? É bom lembrarmos que o pastor Silas Malafaia foi o único líder evangélico que conseguiu espaço para anunciar seus produtos nos intervalos comerciais da Globo, quando era transmitido o Festival Promessas em âmbito nacional“.

Parece não ter demorado muito vir a resposta.

A imprensa divulgou hoje que haverá nos próximos dias um embate sobre o tema família, entre Silas Malafaia e Jean Wyllys, no Programa Na Moral, exibido pela Globo e comandado por Pedro Bial, também com a participação de Jô Soares.

E bastou a imprensa divulgar e já gente podendo entender que será uma espécie de ‘debate do século’. Triste isto!

É evidente que o debate poderá ser acalorado e, sem dúvida alguma, servindo para fortalecer Malafaia e Jean Wyllys. Se alguém pensa que a Globo deixará Malafaia triunfar com seus argumentos, apequenando o ex BBB, engana-se. A emissora jamais deixará sua cria sair do debate envergonhada ou vencida.

De um lado teremos Malafaia defendendo a família tradicional e do outro, o ex BBB com suas concepções equivocadas sobre família.

Sobre o tema família, no seio da sociedade as posições são praticamente firmes e claras, entre quem defende a família tradicional e a ‘família homoerótica’. E podemos ter a certeza que após o debate não haverá pessoas migrando de um grupo para outro. A chance disto ocorrer é quase zero. Ou seja, o debate não trará resultados diferentes do que já se sabe: a maioria da sociedade defende a família a partir de um homem e de uma mulher e um pequeno percentual, outras formas de ‘famílias’.

E enquanto isto, o País mergulha cada vez mais em denúncias de corrupção, além de ser afetado por outros problemas graves e a Globo sequer promove debates sobre essas questões também.

É inevitável que ambos debatedores lograrão êxito perante seus nichos. Isto sem contar que a audiência da emissora irá à estratosfera. E o ganho é tudo o que os três querem.

Fato é que a Globo sabe que se Malafaia resolver enfrentá-la, vários outros líderes evangélicos seguirão no mesmo caminho, visto que Silas Malafaia tem enorme poder midiático. E isto pode ter um efeito dominó, arrastando adeptos de outras religiões, simpatizantes de Malafaia. Diante disto, pode ser que eles amarrem Malafaia, concedendo-lhe pequenos espaços, neutralizando, assim, as críticas vorazes.

Pode ser também que Silas Malafaia tenha batido na Babilônia, esperando a Globo chamá-lo para conversar. Se foi isto, sua estratégia deu certo.


Todos nós acabamos por tomar, muitas vezes, decisões equivocadas e precipitadas. Oremos por ele para que se preserve mais em suas atitudes, pois como pessoa pública, acaba ficando mais exposto.


Por Paulo Teixeira
"As opiniões ditas pelos colunistas são de inteira e única responsabilidade dos mesmos, as mesmas não representam a opinião do Gospel+ e demais colaboradores."
http://colunas.gospelmais.com.br/silas-malafaia-voltara-globo-mas-e-novela-babilonia_10830.html

sexta-feira, 10 de abril de 2015

PEC da redução da maioridade penal e o embasamento bíblico




A Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 171/1993 versa sobre a redução da maioridade penal de 18 para 16 anos, o assunto que divide a opinião da população brasileira está em pauta no Congresso.

O texto é de autoria do ex-deputado Benedito Domingos (PP-DF) que usa a Bíblia em alguns pontos para justificar que adolescentes sejam responsabilizados pelos crimes que cometerem.
Uma das citações bíblicas usadas pelo autor é Ezequiel 18.4. “A uma certa altura, no Velho Testamento, o profeta Ezequiel nos dá a perfeita dimensão do que seja a responsabilidade pessoal. Não se cogita sequer de idade: ‘A alma que pecar, essa morrerá’ (Ez. 18). A partir da capacidade de cometer o erro, de violar a lei surge a implicação: pode também receber a admoestação proporcional ao delito – o castigo”, diz trecho da PEC.

A história de Davi também é usada para justificar a importância de penalizar menores infratores.
“Ainda referindo-se a informações bíblicas, Davi, jovem, modesto pastor de ovelhas, acusa um potencial admirável com o seu estro de poeta e cantor dedilhando a sua harpa mas, ao mesmo tempo, responsável suficientemente para atacar o inimigo do seu rebanho. Quando o povo de Deus estava sendo insultado pelo gigante Golias, comparou-o ao urso e ao leão que mata com suas mãos”, afirma o texto.

A terceira citação bíblica fala sobre Salomão. “Salomão, do alto de sua sabedoria, dizia: ‘Ensina a criança no caminho em que deve andar, e ainda quando for velha não se desviará dele'”.
Citações são contestadas por teólogos
As falas bíblicas presentes na PEC – que foi aprovada na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara dos Deputados na semana passada – foi criticada por teólogos religiosos e não-religiosos.
O professor da PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo) Alex Vilas Boas, vê com preocupação esses trechos bíblicos soltos na proposta. “Esse é um assunto extremamente delicado e os trechos da Bíblia não deveriam ser a única justificativa para a aprovação dessa matéria”.

Vilas Boas, que é pós-doutor em Teologia diz também que o problema não é o autor ter usado a Bíblia para justificar a redução da maioridade penal, mas sim a forma como os textos são interpretados.
Outro professor da PUC-SP ouvido pelo UOL foi o padre Denilson Geraldo que também é contra o uso dos trechos bíblicos na PEC. “Quando se tira um texto do seu contexto, o que se cria, na realidade, é um pretexto. E isso é muito perigoso. Não acho que a Bíblia deveria ser utilizada dessa forma para justificar a redução da maioridade penal. Na época em que a Bíblia foi escrita, não havia o entendimento que temos hoje sobre a infância e a adolescência. Não podemos desconsiderar isso”.
Trechos bíblicos não alteram a importância da PEC

Apesar dessa discussão sobre o uso de frases da Bíblia, o deputado federal Marcos Rogério (PDT-RO), relator do voto que baseou a aprovação da admissibilidade da PEC na CCJ da Câmara, diz que o que vale mesmo não é o argumento religioso do texto, mas sim a redução da maioridade penal que é assunto urgente no país.
“A Bíblia me orienta, mas não acho que o que será discutido é a argumentação religiosa. O que será discutido é uma questão que vai além das crenças religiosas”, afirmou.

O pastor Ed René Kivitz, da Igreja Batista da Água Branca, escreveu um texto para o Brasil Post se colocando contra a redução da maioridade penal. “Sou contra a redução da maioridade penal porque não acredito que tal decisão implicará a redução da criminalidade e da violência em nosso País”, diz.

Para ele reduzir a maioridade penal para 16 anos não irá diminuir a violência no país. “Sou contra a redução da maioridade penal porque o sistema carcerário brasileiro e suas penitenciárias são sofisticadas e cruéis escolas de crimes.”
Mas ao contrário dele há outros evangélicos que concordam com boa parte dos brasileiros e lutam para que a PEC seja aprovada. Entre eles o senador Magno Malta que é um dos parlamentares mais envolvidos com essa causa.

Em recente entrevista para a TV Gazeta, o senador afirmou que proteger o errado não é certo. “Todos têm responsabilidade e este é o ponto fundamental na formação do caráter de uma criança. É lei universal, quem faz paga”, disse.

A proposta de Magno Malta é outra: “Meu projeto é criar centros esportivos de alto rendimento para crianças que cometem crimes classificados como hediondos e possam pagar pedagógica, educativa e sempre acompanhado da família. Espero que as autoridades possam refletir da necessidade da redução da maioridade penal e trazer tranquilidades para as famílias”.
http://noticias.gospelprime.com.br/reducao-maioridade-penal-base-biblica/

segunda-feira, 30 de março de 2015

Pai de santo diz que Cunha fez trabalho contra Dilma

Os debates que envolvem temas políticos e religiosos são sempre acalorados, especialmente quando ambos os temas se confundem. Nesta quinta-feira (27) esses temas ganharam proeminência quando um pai de santo, identificado como Pai Uzêda, invadiu o Palácio do Planalto para tentar alertar Dilma sobre Eduardo Cunha, evangélico que preside a Câmara dos Deputados.
Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que trocou a igreja Sara Nossa Terra pela Assembleia de Deus em Madureira, ocupa o segundo cargo na sucessão da presidente Dilma Rousseff, atrás apenas do vice-presidente da República, e é considerado um rebelde na bancada governista.
O pai de santo Uzêda invadiu o Planalto tentando entregar uma carta para a presidente Dilma Rousseff, informando que o conteúdo era para orientá-la a se proteger de alguns políticos, principalmente do peemedebista, que segundo Pai Uzêda seria a própria besta, cujo objetivo é destituir Dilma do cargo.
“O Eduardo Cunha é a besta. O trabalho dele é destituir a Dilma. Ele é um pai de santo de mão cheia, ele entende do canjerê. Basta olhar para a sua aura (…). Se deixar, ele vai ser o presidente do Brasil. Ele é protegido pelo povo de rua, ele tem o poder sobre o mal”, disse o pai de santo.

O pai de santo teria conseguido acesso ao prédio com autorização de uma funcionária da Secretaria de Relações Institucionais e chegou a subir ao quarto andar, onde permaneceu por meia hora, até ser retirado por seguranças.
O gabinete da presidente Dilma Rousseff fica no terceiro andar e o quarto andar é ocupado pelos ministros da Casa Civil, Relações Institucionais e Secretaria Geral. O religioso teria procurado a presidente por “questão de ética e amor”.
Na carta, ele diz ter identificado três trabalhos contra a saúde de Dilma, sete contra ministros e duas macumbas com caveira de burro em frente ao Palácio da Alvorada. O curioso é que ele atribuiu a maior parte destes trabalhos ao evangélico que ocupa a presidência da Câmara.

“Ela está desprotegida, mas ainda está em tempo de se recuperar. Sou fã dela, mas ela precisa ser mais humilde. A mosca azul mordeu ela. Ela mexeu nos direitos dos trabalhadores. Ela não pode desfazer o que Lula, seu mentor, fez antes”, disse. Ele explicou que ser mordida pela mosca azul significa que “Dilma não se importa mais com o povo”.

http://noticias.gospelprime.com.br/pai-de-santo-cunha-trabalho-dilma/

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

“Área VIP” 7º Congresso Fogo de Avivamento para o Brasil? “Acepção de pessoas”....R$1.000,00



Para participar do 7º. Congresso Fogo de Avivamento para o Brasil, o fiel tem duas opções: área comum, levando 1 kg de alimento não perecível, ou “área vip”, no valor de R$ 1.000,00. Na tal área vip, o fiel se acomodará mais confortavelmente e ainda receberá uma “ministração especial” da grande estrela do evento, o pr. Benny Hinn.

Tudo isso é muito lindo e muito justo, em se tratando de um evento qualquer. Mas levando-se em conta que é um evento patrocinado por uma igreja dita evangélica, ou seja, cristã, será que a existência de uma área vip é justificada biblicamente?

“Todavia, se cumprirdes, conforme a Escritura, a lei real: Amarás a teu próximo como a ti mesmo, bem fazeis. Mas, se fazeis acepção de pessoas, cometeis pecado, e sois redargüidos pela lei como transgressores. Porque qualquer que guardar toda a lei, e tropeçar em um só ponto, tornou-se culpado de todos.” – Tiago 2:8-10

Infelizmente, a regra em muitas igrejas é a acepção de pessoas. Distingue-se primeiro pelo vestuário: deve-se estar vestido adequadamente, seja com trajes sociais em umas, seja com jeans rasgado e tatuagens em outras. Quem se veste fora do padrão da comunidade costuma ser malvisto, e até retratado como desviado ou como alguém que precisa de conversão.

“E disse aos juízes: Vede o que fazeis; porque não julgais da parte do homem, senão da parte do Senhor, e ele está convosco quando julgardes. Agora, pois, seja o temor do Senhor convosco; guardai-o, e fazei-o; porque não há no Senhor nosso Deus iniquidade nem acepção de pessoas, nem aceitação de suborno.” – 2 Crônicas 19:6-7

Só os crentes vip tem...
Só os crentes vip tem…
Outra forma bastante difundida nas igrejas de acepção de pessoas é a decorrente do padrão social-financeiro. Quem dá grandes dízimos é logo convidado a participar mais proximamente da administração da instituição, ou é “ungido” para algum cargo eclesiástico. Já os menores dizimistas conseguem, quando muito, trabalhar na portaria ou na limpeza do templo, mesmo que sejam vocacionados por Deus para outras funções dentro do Corpo.

“Circuncidai, pois, o prepúcio do vosso coração, e não mais endureçais a vossa cerviz. Pois o SENHOR vosso Deus é o Deus dos deuses, e o Senhor dos senhores, o Deus grande, poderoso e terrível, que não faz acepção de pessoas, nem aceita recompensas; Que faz justiça ao órfão e à viúva, e ama o estrangeiro, dando-lhe pão e roupa. Por isso amareis o estrangeiro, pois fostes estrangeiros na terra do Egito.” – Deuteronômio 10:16-19

As igrejas deveriam ser os últimos lugares a ocorrer acepção de pessoas, pois elas dizem seguir a Cristo, Aquele que amava a todos, não importando o nível social e os pecados que carregamos.

Porém, em cima de muitos púlpitos vê-se claramente a acepção de pessoas. A liderança do louvor sempre cabe à mulher ou ao filho do pastor-titular. Não importa que haja membros com muito mais talento, na capa do cd da banda da igreja estarão o pastor e sua esposa. E nas primeiras fileiras também estarão os principais da igreja e suas famílias.

Há famílias que sempre serão visitadas pelo pastor-titular, e há as famílias que nunca ou quase nunca serão visitadas pelos pastores-auxiliares. A diferença entre elas? O valor do dízimo e das ofertas.

“Então falou Jesus à multidão, e aos seus discípulos, Dizendo: Na cadeira de Moisés estão assentados os escribas e fariseus.
Todas as coisas, pois, que vos disserem que observeis, observai-as e fazei-as; mas não procedais em conformidade com as suas obras, porque dizem e não fazem;
Pois atam fardos pesados e difíceis de suportar, e os põem aos ombros dos homens; eles, porém, nem com seu dedo querem movê-los;
E fazem todas as obras a fim de serem vistos pelos homens; pois trazem largos filactérios, e alargam as franjas das suas vestes,
E amam os primeiros lugares nas ceias e as primeiras cadeiras nas sinagogas,
E as saudações nas praças, e o serem chamados pelos homens; Rabi, Rabi.
Vós, porém, não queirais ser chamados Rabi, porque um só é o vosso Mestre, a saber, o Cristo, e todos vós sois irmãos.
E a ninguém na terra chameis vosso pai, porque um só é o vosso Pai, o qual está nos céus.
Nem vos chameis mestres, porque um só é o vosso Mestre, que é o Cristo.
O maior dentre vós será vosso servo.
E o que a si mesmo se exaltar será humilhado; e o que a si mesmo se humilhar será exaltado.” – Mateus 23:1-12

areavip2Quando vemos que há uma “área vip” no 7o. Congresso Fogo de Avivamento para o Brasil isso pouco escandaliza, pois é algo que infelizmente está enraizado na cultura de muitas igrejas pentecostais e neopentecostais, principalmente nas seguidoras da doutrina da Teologia da Prosperidade, e também em muitas igrejas históricas.

A verdade é que rico não gosta de ficar junto de pobre. Como, em tese, as igrejas são espaços nos quais qualquer um pode entrar, alguma coisa tem que ser feita para evitar o contato com pessoas indesejadas. Assim, cria-se uma “área vip”, onde só entra quem tiver um bom poder aquisitivo (afinal, R$ 1.000,00 por cabeça não é pouco). Ao se vender essa vantagem, satisfaz-se o público que as igrejas mais adoram (o dos altos dízimos e ofertas), fideliza-se esse povo endinheirado e mantém-se a arrecadação em alta e com boas perspectivas de crescimento. Não fosse pela área vip, muitos desses nem iriam a esse evento, afinal é grandemente desconfortável ter que encarar uma gigantesca fila na entrada e o contato direto com corpos suados e pessoas de outro nível social e cultural.

Esse é o cristianismo que certas igrejas têm vendido ao seu povo. Mas esse não é o cristianismo do Nosso Senhor Jesus Cristo.

“E, indo, pregai, dizendo: É chegado o reino dos céus. Curai os enfermos, limpai os leprosos, ressuscitai os mortos, expulsai os demônios; de graça recebestes, de graça dai.” – Mateus 10:7-8

Há mais um agravante nessa história de “área vip” do tal congresso dito cristão. Os clientes vip, aqueles que desembolsarem R$ 1.000,00 para ter acesso a uma área reservada do grande público, ainda terão como bônus uma “ministração especial” do pr. Benny Hinn.

Mas o grande público não receberá essa tal ministração especial.

Assim, usando de um raciocínio lógico bastante rasteiro, o que se conclui? Que o Benny Hinn venderá ministrações especiais!

O óleo é barato. Acrescente "jeova jireh" no nome e o negócio dobra de preço no mercado eclesiástico gospel.
O óleo é barato. Acrescente “jeova jireh” no nome e o filme numa viagem a Israel e o negócio dobra de preço no mercado eclesiástico gospel.
Infelizmente, isso também não é novidade em muitas igrejas ditas evangélicas e em muitos eventos gospel. Cobra-se para pregar e cobra-se para louvar. Cobra-se inclusive para curar, pois há quem venda óleos, sabonetes ungidos e toda a espécie de quinquilharia dita com poder sobrenatural em nome de Deus.

No cristianismo real, verdadeiro, puro, simples, vemos Jesus e seus discípulos falando e agindo em nome de Deus de forma totalmente gratuita. Afinal, não se pode vender aquilo que não nos pertence, embora os estelionatários da fé atuem na venda do que pertence a Deus.

Ao se recusar a ministrar de forma especial o grande público não-pagante, Benny Hinn e seus comparsas estão não apenas fazendo acepção de pessoas, mas fazendo claro comércio das coisas de Deus. Isso é ANÁTEMA.

“E começaram a perguntar entre si qual deles seria o que havia de fazer isto.
E houve também entre eles contenda, sobre qual deles parecia ser o maior.
E ele lhes disse: Os reis dos gentios dominam sobre eles, e os que têm autoridade sobre eles são chamados benfeitores.
Mas não sereis vós assim; antes o maior entre vós seja como o menor; e quem governa como quem serve.
Pois qual é maior: quem está à mesa, ou quem serve? Porventura não é quem está à mesa? Eu, porém, entre vós sou como aquele que serve.
E vós sois os que tendes permanecido comigo nas minhas tentações.” – Lucas 22:23-28

Cristão sírio passando o carnaval gospel na Área Vip.
Cristão sírio passando o carnaval gospel na Área Vip.
Na lógica do mundo cabe muito bem a existência de áreas vip, “de quem está à mesa”, de diferenciação entre os que detém o poder e os que não o detém.

A lógica do Evangelho, ao contrário, prevê que sirvamos uns aos outros, que não haja diferenciações entre as pessoas, que todos somos igualmente irmãos em Cristo.

Apenas as igrejas verdadeiramente cristãs ensinam isso. Pena que essas sejam tão raras atualmente.



Voltemos ao Evangelho puro e simples,
O $how tem que parar!

https://estrangeira.wordpress.com/2015/02/07/o-que-dizer-da-area-vip-no-7o-congresso-fogo-de-avivamento-para-o-brasil/

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Pregador faz a “oração do WhatsApp” por celulares de fiéis...


Cansado de receber notícia ruim pelo celular? Que tal conhecer a oração do zap zap? Foi com este nome que um vídeo publicado no Facebook atingiu a marca de mais de um milhão de visualizações.
Quem aparece orando por aparelhos celulares é o pregador Daniel Glória que pede aos fiéis que tragam os aparelhos e os deixem em uma mesa para receber a oração.
“Vamos orar para o seu celular só receber notícia de vitória”, diz ele incentivando os membros da pequena igreja – provavelmente de Belford Roxo (RJ) onde o religioso reside – a entrarem nessa corrente de oração.
“A notícia que vai vir pelo celular vai ser uma notícia doce”, afirma ele antes de iniciar a oração que repreende toda “notícia contrária” e “notícia ruim”.
A oração se tornou um viral pela forma como a oração termina: “Eu decreto que a vitória chegará no seu celular no zap, zap, zap”, disse Daniel Glória citando o aplicativo de mensagens instantânea WhatsApp.
Pela rede social os internautas tomavam posse da benção de receber notícias boas, enquanto outros gargalhavam da criatividade do religioso. Porém um grupo de críticos foi contra a pregação e falou até contra quem aceitava esse tipo de ensinamento.

Fonte: Gospelprime

Assista o video
http://noticias.gospelprime.com.br/pregador-oracao-whatsapp-fieis/

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails