"Interrogado pelos fariseus sobre quando viria o reino de Deus, Jesus lhes respondeu: Não vem o reino de Deus com visível aparência. Nem dirão: Ei-lo aqui! Ou: Lá está! porque o reino de Deus está dentro em vós." (Lucas 17: 20-21).

sábado, 1 de maio de 2010

REFLEXÃO DE SABADO


"Ele, Jesus, nos dias da sua carne, tendo oferecido, com forte clamor e lágrimas, orações e súplicas a quem o podia livrar da morte e tendo sido ouvido por causa da sua piedade, embora sendo Filho, aprendeu a obediência pelas coisas que sofreu e, tendo sido aperfeiçoado, tornou-se o Autor da salvação eterna para todos os que lhe obedecem" Hebreus 5:7-9

Vemos que Jesus clamou, chorou, orou e suplicou, era piedoso, e mesmo Deus ouvindo Seu Filho, não o livrou da cruz. Dá pra imaginar o sofrimento de Deus, sabendo que bastava uma palavra Sua para livrar Jesus da cruz, e por amor de mim, de você, e de toda humanidade, Jesus foi condenado sem pecado e morreu em nosso lugar para dar salvação eterna para todos aqueles que crêem e obedecem.

devocional.com

Trabalhadores na Biblia


Jesus disse: “Meu Pai trabalha até agora, e eu também” Mateus 5:17.

Deus é o criador do trabalho. Na criação Ele trabalhou para criar tudo. Quando fez o
ser humano, Ele trabalhou delicadamente com o barro até formar o homem e soprar nas
suas narinas (Gen. 2.7) para dar-lhe a vida. O Senhor ordenou que Adão trabalhasse
cuidando do jardim e dos animais que Ele havia criado (Gen 1.28-30). Deus se comparou
com um oleiro para mostrar ao seu povo como poderia transformá-los para salva-los (Jer.
18).

Afirma, ainda, que doce é o sono do trabalhador (Ecles. 5:12). No novo Céu e na nova
Terra os salvos serão que trabalhar plantando, construindo suas casas (Isaías 65:21).
Enfim, o trabalho é algo abençoado por Deus, é plano do Senhor que nos alegremos em
trabalhar e que saibamos que o trabalho estará também na vida eterna. Então, cada
pessoa deve procurar fazer hoje, com alegria, o trabalho que tem sido colocado sobre
si, pois, afinal, em Mateus 5:17 Jesus disse: “Meu Pai trabalha até agora, e eu também”.

Alguns personagens da Bíblia e suas profissões

José Esposo de Maria – Carpinteiro
Noé – Lavrador
José filho de Jacó – Governador
Naamã - Comandante do Exército
Otniel – Juiz
Pedro – Pescador
Asafe – Musico
Neemias – Copeiro
Sifrá – Parteira
Dorcas – Costureira
Bezalel – Artesão

Amós – Boiadeiro
Lídia – Vendedora
Neemias – Copeiro
Áquila – Fabricante de tendas
Mateus – Coletor de impostos
Lucas – Médico
André – Pescador
Zaqueu – Coletor de impostos
Obede-Edom - Porteiro
Paulo - Fabricante de tendas
Cornelio - Centurião da Corte

Profissões de Jesus

A – Advogado dos advogados. Nunca perde uma causa;
B – Bombeiro dos bombeiros. Apaga o fogo do pecado;
C – Construtor dos construtores. Construiu os céus e a terra;
D – Detetive dos detetives. Desvenda todos os mistérios;
E – Eletricista dos eletricistas. Toda força está em suas mãos;
F – Farmacêutico dos farmacêuticos. Tem a receita certa;
G – General dos generais. Nunca perdeu uma batalha;
H – Hoteleiro dos hoteleiros; Construiu um hotel na Nova Jerusalém para hospedar todos
os seus filhos;
I – Instrumentista dos instrumentistas. Toca todos os instrumentos;
J – Juiz dos juizes. Julga com eqüidade;
L – Locutor dos locutores. Fala direto com os corações.
M – Médico dos médicos. Cura todas as enfermidades;
N – Nutricionista dos nutricionistas. Nutri nossa vida espiritual;
O – Oftalmologista dos oftalmologistas – Nos faz ver melhor os nossos pecados
P – Poeta dos poetas. Criou a beleza da vida;
Q – Químicos dos químicos. Sua fórmula é perfeita;
R – Rei dos Reis. O maior dos reis.
S – Servente dos serventes. Ninguém serviu melhor que Ele;
T – Tecelão dos tecelões. Suas vestes foram disputadas entre os soldados;
U – Urbaniza dor dos urbanizadores. Embeleza a nossa vida;
V – Vigia dos vigias. Aquele que sempre nos guarda (O grande Atalaia);
X – Xeque dos xeques. Governa com soberania;
Z – Zelador dos zeladores. Limpa o homem de todo pecado

Entrevista Pr. Idenizio


Em 1922, durante um culto na cidade de Oakland, Aimee Semple McPherson. Recebe a visão do evangelho quadrangular, termo que daria nome à igreja por ela fundada em janeiro de 1923, com a inauguração do Ângelus Temple, em Los Angeles, Califórnia.
A Igreja do Evangelho Quadrangular se encontra hoje em 107 países ao redor do mundo. Sua sede mundial é localizada em Los Angeles, Califórnia (EUA), mas ela funciona de forma autônoma em cada país.

No Brasil foi fundada em São João da Boa Vista - SP, a 15 de novembro de 1951, pelo missionário da Foursquare Church Gospel, Pastor Harold Edwin Williams, auxiliado pelo Pastor Jesus Hermirio Vasquez Ramos. O primeiro natural de Los Angeles e o segundo natural do Peru.

Mantendo firme sua dedicação pela evangelização do mundo, nasceu da vontade do Espírito Santo e não de uma divisão ou cisma de igrejas Concebido no coração do Pai, o evangelho quadrangular é uma mensagem gloriosa, sólida como a rocha, o mesmo Jesus Cristo sobre o qual está fundamentado. Seus Quatros temas predominantes se estabelecem na mesma bíblia Jesus Salva, Batiza, Cura e Voltará.
Essa semana nosso entrevistado é o Pastor Idenizio da 1ª Igreja do Evangelho Quadrangular de Pimenta Bueno em Rondônia.

Folha – Conte um pouco de sua família.

Pr.Idenizio: Sou filho de Antonio Geraldo da Cruz e Luzia Santos da Cruz. Tenho 3 irmãos um já falecido e 2 irmãs. Nasci na Cidade de Boca do Acre – AM no ano de 1978, portanto tenho 31 anos, sou muito bem casado há 5 anos, a minha Perola Negra é um presente de Deus na minha vida e ministério, ainda não tenho filhos, mas gostaria muito de ter, mas Deus não nos deu esse presente ainda estou esperando nele, já fizemos exames não constou nada nem em mim nem na minha esposa e agora é só esperar no senhor.


Folha – Como foi sua conversão?

Pr.Idenizio: a minha conversão foi em uma cruzada evangelística na cidade de Rolim de Moura pelos missionários Levi Silva e Mario Luiz no ano de 1987, estes também passaram por aqui em Pimenta Bueno neste mesmo ano, quem já morava aqui nesta época talvez tenha conhecido o trabalho deles! O trabalho era em um espaço que ficava entre a prefeitura e a praça de Rolim. E no 1º dia em que os mesmo começaram o trabalho o meu pai trabalhava próximo dali não deu a mínima atenção, mas quando foi no 2º dia meu pai continuou trabalhando até mais tarde novamente e ouviu o trabalho de novo e neste dia o missionário abriu oportunidades para que as pessoas testemunhassem de milagres recebidos no dia anterior e muitas pessoas testemunharam de curas instantâneas. Em casa quase toda a família era doente inclusive eu naquela semana tinha sido desenganado pelos médicos, tinha feito muitos exames e nos mesmo disse o médico que não acusou nada, portanto eu não tinha nada disse o medico; só que eu não conseguia se alimentar e nem andar mais de tantas dores, no 3º dia meu pai chegou mais cedo do trabalho, perguntou à minha mãe como eu estava e ela respondeu está à mesma coisa a única coisa que fez hoje foi levantar da cama e deitar no chão e esta ali até agora. Meu pai veio me pegou levou ao banheiro tomamos banho se arrumamos e me levou até ao local do trabalho destes missionários, onde eu mal escureceu e o espaço ficou lotado de pessoas, naquele dia tinha mais de 5.000 (cinco mil) pessoas no local, e assim que ele começou o trabalho pessoas ficaram possessas por espíritos malignos, e eu comecei a sentir uma forte dor em meu estomago chorando clamava ao meu pai que estava doendo muito e pressionado pela minha mão e uma vizinha meu pai decidiu me leva até ao palanque onde eles estavam (todas as pessoas ficavam de pé assistindo o trabalho), quando meu pai pisou no primeiro degrau do palanque ele já veio a encontro perguntando o que estava acontecendo comigo, meu pai disse que os médicos tinha me desenganado, ele respondeu: mas não pelo médico dos médicos! Colocando a mão na minha cabeça orou ao senhor e aquela forte dor foi desaparecendo, quando ele disse amem não sentia mais nada. Naquele dia eu disse: eu quero esse Jesus pra mim também! Esse testemunho foi resumido, pra não tomar muito espaço. Tem muito mais bênçãos!


Folha - Folha - Quando o senhor sentiu o chamado para o ministério pastoral, e como foi essa experiência?

Pr. Idenizio: no dia em que recebi a cura senti o senhor me chamando, falando assim comigo: Hoje você foi ajudado por este missionário, mas em breve você estará ajudando outras pessoas!


Folha - Em toda a sua trajetória de vida, qual foi o seu momento mais importante na igreja?

Pr. Idenizio: foram três o 1º quando separado para obreiro na convenção estadual de 1999, a 2º quando me casei em dezembro de 2004 e a 3º quando fui ungido ministro do evangelho na convenção estadual de 2009.


Folha – Qual o endereço de sua igreja e hoje conta com quantos membros?

Pr. Idenizio: fica na Avenida Recife N.º1215, Bairro Nova Pimenta, Pimenta Bueno – RO hoje contamos com 85 membros oficializados.


Folha – Quem Foi Aimeé Semple McPherson?

Pr. Idenizio: a fundadora da Igreja do Evangelho Quadrangular, em janeiro de 1923 em Losangeles - EUA


Folha – Hoje o Ministério Quadrangular conta com um instituto teológico que é o ITQ, fale um pouco desse curso. Ele é reconhecido pelo MEC? Pimenta Bueno tem uma extensão?

Pr. Idenizio: bom, ITQ é um curso livre de teologia, que pode ser feito por membro de qualquer ministério. São três etapas que denominamos 3 anos 1 anos é o básico que dá o direito da pessoa ingressar no mistério e o segundo ano e o terceiro já é um curso avançado, sendo que concluído os três anos o aluno poderá usar ele para ser um bacharel em teologia com um ano em uma faculdade de teologia. Não é uma extensão é uma sede no estado só tem 2 um em Porto Velho que 001/RO e em Pimenta que è o 002/RO.


Folha – Como o Pastor vê a música evangélica hoje?

Pr. Idenizio: a musica foi criada tão somente para adorar e exaltar ao Senhor Deus, mas por causa do pecado o diabo conseguiu fazer com que o homem passasse a adorar a si mesmo, o dinheiro e ao diabo através da musica. Não importa o ritmo se é verdadeiramente para Deus ele recebe só que muitas pessoas estão usando a musica gospel para ficar rico e não para adorar a Deus. Só que eu e nem ninguém tem o direito de acusá-los, seja pelo ritmo ou estilo; se fazem para Deus ou não, vão prestar contas é com Ele. Hebreus 04: 13.


Folha – Há uma relação boa hoje entre as igrejas evangélicas em Pimenta Bueno? Ou está faltando alguma coisa?

Pr. Idenizio: infelizmente não! Algumas ficam brigando por costumes ou jeitos das outras, que só a deles é que estão certas. Só que enquanto estes discutem usos e costumes que é ou não é se parassem de criticar umas as outras, tenho certeza que teriam menos almas indo pro inferno. Enquanto discutem as almas estão se perdendo, nas drogas, idolatria, prostituição e etc. se unissem de verdade a história do mundo seria outra.


Folha - A juventude de hoje tem se mostrado muito atuante na igreja, ouve algum crescimento desde a sua época ou esta do mesmo jeito?

Pr. Idenizio: é muito relativo, depende muito dos lideres onde estes jovens congregam. É muito difícil para o jovem viver uma vida de santidade, eu passei a minha juventude na igreja e sei o que eu passei para ser o que sou estar onde estou, foi só mesmo pela graça de Deus! Por isso admiro os jovens que são fiéis na igreja. Como disse Salomão: vaidade, vaidade tudo é vaidade.


Folha – Jesus revogou a lei do Antigo Testamento? Ou Deus quer que as pessoas, hoje em dia, obedeçam a todos os mandamentos que ele já deu?

Pr. Idenizio: Ele Não revogou, Ele cumpriu a lei, e fez uma nova aliança através de seu sangue, conforme Deus prometeu que faria uma nova aliança, (Jer. 31: 31) cumprida em I Cor. 11: 25. Temos uma nova aliança no sangue de Jesus e devemos seguir o seu exemplo, porque ele venceu. Nós também podemos vencer. (João 16:33)


Folha – Moisés viu a face de DEUS?

Pr. Idenizio: Não! Moisés Conversou com Deus face a face, mas não pode ver a face de Deus conforme está registrado na bíblia em Êxodo 33: 20; ninguém pode ver a face de Deus e sobreviver. Moises conversava com Deus, mas sempre prostrado.


Folha – Qual é a verdadeira igreja de Cristo, ou melhor, a igreja do Senhor, tem nome?

Pr. Idenizio; a verdadeira igreja de cristo somos nós, ou seja, todos aqueles que o receberam como salvador de suas vidas. João: 01: 11 e 12. Fazemos parte de um corpo e cada parte tem a sua função, e maneiras diferentes de agir. 1 Coríntios 12:12 ao 27 nos fala da importância de cada parte do corpo, pois o corpo tem muitas partes, e essas partes somos nós as igrejas de Cristo, existem muitas placas e denominações cada uma com ações, costumes, pensamentos, e até nomes diferentes, pois os membros do corpo cada um tem o seu nome; (Ex. mão, pé olho, ouvido, coração, fígado) todos os nomes diferentes e cada um têm a sua função, mas todos fazem parte do corpo, algum tem até nomes esquisitos! Más faz parte do corpo e é importante para o corpo. Portanto se recebemos Jesus como salvador pregamos as boas novas do reino de Deus e seguimos os seus mandamentos somos à igreja de Cristo, seja aqui ou em São Paulo, Bahia, Nova York, Canadá, Japão ou até Afeganistão Jesus tem um só corpo e fazemos parte dele.

Folha – O que diz a bíblia sobre o divórcio e o novo casamento?

Pr. Idenizio: é só ler em marcos 10: 02 – 10 que veremos as próprias palavras de Jesus. É por causa da dureza do coração do homem que foi permitido. Más o que é o casamento? Muitos acham que casamento é ir ao cartório ou igreja fazer uma cerimônia que casou! Cartório e igreja só oficializam perante lei humana, Mas o verdadeiro casamento é o ato sexual onde os dois torna-se uma só carne! E nesse ponto quantos casamentos surgem antes de oficializar? Se você teve uma relação sexual com uma mulher, homem ou até um animal você tornou-se uma só carne com ele (a). É só Deus para te desligar desses casamentos! Ele é fiel e Justo pra nos perdoar. Aquele que confessa e deixa alcança misericórdia.


Folha – Deus pode usar pessoas com falhas para cumprir seus planos?

Pr. Idenizio: Quem é que não tem falhas? Não somos perfeitos! Provérbios 28:13 O que encobre as suas transgressões jamais prosperarão; mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia. 1 João 1:9 Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça. Por mais pecador que seja se não tiver uma outra pessoa menos pecadoras ali o momento para ser usado por Ele. Ele usa ate mesmo um bêbado, um drogado e até um incrédulo pra cumprir seus planos, pois se Ele usou uma jumenta para falar com Balaão, Números 22:28. Deus usou a jumenta porque não tinha nenhuma pessoa ali para ser usado.


Folha - Algumas igrejas são condenadas por praticar a “teologia” da prosperidade. Qual a sua analise sobre esse ponto?

Pr. Idenizio: Jesus disse em Lucas 11: 23 Quem não é a meu favor é contra mim; e quem não me ajuda a ajuntar está espalhando. Portanto, cada um vai prestar conta com Deus de tudo o que faz, e é Ele que vai Julgar.


Folha - Obrigado Pastor idenizio, por essa excelência de entrevista, o senhor pode deixar uma mensagem ou um versículo para os leitores da Folha Pimentense?

Pr. Idenizio: Ao Vencedor
Apocalipse: 2.7- Ao que vencer, dar-lhe-ei a comer da árvore da vida, que está no meio do Paraíso de Deus.
Apocalipse: 2.11- O que vencer não receberá o dano da segunda morte.
AP 2:17- Ao que vencer darei a comer do maná escondido, e dar-lhe-ei uma pedra branca, e na pedra um novo nome escrito, o qual ninguém conhece senão aquele que o recebe.
Apocalipse: 2.26- E ao que vencer, e guardar até ao fim as minhas obras, eu lhe darei poder sobre as nações.
Apocalipse: 3.5-O que vencer será vestido de vestes brancas, e de maneira nenhuma riscarei o seu nome do livro da vida; e confessarei o seu nome diante de meu Pai e diante dos seus anjos.
Apocalipse: 3.12- A quem vencer, eu o farei coluna no templo do meu Deus, e dele nunca sairá; e escreverei sobre ele o nome do meu Deus, e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce do céu, do meu Deus, e também o meu novo nome.
Quer vencer os desafios?- confie em DEUS!
Quer ser bom no que faz?- Pratique!
Quer alcançar o objetivo?- Jamais desista!
Quer crescer?- tenha raízes.
Quer ver resultados? Persevere.
Quer ser feliz?- esqueça o passado
Quer falar bem?- Escute melhor.
Quer aprender?-Persista em ler.
Quer realização pessoal?- Sirva!
Quer fazer diferença?-Pague o preço.
Aqueles que nada fazem e esperam algum tipo de vitória estão enganados.
A vitória é dos que lutam, dos que agem, dos que "saem do porto".
A vitória é dos que se arriscam para alcançar o alto da montanha.


Respostas Rapidinhas:

Família: instituição divina
Livro predileto: Caçadores de Deus
Uma cor: Púrpura (roxo)
Igreja: todo aquele que tem Jesus
Ministério: dádiva de Deus
Dinheiro: Raiz de todos os males. Mas necessário!
Um lugar: cidade Quadrangular. Apoc. 21:16
Um Pastor: Aimeé Semple Mcpherson
Um nome: Jesus! Nome sobre todo nome
Deus: Ser Supremo

Deus Abençoe a todos!!!

sexta-feira, 30 de abril de 2010

REFLEXÃO DE SEXTA-FEIRA


Quando Jesus ouviu que João tinha sido preso, voltou para a
Galiléia. Saindo de Nazaré, foi viver em Cafarnaum, que ficava
junto ao mar, na região de Zebulom e Naftali, para cumprir o que
fora dito pelo profeta Isaías: “Terra de Zebulom e terra de
Naftali, caminho do mar, além do Jordão, Galiléia dos gentios; o
povo que vivia nas trevas viu uma grande luz; sobre os que viviam
na terra da sombra da morte raiou uma luz”. Daí em diante Jesus
começou a pregar: “Arrependam-se…” Mateus 4:12-17a


Para Mateus, o cobrador de impostos, Cafarnaum era uma cidade
especial, pois foi lá que Jesus o chamou (Mc 2:1,14). Como será que
Mateus sentiu quando lembrou daqueles dias? Será que para Mateus a
profecia sobre a luz chegando na região das trevas tinha um
significado especial? Você lembra quando a luz da compreensão do
Evangelho raiou no seu coração? Onde você estava? Tem um momento
igualmente marcante esperando na vida de alguém que você conhece.
Jesus quer lhe usar para iluminar a vida dessa pessoa. Pode ser a
pessoa menos provável que você conhece, um cobrador de impostos num
canto esquecido da vida. Quem seria? Jesus vai lhe mostrar se você
pedir. Peça a ele. No resumo da pregação de Jesus, a primeira
palavra fala de mudança - "arrependam-se". Mas, não é só mudança de
deixar de fumar, beber ou mentir. É mudança para começar uma nova
vida andando nos passos de Jesus. O ponto não é regras, leis ou
doutrinas. Há tempo para essas coisas. O importante para começar é
a pessoa. É Jesus. Qualquer um pode seguir os passos de uma pessoa.
Direcione seu “Mateus” para Jesus. E deixe Jesus fazer o resto.

hermeneutica.com

Um Desafio



- Não é engraçado como R$ 10,00 parece tanto quando o
levamos à igreja e tão pouco quando vamos ao shopping?

-Não é engraçado como uma hora é tão longa quando servimos a Deus,
mas tão curta quando assistimos a um jogo de futebol?

-Não é engraçado como não achamos as palavras quando oramos,
Mas elas estão sempre na ponta da língua para conversarmos com um amigo?

-Não é engraçado sentir-mos tanto sono ao ler um capítulo da Bíblia
mas é fácil ler 10 páginas de um jornal,revista romance ?de sucesso?

-Não é engraçado como queremos sempre as cadeiras da frente em festa de casamento ou de aniversario, mas sempre sentamos no fundo da igreja?

-Não é engraçado como precisamos de 2 ou 3 semanas de antecedência para agendar um compromisso na igreja, mas para outros programas estamos sempre disponíveis?

-Não é engraçado como temos dificuldade de aprender a evangelizar e como é fácil aprender e contar a última fofoca?

-Não engraçado como acreditamos nos jornais, mas questionamos a Bíblia ?

-Não é engraçado como todo mundo quer ser salvo desde que não tenha que
acreditar, dizer ou fazer nada ?

NÃO É ENGRAÇADO? Você está pensando?

-Não é engraçado que quando você for falar desse blog e falar que tem lindas mensagens que pode mudar a vida de muitos, você vai excluir um monte de gente que você acha que não acredita em nada?

Não é engraçado? Não, não é engraçado, é triste.

Um Desafio Para Você ! Se você não sentir vergonha de fazê-lo,
passe o endereço desse blog ou qualquer outro que fala do amor de Cristo para frente... mas, somente se você realmente sentir que sim

DECLARAÇÃO:
Sim, eu amo Deus. Ele é a fonte de minha existência, é meu Salvador. Ele me
sustenta a cada dia. Sem Ele eu não sou nada, mas com Ele eu posso todas as
coisas através de Jesus Cristo, que me fortalece. (Filipenses 4:13)

Isto é apenas um simples teste... Se você ama a Deus e não tem vergonha de
todas as coisas maravilhosas que ele tem feito por você, fale de JESUS para várias pessoas (cristãs ou não)! No Amor de Cristo, de um Amigo que Te Ama

Seis dicas para o jovem cristão



Seis dicas para o jovem cristão - Fazendo sempre o que Jesus Cristo faria

1. Jamais despreze a oração diária.E, quando orar, lembre que Deus está presente ali, ouvindo suas orações (Hebreus 11.6).

2. Jamais menospreze a leitura diária das Escrituras. E, quando ler, lembre que Deus está falando a você; portanto, precisa crer e agir de acordo com o que Ele diz. Acredito que toda apostasia começa em se negligenciar estas duas regras (João 5.39).

3. Jamais passe um dia sem fazer algo para Jesus. Todas as noites medite sobre aquilo que Ele fez por você e pergunte a si mesmo: O que estou fazendo por Ele? (Mateus 5.13-16).

4. Se você está em dúvida acerca de algo ser correto ou errado, dirija-se ao seu quarto, dobre seus joelhos e peça a bênção de Deus sobre aquilo (Colossenses 3.17). Se você não puder fazê-lo, aquilo é algo errado (Romanos 16.23).

5. Jamais copie seu cristianismo de outros cristãos ou argumente que tal pessoa faz isto ou aquilo e, por conseguinte, você também pode fazê-lo (2 Coríntios 10.12).Pergunte a si mesmo: Como o Senhor Jesus agiria em meu lugar? E esforce-se para segui-Lo (João 10.27).

6. Jamais creia naquilo que você sente, se contradiz a Palavra de Deus.Pergunte a si mesmo: O que eu sinto é verdadeiro, sendo confirmado pela Palavra de Deus?Se ambos não podem ser verdadeiros, creia em Deus e acredite que seu coração está mentindo (Romanos 3.4; 1 João 5.10-11).

Carta à Igreja de Laodicéia


Do nosso estudo das cartas as sete igreja essa é a ultima carta...

“Ao anjo da igreja em Laodicéia escreve: Isto diz o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus: Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente; oxalá foras frio ou quente! Assim, porque és morno, e não és quente nem frio, vomitar-te-ei da minha boca. Porquanto dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta; e não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu; aconselho-te que de mim compres ouro refinado no fogo, para que te enriqueças; e vestes brancas, para que te vistas, e não seja manifesta a vergonha da tua nudez; e colírio, a fim de ungires os teus olhos, para que vejas. Eu repreendo e castigo a todos quantos amo: sê pois zeloso, e arrepende-te. Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo. Ao que vencer, eu lhe concederei que se assente comigo no meu trono; assim como eu venci e me assentei com meu Pai no seu trono. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas”. (Apocalipse 3.14-22).


Laodicéia era uma cidade rica da Ásia Menor. Localizada junto à principal estrada da província, sua posição era estratégica para o comércio. A igreja local gozava de boa situação financeira, o que acabou se tornando motivo de orgulho e de uma injustificável satisfação, como se a prosperidade material fosse mais importante que a condição espiritual.

Certamente, aquela congregação tinha algum poder econômico, mas era fraca na fé. Quando se estabelecia algum propósito de ordem financeira, havia recurso abundante para sua realização. Apesar de tudo isso, Deus não estava satisfeito com a igreja. Os valores materiais tomaram o lugar dos espirituais.

Quem coloca o dinheiro em primeiro plano, acaba buscando a Deus apenas pelo dinheiro ou tenta fazer negócios com Deus através de dízimos e ofertas. Por outro lado, se o dinheiro é abundante, corre-se o risco de imaginar que ele seja a principal solução para os problemas da vida. Assim, a oração, o jejum e a busca ao Senhor podem acabar em último lugar ou até ficar sem lugar.

É possível que estas questões estejam diretamente ligadas à mornidão daquela igreja. Morno é aquele que está no meio do caminho, indeciso, vacilante, indefinido. É a condição de quem não desiste do evangelho nem está disposto a investir sua vida na causa de Cristo. É o caso daquele que acredita no Espírito Santo, mas não o deixa agir; não abandona Jesus nem se dedica a servi-lo.

Contudo, a igreja estava contente consigo mesma. Aqueles irmãos tinham uma auto-imagem bastante positiva. Diziam: “somos ricos e de nada temos falta” (Ap.3.17). Sua auto-avaliação era fundamentada em conceitos terrenos e mundanos.

Veio, porém, a palavra do Senhor, trazendo o conceito divino sobre a realidade espiritual dos laodicenses. Eles eram espiritualmente miseráveis, pobres e nús, mas não sabiam disso porque estavam cegos. A condição material daquela igreja disfarçava sua lástima espiritual. Da mesma forma, nos nossos dias, muitas pessoas vivem iludidas pelo materialismo e deixam de buscar a realização da alma e do espírito.

Outros, até mesmo convertidos, esperam que o evangelho lhes garanta riqueza neste mundo. Não lhes interessa a volta de Cristo ou o reino celestial.

Precisamos retornar à palavra de Deus, a bíblia, pois só ela pode curar nossa cegueira ou corrigir a visão distorcida que temos sobre nós mesmos. Assim, saberemos o que nos falta: valores espirituais que só podem ser conseguidos do próprio Deus e não por dinheiro.

A teologia de algumas igrejas encontra-se contaminada pelo capitalismo. Arrecadação, lucro, riqueza e luxo têm se tornado objetivos primordiais para muitos cristãos. O normal seria que todo servo do Senhor estivesse em busca de um caráter irrepreensível, formado por virtudes espirituais. Ser rico ou pobre, materialmente, é questão de importância secundária.

“Porque o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, paz e alegria no Espírito Santo” (Rm.14.17). “O fruto do Espírito é amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão e domínio próprio”. (Gálatas 5.22).
Bens materiais são necessários para a vida terrena. Contudo, não podemos colocá-los em primeiro lugar. Nossa relação com Deus não deve ser construída sobre aspirações materialistas.

O Senhor exibiu um trágico retrato da igreja de Laodicéia, mas ofereceu também a solução: “Aconselho-te que, de mim, compres ouro provado no fogo, para que te enriqueças; e roupas brancas, para que te vistas, e não apareça a vergonha da tua nudez; e que unjas os teus olhos com colírio, para que vejas.” (Ap.3.18).

A igreja precisava se aproximar de Deus em busca de valores espirituais, sendo o principal deles a pureza das vestes, ou seja, uma vida de santificação.

Na carta à igreja de Laodicéia não existe nenhuma palavra de elogio. Contudo, temos uma declaração do amor de Deus por aquele povo decadente (3.19). Deus declarou seu amor tanto pelos irmãos de Filadélfia quanto pelos de Laodicéia (3.9).

Isto vem apenas confirmar que somos amados, não por nosso merecimento, mas pela vontade soberana de Deus na manifestação de sua própria natureza. Todavia, o texto traz uma advertência velada: Embora o amor de Deus seja um fato (3.19), isto não impedirá que ele vomite os mornos (3.16). Não devemos nos iludir, pois, tão real quanto o seu amor é a sua justiça.

Deus aconselha (3.18), repreende e castiga (3.19). Contudo, ele não obriga seus filhos a mudarem. Isso fica bem ilustrado no versículo 20. O Senhor está à porta e bate. Ele não arromba, não força. Ele espera que atendamos à sua voz e abramos a porta. Na carta à igreja de Filadélfia, Deus abriu uma porta (Ap.3.8).

No caso de Laodicéia, é a igreja que deve abrir a porta para Deus (Ap.3.20). Quantas portas o Senhor abriu para nós? Quantas bênçãos ele nos deu? Em outros momentos, ele espera que nós lhe abramos a porta, dando ouvidos à sua voz, assumindo uma postura de aceitação, compromisso e intimidade com ele, permitindo que ele entre e domine todas as áreas da nossa vida.

Quem abrir a porta, recebendo o senhorio de Jesus, será também por ele recebido na glória celestial, conforme se lê no versículo 21: “Ao que vencer lhe concederei que se assente comigo no meu trono; assim como eu venci e me assentei com meu Pai no seu trono”.
“Quem tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas” (Ap.3.22).

Prof. Anísio Renato de Andrade

quinta-feira, 29 de abril de 2010

REFLEXÃO DE QUINTA-FEIRA


Andando à beira do mar da Galiléia, Jesus viu dois irmãos:
Simão, chamado Pedro, e seu irmão André. Eles estavam lançando
redes ao mar, pois eram pescadores. E disse Jesus: “Sigam-me…”
-- Mateus 4:18-19a


Jesus chamou os primeiros discípulos, não para uma escola ou
seminário. Ele os chamou para uma caminhada. "Sigam-me..." ele
disse. Há muitas coisas que podemos e devemos aprender sobre Jesus.
A leitura e o estudo da Bíblia fazem parte do processo de conhecer
o Mestre. No entanto, numa época em que o adquirir e o digerir
informação se tornou o principal foco do homem, há uma grande
tentação de pensar que o importante é o que você sabe sobre Jesus
ou a Bíblia ou qualquer outro assunto "espiritual". É preciso
lembrar que as primeiras e últimas palavras do ministério de Jesus
levam à ação. "Sigam-me..." ele começa e "Vão..." ele termina. O
que é que você está fazendo com aquilo que você já sabe sobre
Jesus? Que diferença esta informação está fazendo na sua vida e na
vida daqueles ao seu redor? Que impacto você está tendo em pessoas
necessitadas, carentes, sofrendo e perdidas? Para seguir Jesus os
discípulos tinham que descer de um barco de pesca para subir em
outro que virou plataforma para pregar. Era preciso se levantar da
coletoria de impostos para sentar numa mesa para escrever um
Evangelho. Eles tiveram que deixar suas famílias para ensinar,
batizar e juntar a família de Deus. Para seguir Jesus é preciso
conhecer algumas verdades. Porém, se esse conhecer não resultar em
levantar, mover, agir, buscar, falar e muito mais, então você só
aprendeu verdades, mas não conheceu A Verdade. "Sigam-me..." ele
disse. Vamos.

Carta de DEUS



Oi, Como você acordou esta manhã?
Eu vi você e esperei pensando que falaria comigo, mesmo que fosse apenas umas poucas palavras, querendo saber minha opinião sobre alguma coisa ou mesmo Me agradecendo por algo bom que aconteceu em sua vida ontem.

Você mandou e-mails pra todos os seus amigos, mas não falou comigo...

Tudo bem! Notei que você estava muito ocupado tentando encontrar
uma roupa apropriada para o trabalho.

Então, esperei outra vez..
Quando você andou pela casa,de um lado para outro, já pronto, Eu estava lá.
Seriam poucos minutos para você dizer- me:

"Alô, Amigão!".

Mas você estava realmente muito ocupado.

Como você ainda tinha 15 minutos antes de sair de casa, gastou esse
tempo apenas sentado em uma Cadeira sem fazer nada!

Então, Eu o vi se mexer, olhando para os seus pés que se
movimentavam, e pensei que queria falar Comigo, mas
você dirigiu- se ao o telefone e ligou para um amigo para
contar as últimas novidades.

Na hora do almoço, esperei pacientemente outra vez enquanto você estava
assistindo TV e comendo a sua comida.
Porém, mais uma vez você não falou Comigo! Na hora de dormir
você devia estar muito cansado, pois apenas disse boa
noite para a sua família, pulou na sua cama, caiu no
sono e dormiu Rapidamente.

Tudo bem! Talvez você não saiba que Eu sempre estou ao seu lado, disponível.
Tenho muita paciência! Muito mais do que você possa imaginar.

Eu mesmo quero ensinar-lhe como ser paciente
com as outras pessoas e como ser bom Amo
tanto você que espero todos os dias por um sinal seu,
um simples inclinar de cabeça, uma oração, um pensamento ou um
agradecimento.

Sabe, é muito difícil uma conversa quando só existe um lado! Só um disposto a
conversar.

Bem, você vai se levantar outra vez para um novo dia e mais uma vez e mais outra vez, e outra vez, sem falar comigo.
E serão muitas vezes..

Um abraço do seu sempre Pai e Amigo, DEUS.

A Ultima Chance



Havia um homem muito rico possuía muitos bens, uma grande fazenda, muito gado e vários empregados.Tinha ele um único filho, que, ao contrário do pai, não gostava de trabalho nem de compromisso que ele mais gostava era de festas, estar com seus amigos e de ser bajulado por eles. Seu pai sempre o advertia que seus amigos só estavam ao seu lado enquanto ele tivesse o que lhes oferecer, depois o abandonariam.
Os insistentes conselhos do pai lhe retiniam os ouvidos e logo se ausentava sem dar o mínimo de atenção.

Um dia o velho pai, já avançado na idade, disse aos seus empregados para construírem um pequeno celeiro e dentro do celeiro ele mesmo fez uma forca, e junto a ela, uma placa com os dizeres: “Para você nunca mais desprezar as palavras de seu pai”.
Mais tarde chamou o filho, o levou até o celeiro e disse: Meu filho, eu já estou velho e quando eu partir, você tomará conta de tudo o que é meu, e sei qual será o seu futuro.
Você vai deixar a fazenda nas mãos dos empregados e irá gastar todo dinheiro com seus amigos, irá vender os animais e os bens para se sustentar, e quando não tiver mais dinheiro, seus amigos vão se afastar. E quando você não tiver mais nada, vai se arrepender amargamente de não ter me dado ouvidos.

É por isso que eu construí esta forca; sim, ela é para você, e quero que me prometa que se acontecer o que eu disse, você se enforcará nela. O jovem riu, achou absurdo, mas, para não contrariar o pai, prometeu e pensou que jamais isso pudesse ocorrer.

O tempo passou, o pai morreu e seu filho tomou conta de tudo, mas assim como se havia previsto, o jovem gastou tudo, vendeu os bens, perdeu os amigos e a própria dignidade. Desesperado e aflito começou a refletir sobre a sua vida e viu que havia sido um tolo, lembrou-se do pai e começou a chorar e dizer: -

Ah, meu pai, se eu tivesse ouvido os teus conselhos, mas agora é tarde, é tarde demais.
- Pesaroso, o jovem levantou os olhos e longe avistou o pequeno celeiro, era a única coisa que lhe restava.A passos lentos se dirigiu ate lá e, entrando, viu a forca e a placa empoeirada e disse:

- Eu nunca segui as palavras do meu pai, não pude alegrá-lo quando estava vivo, mas pelo menos esta vez vou fazer a vontade dele, vou cumprir minha promessa, não me resta mais nada. Então subiu nos degraus e colocou a corda no pescoço e disse:
- Ah! se eu tivesse uma nova chance...
E pulou, sentiu por um instante a corda apertar sua garganta, mas o braço da forca era oco e quebrou-se facilmente, o rapaz caiu no chão, e sobre ele caíram jóias, esmeraldas, pérolas, diamantes.

A forca estava cheia de pedras preciosas, e um bilhete que dizia:
- Essa é a sua nova chance...Eu te amo muito...
Seu Pai
Assim também é Deus, ele não desiste de nós, mais somos nós que o abandonamos, pois a Bíblia diz assim: Porque Deus amou o mundo de tal maneira que entregou o seu único Filho, para que TODOS o que NELE CRE, não morra mais tenham a vida ETERNA...

E não importa quem você é ou o que fez, desde que você se arrependa de seus pecados e entregue a vida a Deus, aceitando Jesus Cristo como seu Senhor e salvador...

Carta à Igreja de Filadélfia



O livro de Apocalipse começa com a visão do Cristo glorificado. Em seguida, vêm as sete cartas e, em cada uma delas, é mencionada uma característica do Senhor Jesus, conforme o que João estava vendo: seus pés, sua boca, seus olhos, etc.

O detalhe enfatizado tem, geralmente, uma relação com o teor da mensagem àquela congregação específica. Cada característica do Mestre vem suprir a necessidade de cada situação.

No caso da igreja de Filadélfia (Ap.3.7-13), vemos nova referência à chave, símbolo de autoridade, já citada em 1.18. Estamos habituados ao conceito de autoridade relativa, de acordo com posições hierárquicas. Ali, porém, notamos o aspecto da soberania de Cristo, pois ninguém pode fechar o que ele abriu ou abrir o que ele fechou (3.7). O nome do rei Davi é citado no texto por ser um tipo do governo messiânico.

Toda esta supremacia do Senhor contrasta com a pequena força da igreja (3.8). Se olharmos para nós mesmos, talvez fiquemos desanimados diante da nossa limitação.

Entretanto, é o Senhor que vai adiante de nós. Com nossas próprias forças e recursos não poderíamos abrir nenhuma porta, mas Deus abre as portas diante da igreja (3.8), pois ele tem as chaves (3.7). A autoridade divina supera toda força humana ou a sua falta.

Sejamos, portanto, confiantes. A igreja vive sob ameaças, riscos e desafios, mas não precisa temer. O Senhor é a sua garantia. Ele é o verdadeiro (3.7) que vencerá os mentirosos (3.9). Não precisamos ser muito fortes, mas muito crentes. Assim venceremos.

Em situações de dificuldade, necessidade e aperto, precisamos de uma porta. Talvez até consigamos vê-la, mas ela se encontra fechada. Nesse caso, oremos àquele que tem as chaves em suas mãos. Ele pode mudar situações e nos mostrar um caminho.

Precisamos, porém, estar conscientes de que algumas portas não serão abertas porque foi o próprio Deus quem fechou. Talvez estejamos diante delas batendo, insistindo, empurrando e chorando para que se abram. Entretanto, Deus sabe o que está lá dentro e, se ele não abrir, estejamos certos de que o Senhor quer apenas o que for melhor para nós de acordo com os seus desígnios.

Apesar de toda a ação divina a favor da igreja de Filadélfia, ainda lhe restavam algumas responsabilidades. O Senhor colocou diante daqueles irmãos uma porta aberta.
Entretanto, entrar por ela ou não seria uma decisão deles. Queremos que Deus faça tudo sozinho? Ele não fará aquilo que é da nossa competência.

Porta representa oportunidade, uma entrada, uma saída, um meio de acesso. Não sabemos qual era exatamente a porta que o Senhor abriu para aquele povo. Contudo, precisamos identificar as que ele tem aberto para nós. Não podemos ficar parados diante elas, esperando que ele nos carregue para dentro. Devemos levantar e andar.

Precisamos tomar algumas decisões e iniciativas para não deperdiçarmos as bênçãos que o Senhor nos oferece. Não podemos fechar a porta que ele abriu, mas podemos negligenciá-la, sendo omissos, irresponsáveis ou preguiçosos. É o caso daquele que tem escola, mas não estuda; tem emprego mas não trabalha; tem ministério mas não exerce. De fato, cada dia de vida representa uma nova oportunidade que Deus nos dá, uma porta aberta para muitas realizações.

O texto mostra ações de Deus e ações da igreja. O Senhor dá o que a igreja precisa, mas é nossa responsabilidade guardar o que recebemos (Observe o verbo “guardar” em 3.8,10,11). Guardamos aquilo que valorizamos. Temos a tendência de guardar costumes e tradições, mas precisamos verificar se estes são os verdadeiros valores do evangelho.

O que a igreja de Filadélfia precisava guardar? Temos pelo menos dois tópicos fundamentais: o nome de Jesus (3.8) e a palavra de Deus (3.8,10). Este é o segredo de resistência do cristão contra o Inimigo. Se colocarmos o nosso nome, a nossa denominação, acima do nome de Jesus, corremos o risco de cair. Se negligenciarmos a palavra de Deus, cairemos de igual modo. Guardando a palavra, a igreja também seria guardada na hora da tentação.

A carta à igreja de Filadélfia não traz nenhuma palavra de repreensão, mas de advertência. A igreja estava bem aos olhos de Deus. Porém, precisava manter sua posição de fidelidade e vigilância.

Apesar de sua pequena força, seria vitoriosa sobre os emissários do inimigo (3.9), identificados como “sinagoga de Satanás”.

Filadélfia significa “amor fraternal” e na carta a ela destinada o Senhor Jesus faz uma declaração: “Eu te amo” (3.9). O amor do Senhor por nós nunca deve ser esquecido ou colocado em dúvida por causa das tribulações.

Naquele momento histórico, Jerusalém e o templo já tinham sido destruídos. Lembrando disso, vemos com mais propriedade a promessa de bênção no fim da carta, onde são citados um novo templo e uma nova cidade:

“Ao que vencer, eu o farei coluna no templo do meu Deus, e dele nunca sairá; e escreverei sobre ele o nome do meu Deus, e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce do céu do meu Deus, e também o meu novo nome. Quem tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas.” (Ap.3.12-13). Prof.

Anísio Renato de Andrade

quarta-feira, 28 de abril de 2010

REFLEXÃO DE QUARTA-FEIRA


Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo
Jesus, pois ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o
ser igual a Deus; antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma
de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em
figura humana, a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à
morte e morte de cruz.-- Filipenses 2:5-8


"Senhor, humilhe-nos brandamente. Esta é uma das orações
favoritas do meu amigo. Eu também gosto. Mas, graças a Deus, Jesus
não foi humilhado brandamente. Não gosto do fato que ele teve que
sofrer tanta angústia. A humildade dele foi drástica e impensável.
Eu também preciso ter essa mesma atitude para alcançar os perdidos.

A Esperança



E a esperança não desaponta, porquanto o amor de Deus está derramado em
nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado. “Romanos 5:5


Um dia, um rapaz pobre que vendia mercadorias de porta em porta para pagar seus•estudos, viu que só lhe restava uma simples moeda de dez centavos e tinha fome•Porém, seus nervos o traíram quando uma encantadora mulher jovem lhe abriu a porta•Em vez de comida, pediu um copo de água.

•Ela pensou que o jovem parecia faminto e assim lhe deu um grande copo de leite•Ele bebeu devagar e depois lhe perguntou?

•- Quanto lhe devo?
•- Não me deves nada - respondeu ela. E continuou:
•- Minha mãe sempre nos ensinou a nunca aceitar pagamento por uma oferta caridosa
• Ele disse: - Pois te agradeço de todo coração.

• Quando Howard Kelly saiu daquela casa, não só se sentiu mais forte
•fisicamente, mas também sua fé em Deus e nos homens ficou mais forte.
•Ele já estava resignado a se render e deixar tudo.

•Anos depois, essa jovem mulher ficou gravemente doente.
•Os médicos locais estavam confusos.
• Finalmente a enviaram à cidade grande, onde chamou um especialmente para•estudar sua rara enfermidade.
•Chamaram então o Dr.Howard Kelly.
•Quando escutou o nome do povoado de onde ela viera, uma estranha luz encheu seus olhos.
•Imediatamente, vestido com a sua bata de doutor, foi ver a paciente.
•Reconheceu imediatamente aquela mulher.
•Determinou-se a fazer o melhor para salvar aquela vida.
•Passou a dedicar atenção especial aquela paciente.
•Depois de uma demorada luta pela vida da enferma, finalmente ganhou a batalha.

•O Dr. Kelly pediu a administração do hospital que lhe enviasse a fatura total dos gastos para aprová-la.
•Ele a conferiu e depois escreveu algo e mandou entregar no quarto da paciente.
•Ela teve medo de abrir a fatura dos gastos, porque sabia que levaria o resto da sua vida para pagar todos os gastos.

•Mas, finalmente abriu a fatura e algo lhe chamou a atenção, pois estava escrito o seguinte:

Totalmente pago há muitos anos com um copo de leite (assinado). Dr.Howard Kelly.

•Lágrimas de alegria correram de seus olhos e seu coração feliz orou assim:
•Graças te dou meu Deus, porque teu amor tem se manifestado nas mãos e nos corações humanos.

Lembre-se “Na vida nada acontece por acaso’’•”.

Carta à Igreja de Sardes



As mensagens das cartas às sete igrejas da Ásia são aplicáveis sob o ponto de vista eclesiástico, ministerial ou pessoal. Eclesiástico por serem destinadas às igrejas, abordando suas características, seus erros e acertos; O aspecto ministerial está no fato de que cada carta é dirigida diretamente ao anjo da igreja, normalmente interpretado como sendo seu líder.

Os problemas e desafios da congregação estão relacionados à maneira como seus líderes exercem suas funções. Líder e comunidade se confundem no conteúdo das cartas. A aplicação é também individual porque todo problema eclesiástico nasce de situações pessoais.

A mensagem aos irmãos de Sardes começa com o confronto entre dois pontos de vista: o humano e o divino. Aos olhos do homem, a igreja era viva, ativa e eficiente. Aos olhos de Deus, era morta (3.1).

Vida e morte são os temas centrais da carta (3.1,2,5). Está em questão o que parecemos diante dos homens e o que realmente somos diante de Deus e diante dos anjos (3.2,5). A bíblia na Nova Versão Internacional nos diz que aquela igreja tinha “fama de estar viva”. De que adianta sermos famosos neste mundo e desqualificados no céu?

Aquela igreja agradava aos homens, mas entristecia o coração de Deus. A aparência estava ótima, mas a essência era a morte. O exterior funcionava bem, mas as questões interiores estavam mal resolvidas. A superfície estava em ordem, mas o Senhor sonda em profundidade.

Como avaliamos nossas igrejas, nossos ministérios e nossas vidas? E como Deus avalia? Podemos estabelecer alvos materiais relacionados à construção de templos, à realização de eventos sociais, ao patrimônio, à conta corrente, etc. Talvez estejamos bastante satisfeitos pelos objetivos já alcançados nesses assuntos. Nada disso é ruim, e pode até ser ótimo. Entretanto, tais propósitos não constituem a razão de existir da igreja do Senhor Jesus.

Olhando para a organização eclesiástica, talvez vejamos tudo funcionando muito bem: secretaria, tesouraria, departamento infantil, união de jovens, corpo diaconal e outros setores. A liturgia é seguida com rigor. Tudo acontece dentro do horário e nos padrões determinados. Mas, será que isto é vida espiritual? Talvez o defunto esteja muito bem vestido, mas lhe falte o principal: fôlego de vida.

Como podemos perceber a vida de uma igreja? Verificando se ela está cumprindo sua missão e apresentando resultados pelo poder do Espírito Santo. O evangelho está sendo pregado? Vidas estão sendo salvas? Como estão as reuniões de oração? E os jejuns? Estes são alguns termômetros para verificação da vida espiritual.

O crescimento da igreja pode ser um bom sinal, desde que não seja o único. Vejamos outros sinais: Os salvos estão se santificando? Enfermos têm sido curados? Endemoninhados têm sido libertos? Se nada disso está acontecendo, algo está errado, muito errado. Se o sobrenatural não acontece na igreja, pode ser que ela tenha perdido a conexão com o céu.

A igreja universal do Senhor Jesus Cristo nunca morrerá, mas uma igreja local pode morrer.

Como acontece a morte de uma igreja? Primeiro, descuida-se da sã doutrina (IITm.4.3); Em seguida, a igreja adoece pela prática do pecado. Depois, morre, “porque o salário do pecado é a morte.” (Rm.6.23a). O que resta então? Um clube, uma mera associação, com nome de igreja.

A igreja de Sardes estava contaminada pelo pecado, à exceção de algumas pessoas, conforme se lê em Ap.3.4.

Pode-se argumentar que em qualquer congregação ocorrerá, eventualmente, a prática pecaminosa em alguma escala. Pode ser, mas alguns pecados atingem a coletividade, contaminando-a e podendo levá-la à morte. Por exemplo, os pecados do líder, principalmente aqueles que produzem escândalo ou servem de exemplo para o povo; ou o pecado da congregação contra o líder, tal como a rebelião; ou ainda a heresia que se dissemina contaminando a fé e o culto.

O que fazer? O melhor tratamento é a prevenção. Cuide da saúde doutrinária de sua igreja. Nossos corpos necessitam de boa e constante alimentação para que se mantenham saudáveis e ativos. Assim também, a igreja precisa se alimentar com a palavra de Deus (Mt.4.4), de modo constante e intenso.

Precisamos tomar cuidado com muitas coisas que podem nos afastar da pregação e do estudo bíblico. Muitas atividades da igreja são boas, mas não podemos permitir que o estudo bíblico seja desprezado, deixando de ser ministrado ou freqüentado. Aquele cristão que participa de todas as reuniões de louvor e adoração, mas negligencia o estudo da Palavra está fadado à subnutrição espiritual. Na hora da tentação, da provação, ele não resistirá.

Apesar da péssima condição da igreja de Sardes, ainda havia esperança enquanto Cristo não voltasse – 3.3. A carta foi um ultimato. Tal é a situação de muitas igrejas atualmente.

Em que consistia a esperança daquele povo? O Senhor lhe exortou, dizendo: “Lembra-te, pois, do que tens recebido e ouvido e guarda-o, e arrepende-te. E, se não vigiares, virei sobre ti como um ladrão, e não saberás a que hora virei a ti.” (Ap.3.3).

Se igreja tinha “recebido” algo, é porque o Senhor muito lhe havia dado. Se ela podia “ouvir” é porque a palavra de Deus lhe fora falada. Agora cabia àqueles irmãos: lembrar, guardar, arrepender e vigiar.

O Senhor já fez muito por nós, mas muitas vezes deixamos de lado o que seria da nossa responsabilidade.

O que fazer agora? É necessário um retorno urgente à bíblia. Ela é o remédio que pode ressuscitar os mortos e curar os que se aproximam da cova. É da maior urgência a necessidade de retomarmos a leitura e o estudo profundo das Escrituras, pois elas produzirão a consciência do pecado e o arrependimento.

De acordo com a Pequena Enciclopédia Bíblica, de Orlando Boyer, a igreja de Sardes se desviou e foi destruída. Infelizmente, aquela história não teve um final feliz. Entretanto, podemos agir de modo diferente, pois o Senhor tem enviado a sua palavra para nos despertar.

Clamemos ao Senhor por misericórdia para que ele nos desperte e nos vivifique pelo seu Espírito Santo.

Não permitamos que a morte reine em nosso meio, porque o desejo de Jesus é que tenhamos “vida e vida em abundância” (João 10.10).
Prof. Anísio Renato de Andrade

terça-feira, 27 de abril de 2010

REFLEXÃO DE TERÇA-FEIRA


...aos quais Deus quis dar a conhecer qual seja a riqueza da
glória deste mistério entre os gentios, isto é, Cristo em vós, a
esperança da glória; o qual nós anunciamos, advertindo a todo homem
e ensinando a todo homem em toda a sabedoria, a fim de que
apresentemos todo homem perfeito em Cristo.Colossenses 1:27-28


Cristo vive em mim.
Até poder me tornar completamente como Ele
através do poder do Espírito (2 Co. 3:18), Ele vive em mim. Até eu
poder ir ao céu com Ele, Ele vive em mim (Jo. 14:1-21). Onde quer
que eu vá e em tudo que faço, Ele está dentro de mim. Nosso alvo é
tê-Lo formado dentro de nós perfeitamente, não que Ele apenas vive
dentro de nós. É claro, isso será feito pelo poder dEle e através
do dom do Seu Espírito!

Carta à Igreja de Tiatira



Identificação do remetente

Dirigindo-se aos irmãos de Tiatira, o Senhor Jesus se apresenta como aquele que tem os olhos semelhantes à chama de fogo (2.18), que brilha, ilumina, aquece, queima e consome. Ele vê a igreja, sondando-lhe profundamente “os rins e o coração” (2.23).

Apresentação do destinatário

Aquela congregação tinha muito crédito diante de Deus. Foi elogiada por seu trabalho, paciência, fé e amor (2.19). Suas qualidades eram exteriores e interiores.

Suas obras eram cada vez mais numerosas. Lendo apenas o versículo 19, poderíamos considerá-la uma igreja completa, exemplar. Entretanto, sua falha estava no excesso de tolerância. Em sua disposição de amar, talvez tenha se confundido um pouco, chegando a aceitar o inaceitável. “Tenho contra ti que toleras Jezabel...” (2.20).

Amar não significa tudo aceitar. Ainda hoje, o amor tem sido usado como escudo para esconder o mal e permitir o pecado. Quantos casais caem no erro em nome do amor? Quantos falsos profetas e falsos mestres são tolerados em nome do amor?

A falsa profetiza

O nome Jezabel, com intenção aparentemente simbólica, nos lembra a rainha de Israel, mulher do rei Acabe (IRs.16.31), que ficou marcada na história como cruel, manipuladora, sedutora e idólatra (IRs.19.1-2). Para se insinuar, usava enfeites na cabeça e pintura em torno dos olhos (IIRs.9.30). Tentando enganar o povo de Deus, apelava para atos religiosos, como o jejum (IRs.21.9).

A Jezabel do Apocalipse carrega esse caráter, acrescentando ainda as profecias e o ensino. Tal referência parece indicar alguém na igreja de Tiatira que profetizava, ensinava, tinha aparência agradável e propósitos malignos. É uma pessoa em posição de liderança, parece ter dons espirituais, exerce o ministério do ensino (2.20), mas vive no pecado da idolatria (2.20), da prostituição (2.20) e do adultério (2.22).

Precisamos ficar atentos para esse tipo de pessoa dentro das igrejas. Não podemos nos iludir com aparência ou eloqüência, nem ficar impressionados com profecias, mas devemos observar seu modo de vida, pois seu exemplo pode influenciar muitos servos de Deus (2.20), levando-os ao pecado.

Aquela mulher parecia ser usada pelo Espírito Santo, com dons, profecias, capacidade para ensinar. Entretanto, havia outro espírito agindo nela. Tinha aparência de espiritualidade, mas vivia na carnalidade. Suas palavras podiam ser agradáveis, mas suas obras eram malignas (2.20-22).

Deus fala através de profecias, mas nem toda profecia vem de Deus. As mensagens proféticas devem ser julgadas à luz da bíblia (ICo.14.29). Precisamos rejeitar toda palavra que não esteja de acordo com as Sagradas Escrituras, principalmente aquela que nos induz ao pecado.

É provável que essa “Jezabel” tenha profetizado na igreja, defendendo veladamente os alimentos sacrificados aos ídolos e a prostituição, mas o Senhor, zeloso por seus servos, levantou João, o verdadeiro profeta, para desmascarar aquele engano.

Conseqüências do pecado

Durante algum tempo, a falsa profetiza esteve confortável na igreja de Tiatira, até que veio sobre ela o juízo de Deus e a conseqüência do seu pecado. O texto diz que ela seria “colocada sobre uma cama” (2.22). A Nova Versão Internacional diz que ela ficaria doente.

Na seqüência vem “grande tribulação” (2.22) sobre seus amantes. A idolatria, a prostituição e o adultério não ficarão impunes, a não ser que haja arrependimento. Como não houve (2.22), o castigo se agravou no versículo seguinte, trazendo morte sobre os filhos de Jezabel.

O pecado dos pais traz danos terríveis para os filhos, mormente sobre os que nascem das relações sexuais ilícitas.

O tempo da misericórdia

O Senhor disse: “dei-lhe tempo para que se arrependesse da sua prostituição, e não se arrependeu” (2.21). Tempo é oportunidade. Em todas as cartas temos a marca do amor de Cristo pela igreja e até pelos falsos.

Até Jezabel teve sua oportunidade de arrependimento. Porém, não quis aproveitá-la. Enquanto o juízo não vem, pode-se pensar que Deus seja tolerante com o pecado, mas não é isso. Trata-se do tempo da misericórdia que antecede o julgamento e a sentença.

Purificação da igreja

Poderíamos perguntar: por quê Deus permite a presença de pessoas assim na igreja? Entretanto, o Senhor está perguntando por quê nós permitimos. Ele disse ao anjo, ao líder da igreja: “Tenho contra ti que toleras Jezabel...”. Era responsabilidade do líder extirpar aquele mal do meio da congregação.

Cabe ao líder zelar pela saúde doutrinária de sua comunidade eclesiástica e não confundir amor com omissão. Os crentes fracos devem ser ajudados, mas os que ensinam falsas doutrinas devem ser afastados do grupo. Não se pode tolerar a presença do lobo dentro do aprisco.

Perseverança dos salvos

Daqueles que não se contaminaram com os referidos pecados, o Senhor esperava perseverança (2.24-25). De nada adianta ser um cristão temporário, que se desvia diante da primeira tribulação. Precisamos ser perseverantes até a vinda do Senhor.

O advérbio “até” nos dá idéia de continuidade, insistência, e fidelidade, a despeito das circunstâncias. Os que assim viverem, praticando a vontade do Pai, serão por ele recompensados. O vencedor terá autoridade sobre as nações (2.26). O texto parece se referir ao reino milenar (Ap.20), quando, juntamente com Cristo, a igreja reinará sobre a terra.
Prof. Anísio Renato de Andrade

O Nó do Afeto


Em uma reunião de pais, numa escola da periferia, a diretora ressaltava o apoio que os pais devem dar aos filhos; pedia-lhes também que se fizessem presentes o máximo de tempo possível...

Ela entendia que, embora a maioria dos pais e mães daquela comunidade trabalhassem fora, deveriam achar um tempinho para se dedicar e entender as crianças.

Mas a diretora ficou muito surpresa quando um pai se levantou e explicou, com seu jeito humilde, que ele não tinha tempo de falar com o filho, nem de vê-lo, durante a semana, porque, quando ele saía para trabalhar, era muito cedo, e o filho ainda estava dormindo...Quando voltava do serviço, já era muito tarde, e o garoto não estava mais acordado.

Explicou, ainda, que tinha de trabalhar assim para prover o sustento da família, mas também contou que isso o deixava angustiado por não ter tempo para o filho e que tentava se redimir, indo beijá-lo todas as noites quando chegava em casa.

E, para que o filho soubesse da sua presença, ele dava um nó na ponta do lençol que o cobria. Isso acontecia religiosamente todas as noites quando ia beijá-lo. Quando o filho acordava e via o nó, sabia, através dele, que o pai tinha estado ali e o havia beijado.

O nó era o meio de comunicação entre eles.

A diretora emocionou-se com aquela singela história e ficou surpresa quando constatou que o filho desse pai era um dos melhores alunos da escola. O fato nos faz refletir sobre as muitas maneiras de as pessoas se fazerem presentes, de se comunicarem com os outros.

Aquele pai encontrou a sua, que era simples, mas eficiente. E o mais importante é que o filho percebia, através do nó afetivo, o que o pai estava lhe dizendo.

Por vezes, nos importamos tanto com a forma de dizer as coisas e esquecemos o principal, que é a comunicação através do sentimento; simples gestos como um beijo e um nó na ponta do lençol, valiam, para aquele filho, muito mais do que presentes ou desculpas vazias.

É válido que nos preocupemos com as pessoas, mas é importante que elas saibam, que elas sintam isso.

Para que haja a comunicação é preciso que as pessoas "ouçam" a linguagem do nosso coração, pois, em matéria de afeto, os sentimentos sempre falam mais alto que as palavras.

É por essa razão que um beijo, revestido do mais puro afeto, cura a dor de cabeça, o arranhão no joelho, o medo do escuro.

As pessoas podem não entender o significado de muitas palavras, mas sabem registrar um gesto de amor. Mesmo que esse gesto seja apenas um nó... Um nó cheio de afeto e carinho.

E você, já deu algum nó afetivo hoje?

O grande Dia



“No último dia, o grande dia da festa, levantou-se Jesus e exclamou: Se alguém tem sede, venha a mim e beba.” (João 7:37 ARA)

No Reino de Deus o calendário é sempre meio invertido em relação ao nosso aqui deste mundo. Aqui a gente faz festa quando passa no vestibular, quando nasce um filho, quando casa, quando muda para uma casa melhor, quando começa as coisas. Pois a dinâmica de Deus é de fazer festa no final das coisas e não no começo. Isso faz um certo sentido, pois no contexto de uma batalha não se comemora antes de vencer e o Reino de Deus tem algo de luta espiritual.

O texto acima está falando de uma festividade em particular, mas o senso de que a festa fica boa no final, continua sendo válido. Alem disso outros textos mostram esse mesmo toque, como quando Jesus fez seu primeiro milagre, transformando água em vinho, o que deixou o melhor para o final.

O grande dia de festa é o último. O Senhor vai voltar, vem nos buscar para ficarmos com Ele para sempre, vai consumar todas as coisas. Eu anseio por este dia, como todos aqueles que amam verdadeiramente ao Senhor. Este sim é o dia da grande festa. Até lá, teremos pequenas vitórias e pequenas comemorações, sabendo que nossa luta não é nem contra carne nem contra sangue.

Sugiro encarar esta nossa caminhada na Terra e nossa batalha contínua como uma forma de treinamento para o mundo vindouro. Portanto, aprenda a celebrar e comemorar todas as vitórias, grandes e pequenas. Aprenda a caminhar com gratidão continuamente, para que quando o grande dia chegar esteja afiado. Valorize cada pequeno passo na direção correta, pois nossa jornada aqui é feita de passinhos.

Pelo princípio que nos ensina a parábola dos talentos, quem é fiel no pouco sobre muito será colocado. Eu considero que ser co-herdeiro com Cristo é muito e quero ser merecedor disso fazendo minha parte. Ainda que dependa muito mais da graça de Deus do que de qualquer outra coisa, Deus espera algo de mim e não serei omisso. Serei fiel em cada motivo de festividade, até o grande dia.


Mário Fernandez

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Escola Biblica Quadrangular - E.B.Q.




Ontem domingo dia 25/04/2010 o nosso estudo na escola bíblica foi sobre a epistola de Tiago na qual o professor desse dia foi o nosso obreiro Zé Carlos, o estudo foi sobre destinatários da epistola, data da epistola, estilo literário, e os quatros aspectos dominante.

1º Exortação pastoral
2º Desprendimento das estruturas.

E ai parou tudo não passamos daí, porque houve interrogações, exclamações muitas respostas na verdade foi muito interativo, quando fomos ver chegou o horário final, tínhamos que acabar a aula, eu já tinha uma mensagem para colocar em meu blog www.glademirstocco.blogspot.com e no site www.folhapimentense.com.br e esse estudo caiu como uma luva, por quê? Porque foi lido o capitulo 2:1a 13 do livro de Tiago, esse capitulo, ou melhor, o livro de Tiago fala muito sobre obras, ricos, pobres e das nossas acepções as pessoas. No nosso Brasil de meu Deus principalmente quem mora, morou ou tem parente e às vezes passeia nas grandes cidades conhece hospitais, onde milhares de pessoas sofrem. Entre elas há um enorme contingente que não recebe visitas ou acompanhamento das famílias. A solidão e o abandono fazem o sofrimento aumentar.

Nós que moramos em uma cidade pacata pequena aproximadamente 32.000 habitantes, a nossa Pimenta Bueno, já da para ver esses mesmo sofrimentos, também da para se ver muitos mendigos perambulando pela cidade, também presídios onde homens cumprem pena por crimes cometidos; Prisões para menores onde menores estão encarceradas; abrigos onde crianças abandonadas e até mesmo estão lá por maus tratos dos pais ou responsável; Casas de apoio no caso de Pimenta Bueno São Camilo onde pessoas de idade aguardam talvez a morte, pois essa é a única certeza que um dia vai buscá-las. Nosso hospital esta mais doente dos que lá chega mais esse é um caso político e agora não vou falar de política porque também não é a minha área.

Mas sobre esse tema, tenho algumas perguntas, a fazer para a Igreja do Senhor Jesus Cristo, da qual sou parte e por isso me sinto muito a vontade para me questionar.

Primeira: Para que serve todo o crescimento espiritual e esse “avivamento” que estamos vivendo se essas pessoas não forem alcançadas? Alguém pode afirmar: "Nós estamos orando por elas” (como o irmão Válber falou na escola bíblica). E é verdade. Estamos mesmo. Más quando oramos pedindo para Deus visitá-las e cuidar delas, não estaríamos devolvendo a Deus uma responsabilidade que Ele nos deu? Em caso de dúvida leia MT 25:31-46. Se for isso mesmo, então, nós é que precisaremos de orações. Ou o teor das nossas orações é que deve mudar.

Segunda: Para que serve todo o dinheiro que arrecadamos se ele não está sendo usado para socorrê-las? Não concordo quando dizem que o dinheiro que se dá na igreja é dinheiro do povo. Na verdade, esse dinheiro passa a ser de Deus, quando alguém o entrega para ele, ainda que a igreja o receba, ela funciona como um caixa. Porém a responsabilidade da igreja é maior do que a de um simples caixa, pois passa a ser gestora desses recursos e o dono do dinheiro já definiu, por princípios, como e onde deseja que sejam investidas (Dt 10:18, Is 1:16-17) Algumas denominações investem milhões em templos suntuosos, com pisos de mármore e vitrais maravilhosos, afirmando assim dar o melhor para Deus, más será que o melhor para Deus não seria que esse dinheiro fosse investido para tirar órfãos das ruas, por exemplo? É bem provável que obedecendo a Palavra, se não resolvêssemos esse problema no Brasil, o minimizaríamos.

Terceira: Para que serve a Palavra que recebemos se não os alcançarmos os perdidos com ela? São importante o culto, a liturgia, os louvores, a comunhão com os irmãos, a atuação nos ministérios. Más, nenhumas dessas coisas encontram fim em si mesmo. A Igreja só existe por causa do perdido. Se não houvesse mais ninguém para ser alcançada a nossa missão aqui já teria terminado e todas as agendas seriam canceladas (para desespero de muitos). Tudo que a Igreja é e faz deveria ser por causa do outro. Cada vez mais a igreja é ensimesmada, e só existe por causa das suas atividades e de suas agendas estão desarmonizadas com a vontade de Deus e fazem com que os crentes que nela congregam também estejam. (1Sm 15:22)

É como se estivéssemos atrás de um balcão, dizendo ao mundo: “Venham, nos estamos aqui e temos o que vocês precisam” e de vez em quando fazemos uma programação para “alcançar o perdido”. Isso não pode ser programação! É o motivo de nossa existência! (Mt 28:19-20) Tiremos o balcão e vamos ao mundo perdido, não por programação, más por compromisso diário.

Por fim, nos especializamos em falar para nós mesmos. Discursos de vitória, crescimento espiritual, atos proféticos e massagens de ego.
Também termos como unção, retété, cair no poder, aleluia e outros que às vezes até nós mesmos temos dificuldades de entender, nos distanciam deles.
Nós como Igreja poderia ajudar, e muito, as instituições a recuperar essas pessoas para a sociedade e para o Reino, más estes e outros sintomas revelam que cada vez menos a igreja existe por causa do outro.

È claro que tem igrejas que faz um pouco desse trabalho inclusive a nossa 2ª igreja do Evangelho Quadrangular, como visitar presídios, hospitais e abrigos, mais ainda fizemos pouco.

Você que está lendo, já imaginou todas as igrejas unidas (pelo menos em prol disso) quantos pessoas nos tiraríamos das ruas, quantas pessoas sairiam dos presídios restaurados, quantos menores cresceriam nos abrigos sabendo que JESUS É O CAMINHO A VERDADE E A VIDA, quantos enfermos nos hospitais saíram curados, quantos drogados seriam recuperados e suas famílias restauradas, é, Pimenta Bueno seria outra você não acha?

Portanto igrejas e eu também me coloco como igreja, vamos nos unir, vamos usar um pouco do dinheiro arrecadados nas igrejas e vamos investir nesse projeto, ficam aqui minhas palavras para que se levante um líder (eu estarei junto) de qualquer denominação para levar adiante e fazer um projeto para ajudar a salvar muitas vidas e colocar Pimenta Bueno como exemplo. Quem sabe mudaria Pimenta Bueno, mudaria Rondônia mudaríamos o Brasil, mudaríamos o MUNDO.

Deus o abençoe hoje e sempre...

Uma Porta Aberta



“Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, será salvo" (João 10.9).

Turistas de várias partes do mundo, quando de visita a uma célebre cidade européia, dirigiram-se a um antigo castelo, muitíssimo famoso pelas obras e monumentos notáveis que reuniu e abrigou em seu interior.

Ao se aproximarem desse castelo, o guia turístico os anunciou junto ao administrador do mesmo. Este, atendendo-os com a máxima atenção, informaram-lhes que ele, pessoalmente, estava acompanhando naquele momento o trajeto de um outro grupo de turistas, mas, como já estava quase ultimando essa tarefa entregou ao guia uma enorme chave, dizendo:

- Queira, por favor abrir o portão principal que dá acesso às obras e monumentos, que em poucos instantes os alcançarei para, então, dar continuidade ao roteiro a ser observado.

Foram-se pois, guia e turistas, cheios de curiosidade. Ao depararem com o portão indicado pelo administrador, um a um tentou abrir, através da chave que lhes fora entregue, porém, ninguém realmente conseguiu abrir o portão. Finalmente, depois de alguns momentos de espera, chegou o administrador mostrando-se admirado por vê-los ali parados.

- Não conseguimos abrir o portão - queixou-se o guia desapontado.

- Oh, por favor, queiram me desculpar - falou o administrador. - O portão na realidade nem estava fechado à chave. Bastaria terem acionado para baixo esse puxador e a entrada estaria livre.

O grupo não pôde esconder o seu grande desapontamento por não haver atinado com uma coisa simples e até óbvia, ainda mais que todos estavam ansiosos e tomados de curiosidade, no sentido de conhecer as maravilhas reunidas dentro daquele castelo.

Essa maneira de agir é semelhante ao procedimento de tantas pessoas que lutam, esforçam-se até à exaustão na tentativa de abrirem por si mesmas a porta de entrada para a salvação. Como partes dessa iniciativa pessoal, dão esmolas, praticam toda sorte de boas ações, freqüentam cerimoniais os mais variados.

Todo esse amontoado de coisas pode ser louvável e até necessário, do ponto de vista social e humano, todavia, em se tratando da salvação pessoal e eterna, é tempo perdido. Há dois mil anos, Deus, mediante seu Filho Jesus, abriu-nos a porta da graça para a nossa salvação. Portanto, tudo está providenciado. Cristo é a porta única e não há outra maneira pela qual possamos alcançar a vida eterna. Na cruz Ele consumou a grande obra da salvação, a fim de outorgá-la a cada um que nele crê.

Essa porta está totalmente aberta e não há por que hesitar. É importante entrar por ela agora, antes que se feche para sempre. Outras portas poderão ser apontadas, como tem acontecido, mas todas elas são falsas; são apenas aparentes. A alusão feita por Cristo não deixa dúvidas: "Eu sou a porta. Se alguém entrar por mim, salvar-se-á.”.

A Familia de Jesus



“Falando ele ainda à multidão, sua mãe e seus irmãos estavam do lado de fora, pretendendo falar-lhe. Disse-lhe alguém: ‘Tua mãe e teus irmãos estão lá fora e querem falar-te’. Porém ele respondeu ao que lhe dera o aviso. ‘Quem é minha mãe e quem são meus irmãos?’ E, estendendo a mão para os discípulos, disse: ‘Aqui estão minha mãe e meus irmãos. Pois todo aquele que fizer a vontade de meu Pai que está nos céus, esse é meu irmão, irmã e mãe’.” (Mt 12.46-50.)
Jesus estava em sua segunda viagem pela Galiléia, acompanhado de seus discípulos e algumas mulheres que o serviam com os seus bens. Ele curou um endemoninhado cego e mudo. Os fariseus não gostaram disto e o acusaram de estar sendo usado por Belzebu, o príncipe dos demônios. Jesus os repreende severamente. Eles rejeitam o seu ensino, mas pedem um sinal. Jesus não lhes dá nenhum sinal, antes, os repreende ainda mais severamente, desmascarando a sua incredulidade. Você já se perguntou por que todo incrédulo pede sinal?

Eles ficaram muito irados, e só não mataram a Jesus por temer a multidão que estava com Ele. Mas, começam a tramar contra a vida de Jesus. Seus familiares ficaram sabendo disto, e temendo o pior, foram decididos a tirá-lo de lá. Tentaram justificar aos seus algozes dizendo que Jesus estava fora de si (Mc 3.20-22). É neste clima tenso que há o desenrolar desta história.

Jesus estava numa casa e, como sempre, grande multidão o acompanhava, de sorte que não podia nem parar para comer com os discípulos. Após a discussão com os escribas e fariseus, o clima geral era de expectativa, mas ele ensinava tranqüilamente. Neste ínterim, chegam seus irmãos e sua mãe e mandam chamá-lo, pois não conseguiam entrar na casa que estava lotada. Alguém o interrompe e dá o recado. Jesus não pára de ensinar, somente ensina outra lição que não estava no script.

Aqui fica um princípio aos pregadores e mestres que devem, sem dúvida, se preparar, mas também devem estar atentos às ocasiões que se apresentam. Muitas vezes uma lição diferente daquela que foi planejada se fará necessário. Precisamos aproveitar bem as oportunidades que surgem para ensinar às pessoas sobre Deus.

O Mestre por excelência – Jesus – nunca desperdiçou uma oportunidade, por mais trivial que parecesse. Ele sempre aproveitou cada ocasião para ensinar preciosas lições espirituais aos que estavam junto dele. Qualquer jumentinho, barco, monte, casa, estrada, pedra, era o púlpito de Jesus. Sua vida ensinava tanto quanto as suas palavras. Observá-lo, já era um grande aprendizado. Que mestre, que pastor, que pregador! Ensina com a vida e com as palavras, a qualquer pessoa, em qualquer ocasião e lugar. Daí seu grande poder, influência e autoridade.

Muitos, hoje, precisam de um púlpito, de um auditório, de um estádio, de uma grande igreja e, principalmente, de multidões, para que possam ensinar e pregar. Mas para Jesus, cada pergunta, cada circunstância, cada acontecimento, por mais fortuito, não lhe passava despercebido, e se transformavam em grandes e poderosas lições.

Encontro entre família – há nesta história, um interessante encontro entre a família física e a família espiritual de Jesus. A física, dizendo a Jesus o que fazer, dando ordens, e fazendo por ele, como sendo senhores. A espiritual, ouvindo o que Jesus tem a dizer e obedecendo as suas ordens, pois, sendo ele Senhor, é quem faz e manda. A nossa relação com Cristo tem sido física ou espiritual?

Se perguntarmos: quem no texto é a família de Jesus? Certamente teremos duas respostas. A família física é os que estão do lado de fora chamando a Jesus; a família espiritual, o próprio Jesus responde apontando para os seus discípulos.

Pressionando Jesus – na sua imaginação, o que se passou na mente dos parentes de Jesus? Seus irmãos não acreditavam muito nele, não concordavam com Ele, e até o achavam meio maluco (segundo lemos em João 7.1-5), isto não quer dizer que queriam vê-lo ser linchado ou morto. Então, convenceram Maria, sua mãe, a irem chamá-lo e a levá-lo de volta para casa enquanto ainda havia tempo. Porém, na impossibilidade de entrar na casa para falar com ele, apelam para o trunfo que tinham, seu parentesco sangüíneo. Nós somos seus parentes, portanto, temos prioridade e autoridade sobre Ele. Ele tem que parar o que estiver fazendo para vir falar conosco.

Nós também, constantemente, apelamos para Jesus usando os nossos trunfos. Gostamos de apresentar argumentos para pressioná-lo a atender-nos mais depressa. Usamos argumentos para convencê-lo a fazer o que queremos. Sou dizimista, orei no monte, fiquei quarenta dias em jejum, sou regular na igreja, sou uma boa pessoa, também sou filho de Deus. Não faltam os mais ousados que determinam, exigem, ordenam. Tudo é como se estivéssemos dizendo: “Senhor, pare já o que estiver fazendo e venha me atender. Agora! Faça o que eu digo, seja feita a minha vontade!”

Precisamos urgentemente aprender que: Jesus não se impressiona com os nossos argumentos; ninguém tem maiores privilégios que outros diante dele e Ele não precisa que lhe digamos o que fazer. Ele sabe o que é prioridade. Ele sabe o que é mais importante. Suas prioridades são espirituais e não materiais. Ele não faz a nossa vontade, mas a vontade do Pai.

Boas intenções – vimos que a família terrena de Jesus vem em seu socorro para salvá-lo. É até hilário pensar no salvador precisando de salvação. Eles se esqueceram que é Ele quem salva, não se pode usurpar o seu papel. Eles precisavam crer que Ele não veio ao mundo para morrer num levante popular ou, numa tragédia, sem cumprir sua missão.

Não podemos negar que os seus parentes o amavam e estavam bem intencionados, mas, tornavam-se um grande empecilho para Jesus. A intenção era boa, mas no fundo, demonstrava incredulidade ou ingenuidade, por pensar que, talvez, ele não fosse capaz de realizar o que prometeu e precisava de uma forcinha. Revelaram uma tremenda falta de fé. Somos nós quem precisamos da sua ajuda e salvação. Somos nós quem precisamos que Ele venha em nosso socorro. Ele não precisa que o defendamos (como Pedro também tentou fazer e foi repreendido - Mateus 26:51-54).

A reação de Jesus – Jesus então aponta para os seus discípulos e declara: “Estes são a minha família, mas não somente estes, qualquer um pode ser a minha família, não há uns poucos privilegiados, todos podem tornar-se. Só há uma condição; que façam a vontade do meu Pai. Se assim fizer, este é minha família.”

E você, também faz parte da família de Jesus? Quem faz parte desta família são os que fazem a vontade de Deus. Você faz a vontade de Deus? Se a sua resposta for sim, você faz parte da família de Jesus; se não, você pode se tornar parte da família espiritual de Jesus fazendo a vontade de Deus.

No texto paralelo a este que lemos (escrito em Lucas 8.21), há uma explicação mais clara do que Jesus quis dizer com fazer a vontade de Deus. Nele, Jesus diz: “Minha mãe e meus irmãos são aqueles que ouvem a Palavra de Deus e a executam”.

Você tem ouvido a Palavra De Deus? Tem a colocado em prática? Esta é a condição para tornar-se parte da família espiritual de Jesus. É isto o que significa fazer a vontade de Deus.

Poucos tiveram o privilégio de fazer parte da família terrena de Jesus, quando ele desceu do céu e se fez carne, habitando entre nós. Mas, muitos podem ter o grande privilégio de fazer parte da família espiritual de Jesus, fazendo a vontade de Deus, noutras palavras, ouvindo a Palavra de Deus e a colocando em prática. Este segundo privilégio, além de ser eterno, é bem maior que o primeiro. Experimente!

Jair Souza Leal
Bacharel em Teologia e estudante de Direito.

domingo, 25 de abril de 2010

REFLEXÃO DE DOMINGO


"Não te apresses em deixar a presença dele." (Eclesiastes 8.3)

Estou convencido de que a agitação em que vivem os filhos de Deus os deixa cegos para a importância da hora atual na história da salvação. Satanás não quer que tenhamos tempo, mas sim que sempre estejamos ocupados com uma atividade ou outra. Isaías chama o mal pelo nome, quando diz: "Na tua longa viagem te cansas."

O apóstolo Paulo agia com cautela. Com grande autoridade, ele diz: "Pois não lhe ignoramos os desígnios (de Satanás)."
Ter tempo não significa ganhar tempo a fim de se agitar ainda mais, mas sim separar tempo para orar! Pessoas que oram são pessoas que fazem milagres. Posso ter lido milhares de vezes as palavras de Jesus em Mateus 7.7, mas toda vez elas me tocam profundamente:

"Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei, e abrir-se-vos-á." É tão simples, mas também tão sublime! Como poderia ser rica, poderosa e abençoada sua vida se você fosse uma pessoa que ora! Quem tem tempo para o Senhor encontra coisas ilimitadas, coisas que permanecem eternamente, motivo pelo qual também digo a você com seriedade: "Portanto, vede prudentemente como andais, não como néscios, e, sim, como sábios, remindo o tempo, porque os dias são maus", e "Porque ainda dentro de pouco tempo aquele que vem virá, e não tardará."

Onde Estava Deus?



Isto chega ao coração !!!

Salete pulou da cadeira quando viu o cirurgião chegar."

-Como está meu filho? Ele vai ficar bem?"

O cirurgião disse:

"-Sinto muito,fizemos tudo o que estava ao nosso alcance.
Salete disse:

"- Por que as crianças tem câncer?

Será que Deus não se preocupa com elas?

" Deus, onde estava quando meu filho precisou?

O cirurgião disse:

"-Uma das enfermeiras sairá para te deixar uns minutos com o corpo de seu filho antes que levem para a Universidade.

Salete pediu à enfermeira que a acompanhasse enquanto se despedia de seu filho.
Passou a mão no seu cabelo, a enfermeira perguntou se ela queria guardar alguns fios de seu cabelo.

Salete aceitou, a enfermeira cortou uma mecha e colocou
em uma bolsinha de plástico e deu a Salete.

Salete disse:

"-Foi idéia de Jim doar seu corpo à Universidade para ser estudado.

Disse que poderia ser útil a alguém.

Era o que ele desejava.

Eu a princípio me neguei, mas ele me disse:

"Mamãe, eu não o usarei depois que morrer, e talvez ajude uma criança a desfrutar de um dia mais ao lado de sua mãe.

Meu Jim tinha um coração de ouro,sempre pensava nos outros e desejava ajudá-los
como pudesse.

Salete saiu do Hospital Infantil pela última vez, depois de ter permanecido por lá nos últimos seis meses.
Colocou a bolsa com os pertences de Jim no acento
do carro, junto a ela.

Foi difícil dirigir de volta para casa, e mais difícil ainda,
entrar na casa vazia.
Levou a bolsa ao quarto de Jim e colocou os carrinhos de miniatura e todas suas demais coisas como ele gostava.

Sentou na cama de Jim e chorou até dormir, abraçando o pequeno travesseiro dele.

Acordou cerca de meia-noite, junto a ela,havia uma folha de papel dobrada.

Abriu a carta que dizia:

" Querida mamãe, sei que você deve sentir minha falta mas não pense que eu te esqueci ou que deixei de te amar só porque não estou aí para dizer TE AMO.

Pensarei em você cada dia mamãe e cada dia te amarei ainda mais.
Algum dia voltaremos a nos ver.

Se você quiser adotar um menino para que não fiques tão sozinha, ele poderá ficar no meu quarto e brincar com todas as minhas coisas.

Se quiser uma menina, provavelmente ela não gostará das mesmas coisas que os meninos e terá que comprar bonecas e coisas de meninas.

Não fique triste quando pensar em mim,estou num lugar grandioso.

Deus me disse para responder o que você perguntou:

"Onde estava ele quando eu precisei?"

Deus disse:

"No mesmo lugar de quando Jesus estava na cruz.
Estava justo aí,como Deus sempre está com todos os seus filhos."

Não sinto mais nenhuma dor, o câncer foi embora.

Com amor, Deus, Jesus e eu.

Pais e Filhos Um Alerta



Nessa oportunidade, pais, quero lhes dizer algo. Se vocês já abriram a boca para dizerem que seu filho é burro, preguiçoso, desobediente e tantas outras coisas ruins, mas que em nada edificam, ao contrário, apenas amaldiçoam, se arrependam, peçam perdão ao Senhor e ao seu filho e passem a ministrar a bênção sobre a vida dele. Mesmo que esteja numa fase complicada, saiba que o seu filho é herança do Senhor. Abra a boca e diga que ele é precioso, que será um grande homem ou uma grande mulher segundo o coração do Senhor. Que ele é inteligente, trabalhador, honesto, enfim, profetize o melhor de Deus nesta Terra para a vida de seu filho.

Em Provérbios, capítulo 10, versículo 6, está escrito: “Sobre a cabeça do justo há bênçãos, mas na boca dos perversos mora a violência.” Na sua cabeça há bênçãos. Então diga ao o seu filho que ele é justo, pois ele é a justiça de Deus. Justiça é a habilidade de estar diante do Pai, sem culpa, sem condenação e nenhum sentimento de inferioridade. Sobre a sua cabeça há bênçãos. Ele não é um “João ninguém”, um qualquer, mas um filho do Soberano Deus. Pais, entendam que quando abrimos a boca e proferimos algo de ruim, damos legalidade ao diabo para ele agir em nossa vida, na vida da nossa família. Saiba que você tem a graça de poder abençoar. Comece a abençoar a sua família, o seu casamento, a sua vida, o seu trabalho, o seu patrão. Abençoe o seu dia.

Eu me lembro que a minha mãe recebia certa quantia de pensão do INSS, o valor era pouco. Mas o interessante era que sempre que qualquer filho precisasse, ela sempre tinha um valor para ceder. O mais interessante ainda era que os filhos ganhavam muito mais do que ela. O muito sem a bênção do Senhor se torna nada. Minha mãe sempre tinha porque aquele pouco estava sob a bênção do Eterno, e por isso rendia, se multiplicava, valia muito mais. Minha mãezinha abençoava aquele dinheiro; ela sabia da importância de abençoar tudo o que se tem. Ela cria no milagre. Por isso, amado leitor, não pense que a bênção é algo sem importância. Ela é tudo. A bênção é que vai fazer a diferença. “A morte e a vida estão no poder da língua.” Guarde esta verdade no seu coração e comece a abençoar.

Nessa oportunidade, quero falar também para os filhos. Há anos, os filhos não dormiam sem pedir a bênção aos pais. Quando dormiam ou acordavam, a primeira coisa que faziam era pedir a bênção ao pai e a mãe. Acontece que nos tempos atuais, este hábito foi deixado de lado. Mas saibam que não se trata de apenas um hábito ou costume. É a oportunidade de abençoar e de ser abençoado. Hoje alguns filhos passam pelos pais e dizem: “E aí velho”. Ou melhor: “E aí véi?” Se o momento for de pedir a bênção filho, abra a boca e diga: “A bênção papai! A bênção mamãe!” Quando o momento for de brincadeiras e descontração, aí sim, você pode brincar com os seus pais (sem desrespeitá-los, claro). Filho, permita ser abençoado pelos seus pais e você será mais feliz.

A bênção é assim, mútua, algo que recebemos e transmitimos.
Deus abençoe!

Queda de Satanás



Neste ponto, encontramo-nos diante de um dos mais profundos mistérios do universo moral, conforme revelado nas Escrituras: “Como é que o pecado entrou no universo?”

Está claro que a entrada do pecado tem conexão com a rebelião de Satanás. Mas, como foi que o impulso perverso surgiu no coração de alguém criado por um Deus perfeitamente santo? Diante de tal enigma, temos de reconhecer que as coisas encobertas de fato pertencem a Deus; as reveladas, no entanto, pertencem a nós (Dt 29.29).

E três dessas realidades claramente reveladas merecem ser enfatizadas:
Primeiro: a queda de Lúcifer foi resultado de sua insondável e pervertida determinação de usurpar a glória que pertence unicamente a Deus.

Esse fato é explicitado em uma série de cinco afirmações que empregam verbos na primeira pessoa do singular, conforme registradas em Isaías 14.13-14. Nisto consiste a essência do pecado: o desejo e a determinação de viver como se a criatura fosse mais importante que o Criador.


Segundo: Satanás é inteira e exclusivamente responsável por sua escolha perversa. Nisso existe uma dimensão inescrutável. Alguns têm argumentado que Deus deve ter Sua parcela de responsabilidade por este (e todo outro) crime, porque, caso fosse de Seu desejo, poderia ter criado um mundo em que tal rebelião fosse impossível.

Outros dizem que, se Deus tivesse criado um mundo em que apenas se pudesse fazer o que o seu Criador quisesse, nele não poderiam ser incluídos agentes morais feitos à imagem de Deus, dotados da capacidade de tomar decisões reais – e, conseqüentemente, de escolher adorar e amar a Deus. Há verdade nessa observação, mas também há mistério.

O relato deixa claro que o orgulho fez com que Lúcifer caísse numa terrível armadilha (Is 14.13-14; Ez 28.17; cf. 1 Tm 3.6), mas nada explica como tal orgulho de perdição pode surgir no coração de uma criatura de Deus não caída e perfeita.
No entanto, não há mistério quanto ao fato de que Satanás é, totalmente e com justiça, responsável pelo seu crime.

Ezequiel 28.15 afirma explicitamente que Lúcifer era perfeito desde o dia em que foi criado, “até que se achou iniqüidade em ti”. A culpabilidade moral é dele, e apenas dele. Na verdade, em toda sua extensão, a Bíblia afirma que Deus governa soberanamente o universo moral e controla todas as coisas – inclusive a maldade de homens e anjos – para que correspondam aos seus perfeitos propósitos. Mas ela também ensina que Deus não deve e não será responsabilizado por essa maldade, em qualquer sentido.

Finalmente, por causa de sua rebelião, Satanás tornou-se o arquiinimigo de Deus e de tudo o que é divino. Sua queda – bem como a dos espíritos que se uniram a ele – é irreversível; não há esperança de redenção. Satanás foi privado da comunhão com o Deus santo de forma final e irrecuperável.

Para ser exato, Satanás ainda tem acesso à sala judicial do trono do Universo por causa de seu papel de acusador dos irmãos, papel este que lhe foi designado divinamente (Jó 1 e 2; Zc 3; Lc 22.31; Ap 12.10). Tal acesso, no entanto, é destituído da comunhão com Deus ou da Sua aceitação. Devido à sua traição, que foi a mais terrível na história do cosmo, Satanás e seus anjos somente podem esperar a condenação e a punição eternas (Mt 25.41). (Douglas Bookman - Israel My Glory - http://www.chamada.com.br)

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails