"Interrogado pelos fariseus sobre quando viria o reino de Deus, Jesus lhes respondeu: Não vem o reino de Deus com visível aparência. Nem dirão: Ei-lo aqui! Ou: Lá está! porque o reino de Deus está dentro em vós." (Lucas 17: 20-21).

sábado, 28 de abril de 2012

Reflexão Sabado



"...pois o Reino dos céus está próximo”.
-- Mateus 4:17b


O povo de Deus nos dias de Jesus aguardava seu Rei. Enviado por
Deus, o prometido Messias deveria expulsar o governo Romano e
libertar Israel. Era isso que o povo esperava.

Mas, o verdadeiro plano de Deus era outro. Deus enviou seu Rei, mas, seu reino não
era dessa terra. Este Reino veio do céu, não para se instalar em
castelos e por meio de exércitos, mas, em corações e por meio de um
relacionamento redentor com o Filho de Deus. Jesus afirmou em outro
lugar que "o reino de Deus está dentro de vós" (Lc 17:21 ARA).

Como Cranfield observou no seu comentário sobre Marcos "O Reino de Deus
chegou perto dos homens na pessoa de Jesus, e na pessoa dEle o
Reino os confronta." Podemos ver o Reino chegando ainda hoje à
medida em que deixarmos Jesus reinar em nossos corações e que nós
nos aproximemos dEle.

Quão perto está o Reino dos céus em sua vida?
Deus deixou esta decisão para você.

Clínica Pastoral realiza curso para promover voluntariado




Em Jaraguá do Sul, fazer o bem, sem olhar a quem. Essa é a intenção do Curso de Capacitação Cristã para Voluntários em Assistência Espiritual, Hospitalar e Domiciliar, que será promovido pela Clínica Pastoral do Hospital e Maternidade Jaraguá, a partir do dia 3 de maio.


Segundo o capelão hospitalar da unidade, pastor Ivanildo Laube, o objetivo é formar voluntários para realizar visitas, trabalhando com a humanização e recuperação dos pacientes. “As aulas irão abranger conteúdos práticos e teóricos, e qualquer pessoa pode participar, independente de crença, já que iremos trabalhar o pluralismo religioso”, afirma.


Em parceria com a Comunidade Evangélica Luterana, a capacitação está com inscrições abertas até a próxima segunda-feira, dia 30. As aulas serão realizadas na sala de treinamento do hospital, localizada no setor administrativo. Os encontros acontecerão todas as quintas-feiras, às 14h, e o curso se estende até o mês de setembro.


Conforme publicado no Correio do Povo, o custo é de R$ 25 por mês, incluindo despesas com materiais. Os interessados podem ligar para o Hospital e Maternidade Jaraguá no telefone (47) 3274-3000 ou entrar em contato com o pastor Ivanildo, no celular (47) 9152- 9946. As inscrições são gratuitas e também podem ser feitas na secretaria da Comunidade Luterana do Centro de Jaraguá do Sul, pelo telefone (47) 3371-7226. Há apenas 20 vagas disponíveis.


“Convidamos todos que desejam fazer bem ao próximo para o curso. O voluntariado é uma atividade especial, assim que fazemos pela primeira vez nos apaixonamos e queremos fazer cada vez mais”, diz Laube.

http://www.guiame.com.br

O Melhor Ginecologista



Uma mulher chega apavorada no consultório de seu ginecologista e diz:
- Doutor, o senhor terá que me ajudar num problema muito sério.. Este meu bebê ainda não completou um ano e já estou grávida novamente. Não quero filhos em tão curto espaço de tempo, mas num espaço grande entre um e outro...

O médico então perguntou:
- Muito bem. O que a senhora quer que eu faça?

A mulher respondeu:
- Desejo interromper esta gravidez e conto com a sua ajuda.

O médico então pensou um pouco e depois de algum tempo em silêncio disse para a mulher:
- Acho que tenho um método melhor para solucionar o problema. E é menos perigoso para a senhora.

A mulher sorriu, acreditando que o médico aceitaria seu pedido.
Ele então completou:

- Veja bem minha senhora, para não ter que ficar com dois bebês de uma vez, em tão curto espaço de tempo, vamos matar este que está em seus braços. Assim , a senhora poderá descansar para ter o outro, terá um período de descanso até o outro nascer. Se vamos matar, não há diferença entre um e outro. Até porque sacrificar este que a senhora tem nos braços é mais fácil, pois a senhora não correrá nenhum risco...

A mulher apavorou-se e disse:
- Não doutor! Que horror! Matar um criança é um crime.

- Também acho minha senhora, mas me pareceu tão convencida disso,que por um momento pensei em ajudá-la.

O médico sorriu e, depois de algumas considerações, viu que a sua lição surtira efeito. Convenceu a mãe que não há a menor diferença entre matar a criança que nasceu e matar uma ainda por nascer, mas já viva no seio materno.

O CRIME é EXATAMENTE O MESMO!!!!!

Você sabe desde quando Deus te ama?

DESDE O VENTRE DA TUA MÃE!

Jeremias 1:5

A DOUTRINA DA PROSPERIDADE E O EVANGELHO CHINÊS



á milhares de testemunhos de cristãos chineses que pagaram um preço elevado por sua fé. Gostaria de compartilhar um deles aqui.

A Irmã Yuen Meng'en era de uma das famílias mais ricas de Xangai. Foi presa em 1967. Era viúva e tinha dois filhos; um menino de onze anos e uma garota de nove. Passou um ano na cadeia, e o DSP resolveu ter"compaixão" dela. O diretor da prisão declarou:

"Sua conduta durante este ano foi excelente, de modo que você merece uma recompensa. Basta confessar seus crimes por escrito e permitiremos que vá para sua casa, cuidar de seus filhos. Com certeza o seu Deus quer que você cuide de sua própria carne e sangue, não é mesmo?"

As autoridades levaram os filhos dela para visitá-la na prisão. Assim que a Irmã Yuen os viu, lágrimas de amor jorraram de seus olhos e ela sentiu o coração partido.

"O que você prefere: seu Jesus ou seus filhos? Se escolher Jesus, fica na prisão. Se escolher os filhos, vai para casa", disseram-lhe.

Deram-lhe caneta e papel e pediram que escrevesse sua decisão.

Quando leram o que ela havia escrito, ficaram espantados, pois ela havia declarado, em letras garrafais:

"Ninguém pode tomar o lugar de Jesus. Nem meus filhos podem ficar no lugar dele."
A Irmã Yuen escolheu ficar presa. O diretor da prisão gritou:

"Ouçam, crianças! Sua mãe rejeitou vocês! Ela não os ama!"

Condenaram-na a mais 23 anos de prisão.

Foi solta em 1981. O filho dela tinha 34 anos e trabalhava para o governo no Tibet. A Irmã Yuen não viu os filhos nem uma vez em todos esses anos. O Estado levou o garoto e ele foi criado em escolas ateístas. Disseram-lhe que sua mãe o havia renegado. Muitos cristãos o visitaram e compartilharam o evangelho, mas ele sempre respondia:

"O Jesus de vocês tirou minha mãe de mim. Por que eu deveria acreditar nele?"

A Irmã Yuen viajou até o Tibet para encontrar o filho. Ele a rejeitou, gritou que não tinha mãe e a expulsou de sua casa.

Ela nunca mais o viu.

O caminho para seguir o Senhor Jesus Cristo não é fácil. Enquanto prosseguimos, sofrimento e dificuldades nos esperam; mas nada se compara ao que Jesus suportou por nós na cruz.

Acho difícil aceitar o ensinamento dominante da "prosperidade", que afirma que, se seguirmos o Senhor, viveremos em conforto e segurança. A Bíblia e nossa experiência na China mostram que isso não é verdade. Além de cumprir pena na prisão durante vários anos, fui detido cerca de trinta vezes por amor ao evangelho de Jesus Cristo.

Seguir a Deus é um chamado para não apenas viver por ele, mas também para morrer por ele. "Se vivemos, para o Senhor vivemos; se morremos, para o Senhor morremos. Quer, pois, vivamos ou morramos, somos do Senhor." (Rm 14.8.)

Irmão Yun
do livro: O homem do céu Fonte: Blog Evangelho de Jesus Cristo

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Reflexão Sexta feira



Quando Jesus ouviu que João tinha sido preso, voltou para a
Galiléia. Saindo de Nazaré, foi viver em Cafarnaum, que ficava
junto ao mar, na região de Zebulom e Naftali, para cumprir o que
fora dito pelo profeta Isaías: “Terra de Zebulom e terra de
Naftali, caminho do mar, além do Jordão, Galiléia dos gentios; o
povo que vivia nas trevas viu uma grande luz; sobre os que viviam
na terra da sombra da morte raiou uma luz”. Daí em diante Jesus
começou a pregar: “Arrependam-se…”Mateus 4:12-17a



Para Mateus, o cobrador de impostos, Cafarnaum era uma cidade
especial, pois foi lá que Jesus o chamou (Mc 2:1,14). Como será que
Mateus sentiu quando lembrou daqueles dias? Será que para Mateus a
profecia sobre a luz chegando na região das trevas tinha um
significado especial? Você lembra quando a luz da compreensão do
Evangelho raiou no seu coração? Onde você estava? Tem um momento
igualmente marcante esperando na vida de alguém que você conhece.
Jesus quer lhe usar para iluminar a vida dessa pessoa. Pode ser a
pessoa menos provável que você conhece, um cobrador de impostos num
canto esquecido da vida. Quem seria? Jesus vai lhe mostrar se você
pedir. Peça a ele. No resumo da pregação de Jesus, a primeira
palavra fala de mudança - "arrependam-se". Mas, não é só mudança de
deixar de fumar, beber ou mentir. É mudança para começar uma nova
vida andando nos passos de Jesus. O ponto não é regras, leis ou
doutrinas. Há tempo para essas coisas. O importante para começar é
a pessoa. É Jesus. Qualquer um pode seguir os passos de uma pessoa.
Direcione seu “Mateus” para Jesus. E deixe Jesus fazer o resto.

Após recém-nascido falecer em hospital, médica cristã ora e o bebê ressuscita



Um recém-nascido que foi levado ao hospital em estado crítico, não suportou os efeitos da desidratação, desnutrição e septicemia e faleceu. Porém, a médica responsável pelo atendimento era cristã, fez uma oração e a criança reviveu.

A doutora Marta Martínez concedeu uma entrevista ao Christian News Today relatando sua experiência: “Eu vivi este milagre alguns anos atrás, enquanto estava trabalhando em um hospital numa cidade pequena, longe da capital”, disse a médica uruguaia.

Ela conta que chegou a desistir de tentar fazer algo pela criança, devido ao seu estado e às condições sociais da família.

“Era um bebê com cerca de um mês de idade e sua mãe era uma adolescente muito pobre. O bebê chegou ao hospital em estado crítico, com desidratação, desnutrição e septicemia. Não parecia que podíamos fazer algo para mudar o quadro. Ele morreu pouco tempo depois. Eu estava observando-o no momento da morte, e pensei: ‘É melhor para ele morrer, porque no meio ambiente que vive e esse tipo de família, ele não teria qualquer chance de sucesso. Toda a sua vida seria um ‘Calvário’, com falta de esperança e sem oportunidades”, relata a médica.

A Dra. Martínez porém afirmou que sentiu um desejo repentino de orar pela criança: “Senti Deus falando comigo: ‘Ele tem o direito de viver’. Imediatamente, coloquei minha mão sobre o menino, comecei a orar e agradecer a Deus por aquela vida. Ele foi ressuscitado. Voltou a viver! Foi um milagre incrível”.

Após a ressurreição, a criança foi transferida pra um hospital com mais recursos, onde foi submetido a tratamento intensivo. A médica relata que meses após, precisou ir ao hospital onde a criança havia sido internada, e teve foi surpreendida pela enfermeira chefe, que contou que a criança havia melhorado.

“Quando o vi, fiquei surpresa ao ver que ele era um bebê muito grande e saudável. Deus me permitiu ver o milagre completo. Eu vi também outras curas. Acredito na cura divina, porque, em primeiro lugar, está escrito na Bíblia, e segundo porque vi outros curados de uma maneira milagrosa. Também tive experiências em meu próprio corpo”, testemunha a Dra. Martínez.

Maria Martínez acredita que a fé na cura divina não pode ser deixada de lado: “Não apenas os médicos cristãos, mas todos os cristãos devem acreditar na cura divina. Isso está escrito na Bíblia e também foi uma parte muito importante do ministério de Jesus na terra”.

Atualmente a Dra. Martínez está na cidade de Nairobi, no Quênia, onde participará nos dias 25 e 26 /05 da Conferência Anual da Rede de Médicos Cristãos (WCDN), organização interdenominacional que reúne profissionais da área de saúde em todo o mundo.

Fonte: Gospel+

Quem é Jesus?



"Mas vós, continuou ele, quem dizeis que eu sou?" (Mateus 16:15 ARA)

Vivemos dias difíceis, no qual a impressão que as pessoas têm de Deus, do Reino e da igreja está nublada. Há escândalos, problemas e situações acontecendo e, embora eu considere isso relativamente normal para o tempo em que vivemos, não nos isenta de ser claros. Corrobora essa impressão algumas estatísticas dando conta de que tem mais evangélicos fora da igreja do que dentro.

Para mim o ponto central é "quem Jesus é para mim?", que responde a pergunta do versículo acima. Vou dizer o que Ele é para mim. Se O tenho por amigo, vou dizer que é um amigo. Se é meu Salvador, direi que Ele é O Salvador. Se Ele é meu dono e Senhor, direi isso Dele. Mas é necessário que Ele seja algo na minha vida, do contrário terei apenas respostas teóricas, filosóficas e nada conclusivas - um personagem histórico, um profeta do Oriente Médio, o fundador do cristianismo, etc.

Jesus é o Filho do Deus Vivo, a encarnação de Deus em forma humana, o enviado do Pai a este mundo perdido. Esta foi a resposta de Pedro e é a melhor resposta. Isso Ele é para mim, sem dúvida alguma. Posso dizer que Ele é meu Mestre, meu Senhor, meu Dono, meu Redentor, meu melhor amigo - minha vida comprova isso, todos os que conviverem um pouco comigo verão que Ele é o centro de tudo que penso e faço.

E quanto a você? Já parou para analisar se Jesus não foi colocado em sua vida apenas como o "cara do Natal" ou "o homem da cruz"? Talvez depois de anos frequentando igreja nem se pergunte mais o que Ele representa hoje para você. Talvez por nunca ter frequentado ou se firmado em uma igreja você não tenha nada a dizer. Eu não sei, mas Ele sabe.

Tenho total certeza e convicção de que, se cada um de nós avaliar, terá algo a dizer. A resposta revelará o que temos no coração. Aí será o momento exato de tomar uma atitude: ajustar-se ao lado Dele ou correr Dele de vez. Cada um, obviamente, arcando com o ônus e o bônus de sua decisão.

ichtus.com.br

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Reflexão Quinta-Feira



“Quando vocês ficarem irados, não pequem”. Apazigüem a sua ira
antes que o sol se ponha”.Efésios 4:26-27



Ira reprimida é uma explosão esperando para acontecer. Mais cedo
ou mais tarde, a frustração reprimida explodirá, ou na nossa
própria vida ou na vida de outra pessoa. Jesus nos ensinou a
perdoar e a reconciliar (Mateus 18). Devemos lidar com a ira.
Senão, o diabo a usará para nos maltratar, como também a outros nas
nossas vidas. Não dê espaço para ele entrar na sua vida. Se você
der um centímetro, ele tomará um quilômetro!

"Nós ainda adoramos a ídolos como dinheiro, poder e posses”, afirma Billy Graham



“Nós ainda adoramos a ídolos como dinheiro, poder e posses”, afirma Billy Graham
Segundo uma pesquisa divulgada este ano, o evangelista Billy Graham é considerado um dos homens mais admirados dos Estados Unidos. Por causa dos problemas de saúde, aos 92 anos ele não faz mais as cruzadas evangelísticas que o tornaram mundialmente famoso. Entregou a direção do seu ministério ao filho, Franklin Graham, e há algum tempo a Associação Billy Graham adotou a internet como seu instrumento principal de proclamação do evangelho.

Porém, Billy continua ativo na obra e tem vários artigos reproduzidos em diferentes jornais dos Estados Unidos. Em uma coluna do jornal Chicago Tribune esta semana, ele respondeu a um leitor sobre o que pensa sobre a chamada “teologia da prosperidade” que é o foco central de muitas igrejas. Sua resposta foi:

Não podemos nos curvar aos ídolos feitos de pedra ou de metal, como as pessoas faziam antigamente (e algumas ainda fazem em diferentes partes do mundo). Mas isso não significa que nós [evangélicos] não temos nossos próprios “ídolos” hoje. Ou seja, temo que ainda servimos a coisas com a mesma devoção que eles tinham.

Tomemos, por exemplo, a nossa preocupação com o dinheiro e bens materiais. Isso não é necessariamente errado, é claro, pois precisamos deles para cuidar dos nossos entes queridos e termos uma vida confortável. Mas ambos podem facilmente tornar-se “ídolos” que seguimos servilmente e deixamos de lado as coisas mais importantes em nossas vidas. Em vez de servir a Deus, servimos ao dinheiro e às coisas – e elas acabam nos controlando. Lembre que Jesus advertiu: “Ninguém pode servir a dois senhores …. Vocês não podem servir a Deus e ao Dinheiro” (Mateus 6:24).

Tenho certeza que você pode pensar em várias coisas que se tornaram ídolos para nós. Por exemplo, o prazer, o sexo, o entretenimento, o prestígio social, a beleza ou o poder. Contudo, a verdadeira questão é esta: A que “ídolos” servimos? O que temos colocado em nossa vida no lugar que pertence somente a Deus? A Bíblia diz: “Filhinhos, guardai-vos dos ídolos” (1 João 5:21).

Certifique-se de seu compromisso com Jesus Cristo, e procure segui-Lo todos os dias. Não se deixe influenciar pelos falsos valores e objetivos deste mundo, mas coloque Cristo e Sua vontade em primeiro lugar em tudo que você faz.


Traduzido e adaptado de Chicago Tribune

Fonte: Gospel prime

Bruxa exige que livro de feitiços seja distribuído em escolas públicas



Uma autointitulada “pagã” e seguidora da Wicca, um tipo de bruxaria, está questionando se não tem o mesmo direito que os Gideões em distribuir seu “livro sagrado”. Seu pedido tem feito a Secretaria de Educação da Carolina do Sul reavaliar suas políticas sobre liberdade de culto.

Ginger Strivelli, que pratica bruxaria afirmou ter ficado chocada quando sua filha de 12 anos voltou para casa trazendo uma Bíblia que ganhou na escola de ensino médio North Windy Ridge. Os Gideões Internacionais haviam entregado várias caixas de livros sagrados na secretaria da escola. Todos os estudantes interessados podiam levar um exemplar para casa.

De acordo com Strivelli, ela questionou que as escolas não deveriam distribuir materiais de uma religião e não de outras. Ele teria respondido que a escola disponibilizaria da mesma forma textos religiosos doados por qualquer grupo. Porém, quando Strivelli apareceu na escola levando livros de feitiços da Wicca, disse que foi mandada embora. Por isso decidiu protestar.

A história ganhou espaço na mídia e os funcionários da administração do Condado onde fica a escola emitiu uma nota oficial. “No momento estamos revisando políticas sobre essa prática com os advogados do conselho escolar. Durante este período, nenhuma escola no sistema estará aceitando doações de materiais que defendam uma determinada religião ou crença”. O conselho escolar deve anunciar sua decisão sobre a questão dia 2 de fevereiro.

“Você deve abrir as escolas públicas para todo tipo de material religioso, ou você pode proibir todo tipo de material religioso”, explica Michael Broyde, professor e pesquisador no Centro para o Estudo do Direito e Religião da Emory University. ”Você não pode dizer: ‘Vamos distribuir material religioso, mas apenas de uma fé em particular”.

Embora possa parecer um problema apenas nos Estados Unidos, o fato é que esse tipo de discussão ocorre em todo o mundo e já causou grandes problemas como na Alemanha e Irlanda, enfatiza Broyde.

Tradicionalmente, os ensinamentos predominantes nas escolas seguem a tradição judaico-cristã dos países ocidentais, com seus feriados religiosos e celebrações como Páscoa e Natal que afetam cristãos e não cristãos.

Bobby Honeycutt defende “Nosso país foi fundado sobre os princípios judaico-cristãos, não nos princípios da Wicca. Além disso, nossas crianças têm acesso a mais material não-cristão nas bibliotecas e on-line do que a coisas cristãs”, disse ele.

Enquanto a maioria dos pais cristãos que tem filhos na escola North Windy Ridge acreditam que os eventos recentes são uma ameaça à tradição, outros defendem a separação entre Igreja e Estado em escolas públicas.

“Muitos cristãos têm dito que concordam comigo”, disse Strivelli. ”Porque, entendem que não gostariam de ver na porta da escola as Testemunhas de Jeová distribuindo suas revistas ou católicos entrando ali distribuindo Rosários. Do mesmo modo eu não gostei de saber que distribuíram Bíblias”
Traduzido e adaptado de Fox News


Fonte: http://noticias.gospelprime.com.br/bruxa-exige-que-livro-de-feiticos-seja-distribuido-em-escolas-publicas/#ixzz1t8qdRQdR

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Reflexão Quarta-Feira



Depois, o Diabo o levou a um monte muito alto e mostrou-lhe
todos os reinos do mundo e o seu esplendor. E lhe disse: “Tudo isto
te darei, se te prostrares e me adorares”. Jesus lhe disse:
“Retire-se, Satanás!”… Então o Diabo o deixou, e anjos vieram e o
serviram. Mateus 4:8-10a, 11



Como é que o Diabo pensou que iria tentar o filho de Deus com
poder? Não é absurdo? Nada mais absurdo do que tentar um pastor com
autoridade, uma irmã de voz angelical com fama, ou um marido fiel
com a cobiça que ele nunca imaginou sentir.

Às vezes o Cristão pensa que é imune a certas tentações. É justamente aí que mora o
perigo. Você nunca esteve mais perto da queda do que quando você se acha mais firme na sua fé (1 Cor 10:12). É um erro fatal continuar numa situação em que estamos sendo tentados.

O próprio Filho de Deus pôs um fim a seu diálogo com o tentador. Era necessário que
Jesus fosse tentado, para que soubéssemos que ele pode compadecer-se das nossas fraquezas (Heb 2:18; 4:15).

Mas, ele soube dar um basta na tentação e não permitiu que continuasse. Deus nos
promete livramento nas tentações (1 Cor 10:13), mas não se ficamos
brincando com o tentador.

Você demora para terminar aquela conversa picante? Tem dificuldade para resistir àquela espiadela na Internet? Você fica retornando àquele local, aquele grupo ou aquela
situação onde sabe que o pecado mora? O que você espera que vai acontecer? Seja como Jesus - dê um basta no tentador e mande ele embora (Tiago 4:7).

Se Jesus precisava fazer isso, imagine nós!

Conheça o caso da Família que matavam, comiam, e recheavam salgados com a carne das vítimas


Uma criança que morava com o casal era obrigada a comer carne humana. Veja em que mundo estamos inseridos…
Eles são membros de uma seita pouco conhecida chamado Cartel estão espalhados pelo mundo.
Ao ser preso, Jorge Beltrão explicou que os três seriam apenas uma célula da seita e que haveria outras no Brasil.


Os membros de uma seita pouco conhecida chamado Cartel estão espalhados pelo mundo. Eles se dizem anticapitalistas e antissemitas, e combatem a procriação, desejando diminuir a quantidade de pessoas no mundo. Por isso, fazem rituais sacrificando mulheres que tinham “úteros malditos” por terem gerado mais de um filho.

Três membros dessa seita foram presos esta semana em Garanhuns, Pernambuco.A Polícia Civil de Pernambuco confirmou, nessa quinta-feira (12), mais uma informação que impressiona pelos requintes de crueldade utilizados pelos acusados Jorge Negromonte, 50 anos, Isabel Cristina, 51, e Bruna Cristina de Oliveira, 25, para matar, esquartejar e enterrar duas mulheres, no quintal de casa, em Garanhuns, no Agreste Meridional de Pernambuco.

Segundo o delegado Wesley Fernando, que está à frente do caso, durante o depoimento de Isabel Cristina, ela confessou que parte dos salgados – coxinhas, risoles, empadas, entre outros – que ela fazia para vender na cidades eram recheados com a carne das vítimas. “Depois que eles esquartejavam, a carne era congelada, desfiada e também utilizada para alimentar a família, inclusive dando partes dos corpos para a criança que morava com o trio.

Além disso, segundo Isabel, a parte preferida era o coração das vítimas. Mas nada sobrava. Eles também usavam o fígado e os músculos das pernas que eram fervidos e ingeridos, numa espécie de ritual macabro”, explicou o delegado. A polícia acredita que esse mesmo ritual foi feito também com outras vítimas.

Ao ser preso, Jorge Beltrão explicou que os três seriam apenas uma célula da seita e que haveria outras no Brasil. Também explicou que os crimes eram praticados apenas por ele e Bruna, pois Isabel seria muito nervosa e “atrapalhava os rituais”. Para a seita, a criança é tida como uma “entidade de pureza e inocência”.

Até essa quinta, acreditava-se que o nome de Bruna Cristina, amante de Jorge há sete anos, era Jéssica Camila da Silva, de 22 anos. Mas essa pode ter sido a primeira vítima do grupo. Depois do assassinato, Bruna assumiu a identidade da jovem, que morava em Rio Doce, Olinda, Região Metropolitana do Recife. A menina de 5 anos que morava com os acusados pode ser filha de Jéssica. A polícia ainda investiga outros cinco homicídios que podem ter sido praticados pelos três.

VENDEDORA DE SALGADOS – Isabel Cristina Pira, 50, dona de casa, casada com Jorge Beltrão Negromonte da Silveira, 50, fazia os salgados em casa e saia pelas ruas do centro de Garanhuns vendendo empadas, coxinhas, sempre com o argumento que estava precisando comprar remédios e colocar comida em casa.

O CRIME – A Polícia Civil localizou os corpos de Giselly Helena da Silva, conhecida como “Geisa dos Panfletos” (desaparecida desde o dia 25 de fevereiro) e Alexandra da Silva Falcão, 20 anos (desaparecida desde o dia 12 de março de 2012). Elas foram assassinadas, esquartejadas e enterradas no quintal da casa dos assassinos. Quando a polícia chegou na residência foi recebida por uma criança de apenas cinco anos de idade que mostrou aos policiais, “o local onde os pais mandavam as pessoas para o inferno”. Ela foi levada para o Conselho Tutelar da Cidade e os acusados, Jorge Negromonte, Isabel Cristina e Jessica Camila foram encaminhados para a 2ª Delegacia, onde confessaram ter cometido o crime.

REVOLTA – Moradores das Rua das Emboabas, no bairro Jardim Petrópolis – onde aconteceu o crime – arrombaram a residência dos acusados e atearam fogo no imóvel. A Polícia também registrou um saque no local. Quatro pessoas foram detidas.Entre elas, três menores.

LIVRO – Com frieza, Jorge Negromonte registrou cada passo dessa atrocidade em 34 capítulos distribuídos em 54 páginas de ofício. Com direito a ilustrações demoníacas, sumário, biografia e um roteiro de magia negra, o acusado relata como matou as vítimas e o prazer em acabar com, o que ele chama de “adolescentes do mal”.

Confira alguns trechos do livro:

CAPÍTULO XXVI

A DIVIDIDA – Vejo aquele corpo no chão, Jéssica desconfia que ainda se encontra com vida, pego uma corda, faço uma forca e coloco no pescoço do corpo, puxo para o banheiro e ligo o chuveiro para todo o sangue escorrer pelo ralo.

Ao olhar para o corpo já sem vida da adolescente do mal, sinto um alívio. Pego uma lamina e começo a retirar toda a sua pele, e logo depois à divido.

Eu, Bel e Jéssica nos alimentamos com a carne do mal, como se fosse um ritual de purificação, e o resto eu enterro no nosso quintal, cada parte em um lugar diferente…

A polícia de Garanhuns descobriu mais duas publicações do serial killer que, com auxílio de duas mulheres, revelou ter matado sete pessoas. Além de “O Diário de um Esquizofrênico”, foi encontrado o livro “Monstro Homem” e “Jeans”. Ambos na mesma linha de conteúdo, sempre acabando em morte. O último livro citado, inclusive, conta com maior número de páginas e mais detalhes de casos que o primeiro encontrado.

O mentor do crime, Jorge Beltrão Negromonte da Silveira, 50 anos, sua esposa, Isabel Cristina Pires da Silveira, a Bel, 51, e a mulher que seria amante dele, Jéssica Camila da Silva Pereira, 22, foram encaminhados nesta sexta-feira (13) para a cadeia pública de Garanhuns e a cadeia de Buíque.

NOTA: Como Cristãos devemos orar por todos.Por essas famílias ilutadas, para que Deus dê conforto num momento tão difícil. Quanto aos criminosos, que a justiça seja feita e que tenham tempo para se arrependerem de seus atos e principalmente pela criança que morava com o casal que possa superar todos esse traumas.

Fonte: Blog Merece Destaque, Gospel Prime e Folha PE via Panorama Cristão

Edir Macedo acredita que manifestação do Espírito em crianças é pedofilia espiritual



O bispo Edir Macedo já deixou claro que não acredita no movimento pentecostal e que é contra ao famoso “cair no espírito”, mas dessa vez ele acusa as igrejas que estimulam esse tipo de comportamento entre as crianças de praticar “pedofilia espiritual”.


Em seu blog o fundador da Igreja Universal do Reino de Deus compara a Fanerose infantil a um abuso e mostra um vídeo editado e publicado pela conta da ArcaUniversal no canal do Youtube mostrando cenas de cultos pentecostais onde as crianças são tomadas pela manifestação comum nessas igrejas e passam a dançar, pular, sapatear e rodar no salão.

Essa não é a primeira vez que Edir Macedo questiona o movimento pentecostal. No ano passado ele publicou um vídeo com o título de “Qual a diferença” comparando os cultos evangélicos com cultos de religiões africanas. O fato indignou muitos pastores e líderes evangélicos, principalmente quando o tema ganhou repercussão nacional ao ser tratado no programa Domingo Espetacular da Rede Record.


|Pátio Gospel Noticias

Saindo de uma visão de tijolos para viver a visão do Reino de Deus – Parte 1



A Igreja Evangélica está vivendo um tempo de restauração. Nesse período, Deus deseja gerar dentro de nós os Seus Princípios. Sendo assim, é preciso que observemos um ponto muito importante nesse processo: qual tem sido nossa visão sobre Deus e sobre nós mesmos.
Em tempo de restauração é necessário decidir se ficamos apenas observando tudo acontecer, ou se entramos no mover de Deus e fazemos parte ativa dele.

Deus quer gerar dentro de nós uma visão de Reino.

Então, até quando vamos permitir que nossas vidas sejam regadas, mais por nossos próprios sentimentos do que pelas verdades de Cristo?

Somos a geração Internet. Temos acesso a muitas informações, mas pouco conteúdo.

Compramos todo tipo de CD, porém lemos muito pouco, os livros não são mais tão importantes.

Se não tivermos cuidado, nossa Bíblia poderá tornar-se simplesmente um guia de auto-ajuda, esquecido na escrivaninha.
Devido a tudo isso, alguns de nossos cultos estão mais cheios de argumentos e entretenimento humano do que da presença de Deus.

São cultos inovados para tocar os corações dos homens e não o coração de Deus.

Afinal de contas quem é que não gosta de uma boa revelação?

• Para que passar tempo buscando segredos na Bíblia, se tenho um Pastor que faz isso por mim? Queremos tudo sem esforço, é a geração preguiça.
• Para que gastar dinheiro comprando DVD se meu irmão vai comprá-lo e assim posso copiá-lo.
• Se eu não conseguir ir a um congresso não tem problema, quem for me diz como foi.

Assim, cada vez mais nos distanciamos de Deus, em uma visão de TIJOLO.

O que é uma visão de tijolos?

É quando temos a visão voltada para nós mesmos, buscando construir e edificar nossos próprios nomes e não o de Cristo.

Para que possamos compreender o que é uma visão de tijolos, em primeiro lugar devemos avaliar o que é crescimento de verdade e por que o crescimento pode ser uma faca de dois gumes.

A qualidade do crescimento é a chave do avivamento. Se esse crescimento ocorrer de forma correta se torna uma benção, contudo, se for de forma incorreta será uma multiplicação de problemas.

Existem líderes que na busca do crescimento, descartam o tempo de Deus para o preparo, incorporando ao ministério pessoas com habilidades, entretanto, despreparadas.

Líder, cuidado com o Sucesso! Muitos confundem sucesso pessoal e ministerial com aprovação divina.

Podemos construir grandes monumentos e obras maravilhosas, tocando corações e emocionando a muitos, porém, jamais tocar o trono de Deus.

Vamos estudar a historia de um homem de sucesso, que marcou sua geração, que conquistou seu povo e os levou a um crescimento.

Seu nome é Ninrode.

“E Cuxe gerou a Ninrode; este começou a ser poderoso na terra. E este foi poderoso caçador diante da face do SENHOR; por isso se diz: Como Ninrode, poderoso caçador diante do SENHOR. E o princípio do seu reino foi Babel, Ereque, Acade e Calné, na terra de Sinar. Desta mesma terra saiu à Assíria e edificou a Nínive, Reobote-Ir, Calá,” Gênesis 10: 8 a 11

O nome Ninrode significa “rebelde”.

Ele foi o primeiro homem que realmente organizou uma rebelião contra Deus.

Ninrode foi um homem “poderoso” ou líder na terra (Gênesis 10:8)

Depois do dilúvio, os animais se reproduziram mais rápido que o homem, o que gerou uma problemática. Nesse ínterim, devido ao fato de ser um grande caçador, Ninrode rapidamente tornou-se famoso, destacando-se dos outros e alcançando respeito e admiração.

Desta forma, resolvendo em parte aquele grande problema.

Ninrode tornou-se uma lenda e um provérbio em seus dias, mas como acontece com todos os homens distantes de Deus, o poder o dominou. Porém, Deus estava observando todos os seus caminhos. E, dura coisa para um homem é ter Deus como adversário e não como amigo.

Deus havia dado uma ordem:

“E ABENÇOOU Deus a Noé e a seus filhos, e disse-lhes: Frutificai e multiplicai-vos e enchei a terra.”Gênesis 9 : 1

Essa ordem de Deus era tudo o que Ninrode não queria ouvir, tampouco obedecer, porque era contrária aos seus sonhos. Ele não queria que o povo se espalhasse, mas sim que se ajuntasse em torno dele para que pudesse reinar absoluto.

Se não tomarmos cuidado, a visão de tijolos será plantada em nossos corações. Uma visão de edificar lugares altos para dominar, de se recusar a reconhecer as diferenças entre irmãos, bem como, reconhecer o Governo Divino sobre nós.

Então, iniciou-se em Ninrode a visão de tijolos (ler Gênesis 11: 1 a 9)

No Próximo estudo vamos analisar alguns pontos importantes dessa história.

Continua...

André Santana (Ministério Filhos Benditos)

A grande Comissão, uma missão inacabada




1. O método de Cristo é a igreja
A estória: Quando Cristo terminou sua obra, e chegou ao céu, os anjos o receberam com exultante celebração. Um anjo perguntou-lhe: “Senhor, tu consumaste a obra da redenção, mas quem vai contar essa boa nova para o mundo inteiro?” Jesus respondeu: “Eu deixei doze homens preparados para essa tarefa”. Retrucou o anjo: “Mas, Senhor, e se eles falharem?”. Jesus respondeu: “Se eles falharem eu não tenho outro método”.

2. O tempo de agir é agora
Todos os quatro evangelistas deram ênfase à grande comissão. Lucas a repete no livro de Atos.
As últimas palavras de uma pessoa, são as mais importantes e urgentes. Essas foram as últimas palavras de Cristo.
Os campos já estão brancos para a ceifa. O tempo é agora.

3. A grande comissão envolve toda a igreja
O Congresso de Lausane definiu: “O propósito de Deus é o evangelho todo, por toda a igreja, em todo o mundo, a toda criatura”.
Você foi alistado para fazer parte dessa maior missão de resgate do mundo: Não do Katrina, não dos acidentes naturais, mas do maior acidente cósmico: a queda. Não de uma tragédia temporária, mas da perdição eterna.

I. A COMPETÊNCIA DO COMISSIONADOR – v. 18
Jesus tem toda autoridade (versão atualizada).
Jesus tem todo poder (versão corrigida).

Exemplo: o caminhão com 30 toneladas e o guarda. O caminhão tem poder, o guarda tem autoridade. Jesus tem poder e autoridade.

Esta declaração mostra que quem dá a ordem tem autoridade e competência para fazê-lo.
Isto tem duas implicações:

a) É condição básica de êxito sabermos que o nosso Deus é o maior – É esta certeza inabalável que nos dará as condições de enfrentar o inimigo e as circunstâncias adversas sem temer e sem vacilar.
b) Qualquer ordem dada pela autoridade máxima do universo exige atenção e respeito total – Ao proferir a ordem Jesus quer ser obedecido de forma clara, completa e urgente.

II. O CERNE DA GRANDE COMISSÃO – v. 19

Todos os verbos estão no gerúndio, mas FAZER DISCÍPULOS é uma ordem.
a) Jesus não mandou fazer fãs – quem precisa de fãs são os artistas.
b) Jesus não mandou fazer admiradores – Atores e jogadores de futebol é que buscam admiradores.
c) Jesus não mandou apenas evangelizar e ganhar almas, abandonando os bebês espirituais – Ele quer discípulos.
d) Jesus não mandou apenas recrutar crentes e encher as igrejas de pessoas – Ele quer convertidos maduros.

Um discípulo é um seguidor. Isso implica: 1) Fazer do Reino de Deus seu tesouro; 2) Renunciar tudo por amor a Jesus; 3) Isso significa guardar as palavras de Jesus.

Hoje temos muita adesão e pouca conversão. Temos grande ajuntamentos e pouco quebrantamento. Temos igrejas cheias de pessoas vazias de Deus e vazias de pessoas cheias de Deus. Temos grandes multidões de buscam as bênçãos, mas não a Deus. São religiosos, mas não discípulos de Cristo.

III. O ALCANCE DA GRANDE COMISSÃO – v. 19
“Fazei discípulos de todas as nações”.

A palavra nações é etnias. Onde houver um povo, com sua língua, cultura, raça, etnia ali o evangelho deve chegar. Ali Deus comprou com o sangue de Cristo aqueles que devem ser chamados e discipulados.

O coração de Deus pulsa pelo mundo todo.
Deus disse a Abraão: “Em ti serão benditas todas as famílias da terra”.
Apocalipse 5:9 diz que Deus comprou com o sangue do Seu Filho os que procedem de toda tribo, língua, povo e nação.

A leitura errada de Atos 1:8: Não é primeiro aqui, depois lá. Mas tanto quanto, ou seja, concomitantemente.

IV. AS IMPLICAÇÕES DA GRANDE COMISSÃO
1. Envolve a integração dos novos convertidos – v. 19

A igreja é importante.
Não existe crente isolado, fora do corpo. Não existe ovelha fora do rebanho.
A igreja foi instituída pelo Senhor e os novos crentes devem ser integrados a ela pelo batismo.

2. Envolve ensino aos novos convertidos – v. 19
Há três coisas a destacar:

a) Ensinar o que Jesus mandou (v. 19) – Não se trata de ensinar achiologia, modismos, tradições humanas, legalismo. Paulo diz que devemos anunciar todo o desígnio de Deus.

b) Ensinar todas as coisas (v. 19) – Não apenas as mais agradáveis. Devemos ensinar toda a verdade, toda a Palavra, dar não apenas o leite, mas também o alimento sólido.

c) Ensinar a guardar – Ensinar não é apenas guardar na cabeça, mas obedecer. O discípulo é aquele que obedece. Hoje, as pessoas querem conhecer, mas não querem obedecer. “Vós sois meus discípulos se fazeis o que eu vos mando”.

V. MOTIVOS PARA CUMPRIR A GRANDE COMISSÃO – v. 18-20

1. O poder de Jesus à nossa disposição – v. 18

Se Jesus tem todo poder e autoridade, não sobrou nada para o diabo.

O diabo é astuto, ardiloso, sagaz. Mas Jesus tem todo o poder no céu e na terra.
O poder do diabo foi tirado na cruz (Cl 2:15). Ele foi despojado. Está oco, vazio.
O diabo não tem poder nem no inferno. Apocalipse 1 diz que as chavas da morte e do inferno estão nas mãos de Jesus. As portas do inferno não prevalecem contra a igreja.

Toda a suprema grandeza do seu poder está à nossa disposição (Ef 1:19).

2. A presença de Jesus – v. 20
A presença de Jesus é contínua, em todo lugar. Ele nunca nos desampara, nunca nos deixa. Ele é como sombra à nossa direita. Ele é o vigia que não dormita nem dorme. Não há situação em que sua presença não esteja conosco. Ele está conosco na vida e na morte, no tempo e na eternidade.

3. A ordem de Jesus – v. 19
Se o Rei soberano do universo deu uma ordem, cabe-nos obedecer.

CONCLUSÃO
Você tem feito discípulos? Você tem buscado os perdidos? Você tem sido um ministro da reconciliação? Você tem gerado filhos espirituais? Você ganhado pessoas para Cristo? Uma alma vale mais do que o mundo inteiro.
A lista de Shindler – “Quem salva uma vida, salva o mundo inteiro”.

http://hernandesdiaslopes.com.br/2012/04/a-grande-comissao-uma-missao-inacabada/

terça-feira, 24 de abril de 2012

Reflexão Terça Feira



Jesus lhe respondeu: “Também está escrito: ‘Não ponha à prova o
Senhor, o seu Deus’”.Mateus 4:7


:
O Diabo queria que Jesus testasse as promessas de Deus. Até hoje
muitos caem na mesma armadilha. Se Deus é amor como é que ele
deixou meu filho ou minha mãe sofrer assim? Por que eu ainda não
consegui um emprego? Por que eu não estou sendo curado desta
doença? Por que eu ainda não consegui vencer esta tentação que me
atormenta há tantos anos? Deus é amor. Ele cuida de nós e promete
alívio na tentação. Mas, ele age e cumpre suas promessas de acordo
com sua soberana visão, não só das minhas necessidades, mas, de um
mundo inteiro de filhos e filhas. O erro não está em esperar que
Deus cumpra suas promessas, mas, que ele as cumpra de acordo com as
nossas expectativas, quando e como nós bem entendemos. O verdadeiro
filho de Deus confia em seu Pai, mesmo quando tudo dentro dele diz
o contrário. Você pode confiar em Deus assim? Jesus, que se recusou
a por Deus à prova, virou com tempo a maior prova de todas as
promessas do Pai. Confie nEle.

Esboço do Livro de Juízes



Autor
O autor de Juízes é desconhecido. O Talmude atribui o livro de Juízes a Samuel. Este bem pode ter escrito partes do Livro, já que se afirma que era um escritor (1Sm 10.25).

Data
O Livro de Juízes cobre o período entre a morte de Josué e a instituição da monarquia. A data real da composição do livro é desconhecida. No entanto, evidências internas indicam que ele foi escrito durante o período inicial da monarquia que se seguiu à coroação de Saul. Porém antes da conquista de Jerusalém por Davi, cerca de 1050 a 1000 aC. Esta data tem o apoio de dois fatos:

1) As palavras “naqueles dias, não havia rei em Israel” (17.6) foram escritas num período em que Israel tinha um rei. 2) A declaração de que “os jubuseus habitaram com os filhos de Benjamim em Jerusalém até ao dia de hoje” (1.21) aponta para um período anterior à conquista da cidade por
Davi (2Sm 5.6,7).

Contexto Histórico
Juízes cobre um período caótico na história de Israel: cerca de 1380 a 1050 aC. Sob a liderança de Josué, Israel conquistou e ocupou de forma geral a terra de Canaã, mas grandes áreas ainda permaneceram por ser conquistadas pelas tribos individualmente. Israel praticava continuamente o que era mau aos olhos do Senhor e “não havia rei em Israel, porém cada um fazia o que parecia reto aos seus olhos” (21.25). Ao servirem de forma deliberada a deuses estranhos, o povo de Israel quebrava a sua aliança com o Senhor. Em conseqüência, o Senhor os entregava nas mãos dos opressores. Cada vez que o povo clamava ao Senhor, este, com fidelidade, levantava um juiz a fim de prover libertação ao seu povo. Estes juizes, a quem o Senhor escolheu e ungiu com o seu Espírito, eram militares e civis. O Livro de Juizes não olha apenas retroativamente para a conquista de Canaã, liderada por Josué, registrando as condições em Canaã durante o período dos juízes, mas também antecipa o estabelecimento da monarquia em Israel.

Conteúdo
O Livro de Juizes está dividido em três seções principais: 1) Prólogo (1.1-3.6) 2) narrativas (3.7-16.31); e 3) epílogo (17.1-21.25). A primeira parte do prólogo (1.1-2.5) estabelece o cenário histórico para as narrativas que seguem. Ali é descrita a conquista incompleta da Terra Prometida (1.1-36) e a reprimenda do Senhor pela infidelidade do povo à sua aliança (2.1-5). A segunda parte do prólogo (2.6-3.6) oferece uma visão geral do corpo principal do Livro, que são as narrativas. Estas descrevem os caminhos rebeldes de Israel durante os primeiros séculos na Terra Prometida e mostram como o Senhor se relacionou com a nação naquele período, um tempo caracterizado por um ciclo recorrente de apostasia, opressão, arrependimento e libertação.

A parte principal do livro (3.7-16.31) ilustra esse padrão que se repete na história antiga de Israel. Os israelitas faziam o que era mau aos olhos do Senhor (apostasia); o Senhor os entregava nas mãos de inimigos (opressão); o povo de Israel clamava ao Senhor (arrependimento); e, em resposta ao seu clamor, o Senhor levantava libertadores a que ele capacitava com o seu Espírito (libertação). Seis indivíduos— Otniel, Eúde, Débora, Gideão, Jefté e Sansão—, cujo papel de libertadores é narrado com mais detalhes, são classificados como “juízes maiores”. Seis outros, que são mencionados rapidamente— Sangar, Tola, Jair, Ibsã, Elom e Abdom—, são conhecidos como “juízes menores”. Um décimo terceiro personagem, Abimeleque, está vinculado à história de Gideão.

Duas histórias são acrescentadas ao Livro de Juízes (17.1—21.15) na forma de um epílogo.

O propósito desses apêndices não és estabelecer um final ao período dos juízes, mas descrever a corrupção religiosa e moral existente nesse período. A primeira história ilustra a corrupção na religião de Israel. Mica estabeleceu em Efraim uma forma pagã de culto ao Senhor, a qual foi adotada pelos danitas quando estes abandonaram o território que lhes coube por herança e migraram para o norte de Israel. A segunda história no epílogo ilustra a corrupção moral de Israel ao relatar a infeliz experiência de um levita em Gibeá, no território de Benjamim, e a conseqüente guerra benjamita. Aparentemente, o propósito desta seção final do livro é ilustrar as conseqüências da apostasia e anarquia nos dias em que “não havia rei em Israel”.

O Espírito Santo em Ação

A atividade do Espírito Santo do Senhor no Livro de Juízes é claramente retratada na liderança carismática daquele período. Os seguintes atos heróicos de Otniel, Gideão, Jefté e Sansão são atribuídos ao Espírito do Senhor:

O Espirito do Senhor veio sobre Otniel (3.10) e o capacitou a libertar os israelitas das mãos de Cusã-Risataim, rei da Síria.

Através da presença pessoal do Espírito do Senhor, Gideão (6.34) libertou o povo de Deus das mãos dos midianitas. Literalmente, o Espírito do Senhor se revestiu de Gideão. O Espírito do Senhor capacitou este líder escolhido por Deus e agiu através dele para implementar o ato salvífico do Senhor em benefício do seu povo.

O Espírito do Senhor equipou Jefté (11.29) com habilidades de liderança no seu empreendimento militar contra os amonitas. A vitória de Jefté sobre os amonitas foi o ato de libertação do Senhor em benefício de Israel.

O Espírito do Senhor capacitou Sansão e executar atos extraordinários. Ele começou a impelir Sansão para sua carreira (13.25). O Espírito veio poderosamente sobre ele em várias ocasiões. Sansão despedaçou um leão apenas com as mãos (14.6). Certa vez matou trinta filisteus (14.19) e, em outra ocasião, livrou-se das cordas que amarravam as suas mãos e matou mil filisteus com uma queixada de jumento (15.14,15).

O mesmo Espírito Santo que deu condições a esses libertadores para que fizesse façanhas e cumprissem os planos e propósitos do Senhor continua operante ainda hoje.

Esboço de Juízes

I. Prólogo: As condições em Canaã após a morte de Josué 1.1-3.6
Continuação das conquistas pelas tribos de Israel 1.1-26
Conquista incompletas da terra 1.27-36
A aliança do Senhor é quebrada 2.1-5
Introdução ao período dos juízes 2.6 –3.6

II. História de opressões e libertações durante o período dos juízes 3.7-16.31
Opressão mesopotâmica por meio de Otniel 3.7-11
B) Opressão moabita por meio de Eúde 3.12-30
C) Opressão filistéia e libertação por meio de Sangar 3.31
Opressão cananita e libertação por meio de Débora e Baraque 4.1-5.31
Opressão midianita e libertação por meio de Gideão 6.1– 8.35
Breve reinado de Abimeleque 9.1-57
Carreira de Tola como Juiz 10.1,2
Carreira de Jair como Juiz 10.3-5
Opressão amonita e libertação por meio de Jefté 10.6 –12.7
Carreira de Ibsã como juiz 12.8-10
Carreira de Elom como juiz 12.11,12
Carreira de Abdom como juiz 12.13-15
Opressão filistéia e libertação por meio de Sansão 13.1-16.31

III. Epílogo: Condições que ilustram o período dos juízes 17.1-21.25

Apostasia: A idolatria de Mica e a migração dos danitas 17.1 –18.31
Imoralidade: Atrocidade em Gibeá e a guerra benjamita 19.1-21.15

Fonte: Bíblia Plenitude


Fonte: http://estudos.gospelprime.com.br/esboco-do-livro-de-juizes/#ixzz1sxGJht51

Sossega, leão!



Um pastor estava esbravejando com suas ovelhas, brigando e gritando com o povo.

Um garoto, filho de um casal visitante, vendo isto, perguntou:

- Mãe, o que vai acontecer conosco se aquele homem escapulir lá detrás?

Fonte: Site do Pastor


Fonte: http://estudos.gospelprime.com.br/sossega-leao-ilustracao/#ixzz1sxFVveId

Morre ator que se enforcou acidentalmente ao interpretar Judas em peça teatral



Thiago Klimeck, o ator que se enforcou acidentalmente ao interpretar Judas na peça teatral “Paixão de Cristo” morreu neste domingo, 22, em São Paulo. A informação do falecimento foi dada através de um comunicado do hospital Santa Casa de Itapeva, onde o ator estava internado.

O ator ficou por volta de 4 minutos enforcado o que causou falta de oxigênio motivando uma grave hipoxia cerebral. Klimeck tinha apenas 27 anos, a peça em que ele atuava era um espetáculo em comemoração à Semana Santa, a fatalidade aconteceu na cena em que Judas se enforca angustiado por ter traído Jesus. Porém, algo deu errado ao manusear as cordas causando o acidente.

Klimeck estava desde o dia 6 de abril, Sexta-Feira Santa, quando ocorreu o acidente, internado em estado grave. A peça acontecia na cidade de Itararé, onde o ator recebeu os primeiros atendimentos, porém, foi transferido para um hospital em Itapeva, onde estava até então. O artista não resistiu e veio a óbito.

Fonte: Gospel+

Deputados Marcelo Aguiar, Silas Câmara e Popó da bancada evangélica não assinaram pedido da CPI da corrupção no Caso Cachoeira



A recém instalada Comissão Parlamentar de Inquérito que investigará o bicheiro Carlos Augusto Almeida Ramos, conhecido como Carlinhos Cachoeira, e suas relações com empresários e políticos, contou com a assinatura de alguns membros da Frente Parlamentar Evangélica.

Porém, nem todos os parlamentares evangélicos assinaram a lista para criação da CPI, caso dos deputados Marcelo Aguiar (PSD-SP),Mário De Oliveira (PSC MG) e Lauriete (PSC-ES), Silas Câmara (PSD-AM), além do ex boxeador Popó (PRB-BA).

Carlinhos Cachoeira é apontado em uma investigação da Polícia Federal como chefe de uma quadrilha que explorava o jogo ilegal em Goiás, e que teria envolvimento com políticos de expressão nacional e empresas contratadas pelo governo federal. O senador Demóstenes Torres (sem partido) é o principal suspeito de manter ligações promíscuas com Cachoeira, e é acusado de ter usado seu mandato para favorecer o contraventor.

Essa não é a primeira vez que Carlinhos Cachoeira é investigado em uma CPI. Entre 2005 e 2006, o bicheiro foi citado em outras três CPIs: a dos Bingos (Senado) e Correios e Mensalão (mistas).

Os senadores evangélicos Magno Malta (PR-ES), bispo Eduardo Lopes (suplente do senador Marcelo Crivella, licenciado para ocupar o cargo de ministro/ PRB-RJ) e Walter Pinheiro (PT-BA), assinaram o documento para a criação da CPI mista, composta por membros do Senado e da Câmara dos Deputados.

Entre os membros da Bancada Evangélica que são deputados federais e que foram favoráveis à criação da CPI estão o missionário José Olímpio (PP-SP), João Campos (presidente da Frente Parlamentar Evangélica/PSDB-GO), Anthony Garotinho (PR-RJ) e Marco Feliciano (PSC-SP), de acordo com informações do G1.

No total, foram 396 deputados e 42 senadores foram favoráveis à criação da CPI. Confira abaixo a lista com os parlamentares da Câmara dos Deputados e do Senado Federal que não assinaram o documento de criação da CPI:

Deputados Federais que não assinaram o documento para a criação da CPI

Acelino Popó PRB BA
Adrian PMDB RJ
Aelton Freitas PR MG
Alex Canziani PTB PR
Anderson Ferreira PR PE
André Zacharow PMDB PR
Aníbal Gomes PMDB CE
Antônia Lúcia PSC AC
Antonio Brito PTB BA
Antônio Roberto PV MG
Aracely De Paula PR MG
Arlindo Chinaglia PT SP
Arnon Bezerra PTB CE
Aureo PRTB RJ
Beto Mansur PP SP
Bruna Furlan PSDB SP
Carlos Magno PP RO
Celia Rocha PTB AL
Cida Borghetti PP PR
Cleber Verde PRB MA
Damião Feliciano PDT PB
Davi Alves Silva Júnior PR MA
Dimas Fabiano PP MG
Dr. Adilson Soares PR RJ
Edivaldo Holanda Junior PTC MA
Eduardo Azeredo PSDB MG
Elcione Barbalho PMDB PA
Eliene Lima PSD MT
Eros Biondini PTB MG
Eudes Xavier PT CE
Fábio Faria PSD RN
Felipe Bornier PSD RJ
Francisco Floriano PR RJ
Francisco Praciano PT AM
Giacobo PR PR
Gladson Cameli PP AC
Guilherme Mussi PSD SP
Heleno Silva PRB SE
Hermes Parcianello PMDB PR
Hugo Napoleão PSD PI
Inocêncio Oliveira PR PE
Janete Capiberibe PSB AP
Jaqueline Roriz PMN DF
Jefferson Campos PSD SP
João Carlos Bacelar PR BA
João Leão PP BA
João Lyra PSD AL
João Pizzolatti PP SC
Joaquim Beltrão PMDB AL
Jorge Boeira PSD SC
Jorge Corte Real PTB PE
José Carlos Araújo PSD BA
José Chaves PTB PE
José Linhares PP CE
José Otávio Germano PP RS
José Priante PMDB PA
José Rocha PR BA
Jose Stédile PSB RS
Josué Bengtson PTB PA
Júlio Cesar PSD PI
Junji Abe PSD SP
Lael Varella DEM MG
Laercio Oliveira PR SE
Lauriete PSC ES
Luciano Castro PR RR
Lúcio Vale PR PA
Luis Tibé PTdoB MG
Luiz Carlos PSDB AP
Luiz Nishimori PSDB PR
Magda Mofatto PTB GO
Mandetta DEM MS
Manoel Junior PMDB PB
Manoel Salviano PSD CE
Marçal Filho PMDB MS
Marcelo Aguiar PSD SP
Márcio Reinaldo Moreira PP MG
Marco Maia PT RS
Mário De Oliveira PSC MG
Mauro Benevides PMDB CE
Mauro Mariani PMDB SC
Natan Donadon PMDB RO
Nelson Marquezelli PTB SP
Nelson Meurer PP PR
Nice Lobão PSD MA
Nilton Capixaba PTB RO
Otoniel Lima PRB SP
Paes Landim PTB PI
Paulo Magalhães PSD BA
Paulo Maluf PP SP
Pedro Henry PP MT
Penna PV SP
Rebecca Garcia PP AM
Roberto Balestra PP GO
Roberto Britto PP BA
Rogério Peninha Mendonça PMDB SC
Ronaldo Nogueira PTB RS
Rosinha Da Adefal PTdoB AL
Sandro Alex PPS PR
Saraiva Felipe PMDB MG
Sebastião Bala Rocha PDT AP
Sérgio Moraes PTB RS
Silas Câmara PSD AM
Simão Sessim PP RJ
Taumaturgo Lima PT AC
Toninho Pinheiro PP MG
Valdemar Costa Neto PR SP
Vicente Arruda PR CE
Vilson Covatti PP RS
Vinicius Gurgel PR AP
Vitor Paulo PRB RJ
Walter Tosta PSD MG
Wellington Fagundes PR MT
Wladimir Costa PMDB PA
Zé Silva PDT MG
Zé Vieira PR MA
Zeca Dirceu PT PR
Zequinha Marinho PSC PA
Senadores que não assinaram o documento para a criação da CPI

Benedito de Lira PP AL
Clésio Andrade PMDB MG
Clovis Fecury DEM MA
Demóstenes Torres sem partido GO
Eunício Oliveira PMDB CE
Garibaldi Alves PMDB RN
José Sarney PMDB AP
Lobão Filho PMDB MA
Sérgio Petecão PSD AC


gospel+

Dr. Dráuzio Varella revela ser ateu.



O doutor e escritor Dráuzio Varella, conhecido nacionalmente por suas campanhas de saúde pela prevenção a doenças, revelou ser ateu e afirmou em um artigo escrito para o jornal Folha de S. Paulo que “o fervor religioso é uma arma assustadora, sempre disposta a disparar contra os que pensam de modo diverso”.

Para Varella, na visão das pessoas religiosas, “os ateus são desprezíveis, desprovidos de princípios morais, materialistas, incapazes de um gesto de compaixão, preconceito que explica por que tantos fingem crer no que julgam absurdo”.

Dráuzio Varella afirma que foi educado para ser compreensivo com as crenças alheias, mesmo que não fizessem sentido para ele: “Fui educado para respeitar as crenças de todos, por mais bizarras que a mim pareçam. Se a religião ajuda uma pessoa a enfrentar suas contradições existenciais, seja bem-vinda, desde que não a torne intolerante, autoritária ou violenta”.

O médico argumenta que as pessoas de fé também são ateias em relação à uma crença diferente da sua. “Os religiosos que têm dificuldade para entender como alguém pode discordar de sua cosmovisão devem pensar que eles também são ateus quando confrontados com crenças alheias”, e critica o critério da sociedade em relação aos ateus: “Os pastores milagreiros da TV que tomam dinheiro dos pobres são tolerados porque o fazem em nome de Cristo. O menino que explode com a bomba no supermercado desperta admiração entre seus pares porque obedeceria aos desígnios do Profeta. Fossem ateus, seriam considerados mensageiros de Satanás”, pontua.

O doutor explica em seu artigo que a postura de um ateu frente à fé não é oposição, simplesmente: “Não se trata de opção ideológica: o ateu não acredita simplesmente porque não consegue. O mesmo mecanismo intelectual que leva alguém a crer leva outro a desacreditar”.

Confira abaixo a íntegra do artigo:

A humanidade inteira segue uma religião ou crê em algum ser ou fenômeno transcendental que dê sentido à existência. Os que não sentem necessidade de teorias para explicar a que viemos e para onde iremos são tão poucos que parecem extraterrestres.

Dono de um cérebro com capacidade de processamento de dados incomparável na escala animal, ao que tudo indica só o homem faz conjecturas sobre o destino depois da morte. A possibilidade de que a última batida do coração decrete o fim do espetáculo é aterradora. Do medo e do inconformismo gerado por ela, nasce a tendência a acreditar que somos eternos, caso único entre os seres vivos.

Todos os povos que deixaram registros manifestaram a crença de que sobreviveriam à decomposição de seus corpos. Para atender esse desejo, o imaginário humano criou uma infinidade de deuses e paraísos celestiais. Jamais faltaram, entretanto, mulheres e homens avessos a interferências mágicas em assuntos terrenos. Perseguidos e assassinados no passado, para eles a vida eterna não faz sentido.

Não se trata de opção ideológica: o ateu não acredita simplesmente porque não consegue. O mesmo mecanismo intelectual que leva alguém a crer leva outro a desacreditar.

Os religiosos que têm dificuldade para entender como alguém pode discordar de sua cosmovisão devem pensar que eles também são ateus quando confrontados com crenças alheias.

Que sentido tem para um protestante a reverência que o hindu faz diante da estátua de uma vaca dourada? Ou a oração do muçulmano voltado para Meca? Ou o espírita que afirma ser a reencarnação de Alexandre, o Grande? Para hindus, muçulmanos e espíritas esse cristão não seria ateu?

Na realidade, a religião do próximo não passa de um amontoado de falsidades e superstições. Não é o que pensa o evangélico na encruzilhada quando vê as velas e o galo preto? Ou o judeu quando encontra um católico ajoelhado aos pés da virgem imaculada que teria dado à luz ao filho do Senhor? Ou o politeísta ao ouvir que não há milhares, mas um único Deus?

Quantas tragédias foram desencadeadas pela intolerância dos que não admitem princípios religiosos diferentes dos seus? Quantos acusados de hereges ou infiéis perderam a vida?

O ateu desperta a ira dos fanáticos, porque aceitá-lo como ser pensante obriga-os a questionar suas próprias convicções. Não é outra a razão que os fez apropriar-se indevidamente das melhores qualidades humanas e atribuir as demais às tentações do Diabo. Generosidade, solidariedade, compaixão e amor ao próximo constituem reserva de mercado dos tementes a Deus, embora em nome Dele sejam cometidas as piores atrocidades.

Os pastores milagreiros da TV que tomam dinheiro dos pobres são tolerados porque o fazem em nome de Cristo. O menino que explode com a bomba no supermercado desperta admiração entre seus pares porque obedeceria aos desígnios do Profeta. Fossem ateus, seriam considerados mensageiros de Satanás.

Ajudamos um estranho caído na rua, damos gorjetas em restaurantes aos quais nunca voltaremos e fazemos doações para crianças desconhecidas, não para agradar a Deus, mas porque cooperação mútua e altruísmo recíproco fazem parte do repertório comportamental não apenas do homem, mas de gorilas, hienas, leoas, formigas e muitos outros, como demonstraram os etologistas.

O fervor religioso é uma arma assustadora, sempre disposta a disparar contra os que pensam de modo diverso. Em vez de unir, ele divide a sociedade -quando não semeia o ódio que leva às perseguições e aos massacres.

Para o crente, os ateus são desprezíveis, desprovidos de princípios morais, materialistas, incapazes de um gesto de compaixão, preconceito que explica por que tantos fingem crer no que julgam absurdo.

Fui educado para respeitar as crenças de todos, por mais bizarras que a mim pareçam. Se a religião ajuda uma pessoa a enfrentar suas contradições existenciais, seja bem-vinda, desde que não a torne intolerante, autoritária ou violenta.

Quanto aos religiosos, leitor, não os considero iluminados nem crédulos, superiores ou inferiores, os anos me ensinaram a julgar os homens por suas ações, não pelas convicções que apregoam.


Fonte: Gospel+

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Reflexão Segunda Feira



“Ele nos deu este mandamento: Quem ama a Deus, ame também seu
irmão”.1 João 4:21



Algumas coisas são muito simples. Não podemos amar a Deus e
recusar amar uns aos outros. Isso não é difícil de entender. Por
outro lado, alguns dos nossos parentes no Senhor são difíceis de
amar porque são pessoas muito difíceis. Mas, precisamos lembrar
quem éramos quando Cristo morreu por nós – sem poder, incrédulos,
pecadores, inimigos (Romanos 5:6-11) – mas Deus nos amou e enviou
Jesus para nos salvar. Então, antes de resmungar sobre nossos
irmãos em Cristo que são “difíceis”, devemos dar graças ao Deus que
nos amou quando éramos pecadores. Depois devemos agradecer a Deus
pela sua graça sendo mais tolerantes uns para com os outros.

Igreja nos lares: não é uma opção, é realidade fiel




Em linguagem bíblica, o objetivo da Igreja é sustentar o testemunho de Jesus [Atos 1], para que todos possam vê-Lo, que todos possam ver a Luz;

A Igreja não tem por propósito atrair pessoas para ela, mas, conduzir pessoas a Cristo!!

Em momento nenhum, os que defendem os cultos nos lares dizem ser como o único e ideal, apenas, afirmamos que a igreja instituição (a maioria das igrejas evangélicas e a católica) é que tem desviado da sã doutrina apregoada pelos servos de Cristo na simplicidade do evangelho para salvação de almas; em função deste desvio, milhares estão tendo entendimento pela ação do Espírito Santo e se desviado da igreja instituição.

Aprendendo com a Palavra de Deus, meditando nos relatos bíblicos, testifica da presença de Jesus e Seus discípulos, da Igreja nos lares, nas casas:
- Jesus ministrou nas casas de seus discípulos, curou a sogra de Pedro [Marcos 1]; jantou com Levi e outros pecadores [Marcos 2];
- Ensinou e fez milagres, ressuscitou mortos, ministrou libertação, foi ungido por uma mulher, nas casas, nos lares [Marcos 3; 5; 7; 14];
- Nas casas compartilhou instruções com Seus discípulos [Marcos 7; 9; 10; 14; 16];
- Instruiu pessoas curadas, admoestando que sua nova vida começa em casa. Libertando o endemoninhado gadareno, disse:
“ Vai para tua casa, para os teus, e anuncia-lhes quão grandes coisas o Senhor te fez, e como teve misericórdia de ti ” [Marcos 5];
- Ensinava nas casas dos fariseus, pecadores, e por várias vezes de gente mui amada [Lucas 10, João 11; 12];
“ E quando Jesus chegou aquele lugar, olhando para cima, viu-o e disse-lhe: Zaqueu, desce depressa, porque hoje me convém pousar em tua casa. ” [Lucas 19]
- Ordenou aos Seus discípulos ministrarem nas casas, nos lares [Mateus 10] e aos setenta [Lucas 10];
- Após a ascensão de Cristo aos céus, Seus discípulos permaneceram reunidos em uma casa [Atos 1];
- O glorioso dia de Pentecostes ocorreu numa casa [Atos 2];
- A Igreja cresceu em quase três mil pessoas em uma pregação, mas, conservaram as reuniões nos lares [Atos 2];
- As reuniões nos lares firmavam uma ação evangelística [Atos 5]; a casa de Cornélios [Atos 10];
- Saulo foi restaurado em uma casa [Atos 9];
- Nos lares, havia contexto de curas, Dorcas [Atos 9], visões como a de Pedro [Atos 10], reuniões como Igreja, como na casa de Maria, mãe de Marcos [Atos 12];
- Enfim, Paulo em saudações, fez menção da Igreja que se reunia nos lares [Romanos 16; 1Coríntios 16; Colossenses 4; Filemom 1].

Entretanto, não há nenhum relato bíblico que comprove ou sustente a necessidade de se construir lugares e chama-los de “igreja”!!

Como testifica a Palavra de Deus, Jesus desenvolveu grande parte de Seu ministério nas casas, nos lares, participava de festas públicas, entrava nas sinagogas; e, denunciou os religiosos de o tempo de Seu ministério terreno, por que aqueles exibiam uma fé hipócrita, como a maioria dos religiosos [pastores, bispos, apóstolos(??), padres] de nosso tempo.

Alguns lideres evangélicos querem de maneira diabólica, subjugar outros, denegrindo aos irmãos que se reúnem em seus lares, por que pelos relatos bíblicos muitas foram as reuniões em nome de Cristo nos lares, nas casas, por em verdade, a Igreja nos lares quando se reúnem, o fazem em nome de nosso Senhor Jesus Cristo e para isto, Ele mesmo nos asseverou quando diz:
“ Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles. ” [Mateus 18]
Aliás, Cristo nada diz que Ele estará em meio somente se estiver reunidos numa igreja instituição ou local com placa de “igreja” ou “casa de oração”.

Cobertura Espiritual

Há uns tolos e hipócritas pastores que querem insinuar de forma leviana, com o intuito de ludibriar os pequenos na fé, que os desigrejados não querem ter pastor, e que querem viver sem estar debaixo da orientação de um pastor; ora, ninguém deve por orientação bíblica viver sob a ação, a lide de um pastor, bispo, apóstolo(??); a Palavra de Deus diz que o “pastor, bispo, apóstolo(??)” não tem domínio sobre o rebanho de Deus [1Pedro 5], mesmo por que, a sagrada Palavra admoesta que "maldito o homem que confia no homem" [Jeremias 17].

Para os desigrejados, Jesus é nosso Bom Pastor.

A Palavra de Deus nos testifica e liberta do jugo de homens religiosos, pastores, bispos, apóstolos(??), padres [Mateus 23.4]; temos como nosso Bom Pastor que por amor, nos diz:
“ Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve ” [Mateus 11].
Porquanto, nenhum pastor, bispo, apóstolo(??), padre, tem condições em dar qualquer cobertura, e ainda, muito menos a espiritual, jamais serão um pastor-chefe, oficial com autoridade hierárquica, quem afirma isto é contra a Palavra de Deus, presunçoso, charlatão, mentiroso, um mercenário que quer enganar as pessoas para que elas lhes sustentem, paguem por uma orientação e proteção enganosa, aliás, Jesus no bendito lava-pés [João 13] foi enfático e exortou a que todos devemos servir e não ser servidos.

Ao bem da verdade, sem nenhum chamado divino, muitos se apresentam como “pastor”, bispo, apóstolo(??), pois, compraram suas credenciais eclesiásticas, quando fizeram alguns destes cursetos de “teologia” (estudos sobre Deus, elaborados por homens ao gosto do freguês).

Em verdade, a condição de desigrejados tem incomodado, e muito, as “autoridades(??) eclesiásticas”; pois que, esta postura em não ir a igreja instituição tira o crédito exacerbado que alguns incautos fazem do local com placa de “igreja” ou “casa de oração”, e indo além, colocam a confiança em homens, religiosos.

A leitura de Lucas 22 mostra a mentira e falsidade das “autoridades(??) eclesiásticas”, do tal pastor-chefe, oficial com autoridade hierárquica, por que, em Cristo somos todos iguais, somos um:
“ E Ele lhes disse: Os reis dos gentios dominam sobre eles, e os que têm autoridade sobre eles são chamados benfeitores.
Mas não sereis vós assim; antes o maior entre vós seja como o menor; e quem governa como quem serve.
Pois qual é maior: quem está a mesa, ou quem serve? Porventura não é quem está a mesa? Eu, porém, entre vós sou como aquele que serve. ”
Assim, estas (pseudo)autoridades estão assistindo (irados) o êxodo dos crentes que saem em crescimento geométrico da igreja instituição fundadas por homens e buscam a Deus em seus próprios lares em comunhão com outros irmãos, conforme nos ensina a sã doutrina...

Não deixamos (como muitos querem insinuar de forma difamatória) a Igreja de Cristo, por que reunidos em comunhão somos a Igreja!

Efésios 2 categoricamente diz que a Igreja são pessoas, e não lugares com nome de “igreja”.

O importante, como nos testifica e agracia as Sagradas Escrituras, é a busca de mais entendimento, e este não se recebe de homens religiosos [pastores, bispos, apóstolos(??), padres], o entendimento é somente através da unção do Espírito Santo:
“ E a unção que vós recebestes dEle, fica em vós, e não tendes necessidade de que alguém vos ensine; mas, como a Sua unção vos ensina todas as coisas, e é verdadeira, e não é mentira, como ela vos ensinou, assim nEle permanecereis. ” [1João 2]

Há homens valorosos diante de Deus em nosso tempo presente??

Sim, sem dúvida há inúmeros pastores (no sentido ao rigor da Palavra como um dom ministerial, contexto de Efésios 4), obreiros que se apresentam a Deus aprovados, que não tem de que se envergonhar, que manejam bem a Palavra da verdade, apascentam o rebanho de Deus, tem cuidado dele, não por força, mas voluntariamente; não por torpe ganância, mas sempre de ânimo pronto; não tendo domínio sobre a herança de Deus, mas servindo de exemplo ao rebanho.


Por Cristo. Em Cristo. Para Cristo. Nos interesses da Igreja que Cristo edificou.
http://jesusmaioramor.blogspot.com.br/

A igreja brasileira está em uma crise ideológica.



O idealizador do movimento “Evangelho Puro e Simples”, pastor Paulo Siqueira, participou do Fórum Nacional de Música Gospel, realizado no Salão Internacional Gospel e explicou o motivo da sua iniciativa de protestos em grandes eventos, como a Marcha para Jesus e o Congresso de Louvor Diante do Trono.

Em uma entrevista ao The Christian Post, Siqueira afirmou que o início da crise contra a qual ele protesta se deu no caso Estevam e Sonia Hernandes, que tentaram entrar nos Estados Unidos com dinheiro não declarado escondido em uma Bíblia: “Não é assim, a igreja não pode ficar passiva diante um ato desses. Devemos levar ao debate, isto não é o evangelho”.

Siqueira lamenta a passividade da igreja no caso, pois segundo ele, “em vez de refletir, ao contrário, a igreja não se importou. A igreja brasileira está em uma crise ideológica”.

Para o pastor, a volta ao “evangelho puro e simples” é algo que deve ser visto como uma releitura da abordagem que as igrejas evangélicas fazem. “Voltar ao que Jesus pregou. A igreja deve responder pela sua responsabilidade social, e às responsabilidades no mundo”, e emenda dizendo que a igreja se tornou empresa: “Hoje temos cursos de administração eclesiástica, porque a igreja tem que ser administrada, mas lamentavelmente, administrada como um negócio”.

O pastor Paulo Siqueira entende que o crescimento econômico do país, aliado ao crescimento numérico da população evangélica fez com que lideranças saíssem da realidade: “A prova disso é que muitos evangélicos que jamais estariam no mercado secular de música, hoje estão neste mercado secular de forma totalmente natural. O que seria tratado como absurdo por muitos músicos antigamente, hoje é tratado de uma forma totalmente natural”, frisa.

Um dos slogans usado por ele, “o $how tem que parar”, se justifica pois os artistas e pastores banalizaram a celebração: “É preciso diferenciar a música que adora a Deus e a música que vende no mercado. A igreja deve ser respeitada. No momento do culto, nós nos achegamos a Deus”.

Confira abaixo a íntegra do discurso de Paulo Siqueira durante o Fórum Nacional de Música Gospel, em que ele fala sobre a música gospel, a bancada evangélica e o que ele entende em relação à essência do cristianismo:

A IGREJA BRASILEIRA PRECISA RECUPERAR SUA IDENTIDADE


Boa noite a todos, tenho a partir de agora poucos minutos para disperta-los para uma grande preocupação: a renovação da igreja desafiada constantemente pela modernidade.

A igreja não é um fim em si mesma. Ela está a serviço do reino de Deus, da evangelização, do anuncio da Boa-nova de Jesus Cristo. Isto quer dizer que uma autêntica revisão da missão da igreja remete sempre a Jesus. Em épocas de crise, é ainda mais necessária a referencia continua a Jesus Cristo. Seguir fielmente o caminho percorrido por ele é indispensável para que a igreja possa superar, evangelicamente, os graves impasses com que hoje se defronta.

Pontos de Crise

1) – Sabemos que uma das graves deficiências é precisamente a precária apresentação de Jesus
Cristo e da boa-nova por Ele anunciado e vivida. Por isso mesmo, o povo evangélico vem sofrendo uma “fome crônica” do Evangelho. A rica religiosidade de nossa gente não é suficiente para matar a fome, nem saciar a sede da palavra viva de Deus.

Mal alimentado com o leite ralo, de uma evangelização frequentemente superficial e fragmentada o povo encontra-se sub nutrido, também em relação ao alimento da palavra de Deus. As pregações são apresentadas com uma orientação cristológica inadequada. Apresenta-se um Cristo distante, perdido num emaranhado de palavras e de idéias incompreensíveis, trata-se de uma apresentação incapaz de “tocar” o coração das pessoas e incapaz de provocar uma verdadeira conversão pessoal e comunitária. Pois o Cristo apresentado é primeiramente religioso, desvinculado da vivencia cotidiana, da história do povo.

“ Com isto temos uma igreja perdida em sua identidade”.

Muitos estão a perguntar o que é a igreja?

Esta é a questão não resolvida para o protestantismo, desde os dias da reforma.
Para muitos a igreja é :
- casa de oração;
- casa de entretenimento;
- clube social;
- partido politico;

E hoje para muitos, um pouco de tudo isto, pois a igreja se tornou uma casa de show.

Por conta da perda da identidade a igreja se distancia de suas essências e de sua história. Hoje a igreja é gerida por fundamentos muitos mais externos que internos, com isto ela é mais mística, mais magica, que espiritual. Pois se utiliza de artifícios casa vez mais profundos no sentido do entretenimento, pois tudo gira em torno do “show”. Isto é fruto do gospel americano.

Os brasileiros assim como em todo o mundo evangélico foram levados por está “onda”, em meio a está crise de identidade. O gospel americano tem sua história, poucos foram os lideres que foram buscar as bases deste movimento, com isto tudo o que recebemos foi uma avalanche de mudanças que foram desastrosas para nossas bases históricas. Com o movimento gospel nasce formas de cultos que transforma o cenário religioso do pais. A igreja ganhou força na música, e a liturgia se transformou, pois outros elementos foram acrescentados. Nasceu a figura do líder de louvor, dividindo a liderança do culto juntamente com o pastor. Com o tempo o pastor passou a ser mais um no culto, pois com a explosão gospel a música se tornou o grande foco. A pregação da palavra ficou em segundo plano. Com o gospel surge o segundo ponto de crise: o pastor profissional.

2) – A igreja como sujeito da história não quis ficar para traz na modernidade. Com o avanço do

gospel, elementos de religiosidade se tornam produtos, a música, o fiel, o culto, o sagrado, todos são elementos a serem explorados, pois o gospel dá a igreja elementos para concorrer ao mercado religioso. O gospel transforma a igreja em mercado, e um mercado muito lucrativo, e pouco explorado. Com este mercado a vista nasce a figura do “pastor profissional”, ou seja o homem de Deus capacitado para orientar e administrar este mercado.

O que muitos não esperavam que com este mercado a igreja sofreria grandes transformações. Pois com isto nasce a igreja como entretenimento, com uma roupagem nova, “mais moderna”. O gospel trouxe a linguagem comercial para a igreja, e com isso a igreja além de ser uma fonte de entretenimento também se tornou comercial; Os fieis agora são clientes a serem conquistados, a serem alcançados pois cada cliente novo é sinônimo de crescimento. As igrejas ganharam metas a serem atingidas, e o que era um sacerdócio agora é um mercado. Com isto nasce a igreja para divertir.

É o evangelho para divertir, é o evangelho da vitória, é o evangelho do milagre, da benção. Todo o discurso vem de encontro ao “cliente”. Tudo é produzido para o lazer e nada melhor do que a música para este lazer ficar completo.

Com isto a igreja evolui fora do religioso, temos o nascimento de um dos pontos mais sérios dentro da crise de identidade do cristianismo brasileiro. Com tantas transformações nasce a secularização, pois o secularismo ensina a igreja que não há limites para se atingir seus alvos.

Temos assim uma igreja pragmática, materialista, consumista, e acima de tudo sem definição, sem forças para definir o que é sagrado, o que é profano. O materialismo faz com que a igreja perca seu referencial humano. Pois o humano é uma pedra para quem quer avançar no contexto da competição, pois o mercado é desumano.

O amor ao próximo retorna ao mero discurso. O sagrado só tem significância na mediação do espetáculo religioso.

O duo consumo-entretenimento, é o aspecto conformado da cultura do mercado. A igreja agora é casa de “espetáculo”, é preciso consumir, mais também ser feliz, ser vitorioso, e com isto vem a busca desenfreada pelo material. E isto é conquistado com desafios materiais, ou seja quando mais você der, mais Deus vai te retribuir. Igreja, culto, música, pastores, bíblias são hoje fontes de mercado, e todo contexto transformou cada elemento do culto em um produto de consumo, neste imenso fest-food da fé, a barganha é a moeda de troca para aqueles que querem ser felizes com Jesus.

Nasce o culto aos números, a aparência, aos elementos materiais. Pois um povo vencedor com Jesus, tem dinheiro, se veste bem, tem bons carros, mora em um bom imóvel, se fica doente Jesus cura, pois tudo é vitória em Cristo, desde que você esteja sempre com algo as mãos para “barganhar” com Deus.

Com isto os números são importantes, pois o povo, os ouvintes são consumidores do mercado gospel. Sem perceber a perda de identidade, os pastores profissionais transformaram suas igrejas em uma “franquia” do céu.

O cristianismo verdadeiro, essencial, com sua história, ficam no passado. Agora temos uma nova igreja. A igreja mercantilista contemporânea. Com o avanço do gospel, também temos o avanço da teologia da prosperidade, que se tornou o discurso do mercado gospel.
Nasce assim a igreja movida pelos teles pastores, e seus produtos para a felicidade, são livros, cds, óleo, e até homens e mulheres a sem conquistados como produtos para uma verdadeira felicidade.

Na teologia da prosperidade tudo é rápido, pois quem “paga”, não pode esperar. Sem perceber tudo se tornou líquido, nada pede aprofundamento, tudo tem que ter emoção e lagrimas, porem nada precisa ser fundamentado na palavra de Deus.

Temos o louvorsão, em forma de shows gospel, as grande cruzadas, onde o espetáculo é o grande foco, pois para alimentar tudo isto é preciso de mídia e acima de tudo muito dinheiro. No gospel o grande patrocinador é a teologia da prosperidade, pois num mercado onde fieis são consumidores, o dinheiro é o grande veiculo da benção. Neste processo o dinheiro se torna personagem principal em toda mídia quando a noticia é o mundo gospel e seus lideres.
A igreja “moderna” sucumbiu diante das tentações do mundo. O que Cristo recusou e rebateu com a palavra em sua tentação no deserto, hoje muitos lideres e seus ministérios aceitam e praticam o cristianismo do espetáculo.

O cristianismo onde Cristo é a marca registrada, é o produto a ser explorado.
O cristianismo onde a pessoa de Cristo nada tem haver com o ser humano. O grande interesse é mercadológico, e diversos produtos ganham suas versões cristológica, é agua, é refrigerante, perfume, roupas, salames, queijo etc.

A igreja se insere no gospel, sem perceber que o mercantilismo leva a igreja para um grande laço, pois dentro deste mercado o importante é o lucro, e lucro desenfreado e desumano, pois transforma o ser humano em um produto a ser explorado.

3) – Porque o $how tem que parar ?
Porque no show não há compromisso, tudo é líquido, não há fundamentação. A igreja não quer perder, quer estar em competição com o mundo. Muitos são os lideres que se perderam nesta ganancia desenfreada no mercado gospel.

“Que relação tem um pastor que coleciona cavalos de raça, e a bíblia?”

O mercado é desumano, porque sua essência esta na competição, não há espaço, para misericórdia, amor, pontos centrais da cultura cristã.
A igreja de Cristo se fundamenta na humanidade, pois o próprio Cristo se fez ser humano e habitou no meio de nós.

“Cristianismo e luxo são palavras antônimas”.

A igreja precisa responder ao sofrimento do mundo, mais com armas espirituais, a igreja deve ser voz profética em meio ao caos humano. A igreja tem a mensagem de esperança, para isto seus lideres precisam ser conhecidos pela sua simplicidade, pelo seu carisma, pelo seu conhecimento, por seus atos de fé e solidariedade em prol dos pobres e os que sofrem.
Onde o pecado abunda a graça de Deus transforma, está é a mensagem do evangelho.
A igreja tem que assumir sua responsabilidade social, precisamos ser reconhecidos por uma fé cidadã, a igreja precisa ser reconhecida por sua luta em prol da verdade, da justiça e da paz. Não podemos ser reconhecidos simplesmente por ser uma grande numero de votos. Temos que ser o povo do amor ao próximo, o povo reconhecido pela honestidade de seus lideres, o povo que veio ao mundo para assim como Cristo cumprir a missão de Deus.
Somos o povo que vai morar no céu mais a porta é Jesus Cristo, mais não vamos para lá mediante pagamento humano, pois o grande preço já foi pago.
Pois coube a Deus dar seu único filho em amor e remissão dos nossos pecados.
Não há salvação sem remissão de pecados, e isto dinheiro nenhum no mundo compra. Não milagre maior do que um ser humano reconhecer o senhorio de Cristo em sua vida.
Muitos lideres não se apercebem que sua teologia materialista influencia ao mundo, é só avaliarmos a corrupção, a violência, o famoso geitinho brasileiro que todo o mundo conhece. Precisamos ser o povo reconhecido no mundo por nossa fé, por nossa honestidade.

“Lamentável saber que muitos lideres evangélicos brasileiros são conhecidos no mundo afora por sua desonestidade, por suas mentiras, por suas heresias pregadas em contra-ponto ao evangelho de Cristo”.

Este é o grande desafio do Movimento pela Ética Evangélica Brasileira, trazer o debate, trazer a luz o verdadeiro evangelho de Cristo. Dizer a todos que a igreja de Cristo é para um mundo que sofre. Denunciar o falso evangelho dos pregadores da teologia da prosperidade, que transforma o ser humano em objeto a ser explorado, para saciar a sede e ganancia de lideres, em sua desenfreada vaidade de consumir e viver os valores deste mundo. No evangelho de Cristo o maior é aquele que perde, é aquele que serve ao próximo mesmo que para isto perca sua vida. No evangelho de Cristo somos chamados a viver longe das tentações do mundo material, do mundo mágico, místico, somos chamados a viver na verdade, longe da mentira das armações e falcatruas do mundo.
Porque a igreja não pode lutar pelos que sofrem? Porque se aliou ao mundo, aos corruptos aos que produzem o sofrimento dos pobres. Hoje temos milhões de pessoas sofrendo e esmagadas pela corrupção enquanto homens e mulheres que juraram lutar pelos que sofrem se aliam a maldade deste mundo. É preciso acrescentar ao vocabulário evangélico brasileiro palavras como amor ao próximo, caridade, solidariedade, compaixão, misericórdia, eucaristia, simplicidade. Palavras que venham substituir os chavões da teologia da prosperidade, para que muitos venham ter seus olhos abertos para as verdades da vida.
Pois a palavra “conhecereis a verdade e a verdade vós libertara…” (Jo 8:32), Jesus disse aos fariseus, que acreditavam ser os donos da verdade, porem foram advertidos por Jesus, para que abrissem seus olhos para a verdade, e não seguissem cegos em sua religiosidade e em sua união de mentiras com o mundo.
Que não sejamos lembrados pela mídia por divisões, escanda-los, vergonha diversas, mas que sejamos lembrados por nossa sinceridade, por nossa luta pela justiça em prol dos pobres e pequeninos na fé. Que sejamos lembrados pela luta da paz, pela união dos povos, pelo dialogo com os diferentes da fé.
Que sejamos lembrados pela busca continua de uma espiritualidade inspirada pela revelação da palavra de Deus, que sejamos lembrados por nossa busca continua do entendimento. Que sejamos proclamadores da liberdade, pela fé.
Que sejamos o povo da bíblia, que vive e faz a vontade de Deus, para sua Gloria.

“O que dizer dos políticos da chamada bancada evangélica”

Temos a missão de ser sal e luz para o mundo mais seduzidos pelas tentações, deixamos de lado os valores cristãos para saciarmos nossas vaidades. O desejo material tem cegado a muitos lideres, que mesmo em meio a vergonha de muitos escanda-los não se arrependem de seus atos. Não vamos nos calar, mesmo que isto custe nossas vidas, não adianta ameaças, não adianta violência, não vamos parar. Vamos prosseguir.

Para isto vamos emprenhar nosso slogan em todo canto deste pais:
“VOLTEMOS AO EVANGELHO PURO E SIMPLES, O $HOW TEM QUE PARAR”.

Hoje já somos vários grupos em varias cidades do Brasil, nosso movimento cresce por força do Espírito Santo, pois é inexplicável o empenho de muitos que estão tendo seus olhos abertos para perceberem o falso evangelho que está sendo pregado.
Vamos continuar nosso trabalho que é árduo, solitário, porem vamos ser a voz profética de nossos dias, pois Cristo vive, e veio salvar e libertar todos que estavam perdidos.
Está é a boa nova a ser anunciado em todo mundo.

Fiquem na paz.

Deus abençoe,

Paulo Siqueira

SBB lança versões da Bíblia para os povos indígenas Fonte




Dia 19 de abril é comemorado o Dia no Índio, pensando nessa data a SBB (Sociedade Bíblica do Brasil) divulgou que o programa A Bíblia para os Povos Indígenas já fez diversas traduções para comunidades indígenas que não falam o português em seu dia a dia.

Até o momento o Livro Sagrado e algumas porções bíblicas foram traduzidas para as línguas kaiwá, kaingang, guarani-mbyá, tukano, xavante, kaxinawá, guajajara, xerente, tembé e nadëb.

Mas o projeto não para por ai, a SBB está preparando a edição dos livros de Gênesis, Mateus, Marcos, Lucas, João, Atos, Tito, Hebreus, 1 e 2 Timóteo, 1e 2 Pedro, 1, 2 e 3 João, os dez
mandamentos e Salmos, na língua kulina e a Bíblia completa no idioma iny-karajá.

Para que esse projeto siga em frente a SBB conta com o trabalho de tradutores que enfrentam diversos desafios para poder transcrever a Bíblia, pois algumas dessas línguas indígenas não possuem registro gráfico. Por exemplo, os índios que habitam a região de São Félix do Araguaia (MT) falam o karajás, uma língua ágrafa, mas com o trabalho iniciado por David Lee Fortune, missionário e linguista que traduziu e publicou o Novo Testamento em karajá, o idioma está preservado.

A SBB aproveitou a data comemorativa para garantir seu compromisso em levar a palavra de Deus para todos os cantos do Brasil, para quem não sabe em nosso país há cerca de 370 mil pessoas que falam mais de 180 idiomas nativos. Por essa razão, a SBB vem apoiando cada vez mais o trabalho de tradução para línguas minoritárias.


Fonte: http://noticias.gospelprime.com.br/sbb-lanca-versoes-da-biblia-para-os-povos-indigenas/#ixzz1srDiGdOr

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails